Deus é ...

372 deus éSe você pudesse fazer uma pergunta a Deus; Qual seria? Talvez um "grande": de acordo com o seu destino? Por que as pessoas precisam sofrer? Ou um pequeno, mas urgente: o que aconteceu com meu cachorro que fugiu de mim quando eu tinha dez anos? E se eu tivesse me casado com minha namorada de infância? Por que Deus fez o céu azul? Ou talvez você só quisesse perguntar a ele: Quem é você? ou o que você é ou o que você quer A resposta provavelmente responderia à maioria das outras perguntas. Quem e o que Deus é e o que ele deseja são questões básicas sobre seu ser, sua natureza. Tudo o mais é determinado por ele: por que o universo é do jeito que é; quem somos como humanos; por que nossa vida é do jeito que é e como devemos moldá-la. Enigma original que todo mundo já pensou. Podemos obter uma resposta para isso, pelo menos em parte. Podemos começar a entender a natureza de Deus. Na verdade, por incrível que pareça, podemos participar da natureza divina. Através dos quais? Por meio da auto-revelação de Deus.

Os pensadores de todos os tempos fizeram as mais variadas imagens de Deus. Mas Deus se revela a nós por meio de sua criação, por meio de sua palavra e por meio de seu Filho Jesus Cristo. Ele nos mostra quem ele é, o que ele é, o que ele faz, até mesmo, até certo ponto, por que ele faz isso. Ele também nos diz qual relacionamento devemos ter com ele e que forma esse relacionamento assumirá no final. Um pré-requisito básico para qualquer conhecimento de Deus é um espírito receptivo e humilde. Temos que respeitar a palavra de Deus. Então Deus se revela a nós (Isaías 66,2), e aprenderemos a amar a Deus e aos seus caminhos. “Quem me ama”, disse Jesus, “guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos a ele e viveremos com ele” (João 14,23) Deus quer morar conosco. Se ele fizer isso, sempre obteremos respostas mais claras às nossas perguntas.

1. Em busca do eterno

Desde tempos imemoriais, o homem luta para esclarecer sua origem, seu ser e seu sentido de vida. Essa luta geralmente leva-o à questão de saber se existe um Deus e qual é o seu próprio ser. Ao mesmo tempo, o homem chegou às mais variadas imagens e idéias.

Caminhos sinuosos de volta ao Éden

O antigo desejo humano de uma interpretação do ser se reflete nas diversas construções de idéias religiosas que existem. Em muitas direções diferentes buscou-se abordar a origem da existência humana e, portanto, o guia presumido da vida humana. Infelizmente, a incapacidade do homem de compreender totalmente a realidade espiritual só gerou polêmica e outras questões:

  • Os panteístas vêem Deus como todas as forças e leis por trás do cosmos. Eles não acreditam em um Deus pessoal e interpretam o bem como o mal como divino.
  • Os politeístas acreditam em muitos seres divinos. Cada um desses deuses pode ajudar ou ferir, mas ninguém tem poder absoluto. Portanto, todos devem ser adorados. Politeístas foram ou são muitas crenças do Oriente Médio e Greco-Romana, bem como o espírito e culto ancestral de muitas culturas tribais.
  • Os teístas acreditam em um Deus pessoal como origem, sustentador e centro de todas as coisas. Se a existência de outros deuses é fundamentalmente excluída, é monoteísmo, pois se mostra em forma pura na fé do patriarca Abraão. Abraão invoca três religiões do mundo: judaísmo, cristianismo e islamismo.

Existe um deus?

Toda cultura na história desenvolveu um sentido mais ou menos forte da existência de Deus. O cético que nega a Deus sempre teve dificuldades. Ateísmo, niilismo, existencialismo - todas essas são tentativas de interpretação do mundo sem um Criador todo-poderoso, com ação pessoal, que determina o que é bom e o que é mal. Essas e outras filosofias semelhantes, em última análise, não fornecem uma resposta satisfatória. De certo modo, eles ignoram a questão central. O que realmente queremos perceber é que tipo de ser o Criador tem, o que ele está fazendo e o que precisa acontecer para que possamos viver em harmonia com Deus.

2. Como Deus se revela a nós?

Coloque-se hipoteticamente no lugar de Deus. Eles fizeram todas as coisas, incluindo os humanos. Você fez o homem à sua própria imagem (1. Mose 1,26-27) e deu a ele a habilidade de desenvolver um relacionamento especial com você. Você também não contaria às pessoas algo sobre você? Diga a ele o que você quer dele? Mostrar a ele como entrar no relacionamento com Deus que você deseja? Qualquer pessoa que presume que Deus é incognoscível pressupõe que Deus está se escondendo de sua criatura por algum motivo. Mas Deus se revela a nós: em sua criação, na história, na Bíblia e por meio de seu Filho Jesus Cristo. Vamos considerar o que Deus nos mostra por meio de seus atos de auto-revelação.

Criação revela Deus

Pode-se admirar o grande cosmos e não querer admitir que Deus existe, que tem todo o poder em suas mãos, que permite que a ordem e a harmonia prevaleçam? Romanos 1,20: "Pois o ser invisível de Deus, que é seu eterno poder e divindade, foi visto por suas obras desde a criação do mundo, se alguém as perceber." A visão do céu deixou o rei Davi espantado de que Deus lide com algo tão insignificante como o homem: "Quando vejo o céu, a obra dos teus dedos, a lua e as estrelas que preparaste: que é o homem que tu pensas ele, e o filho do homem, que você cuide dele? " (Salmo 8,4-5).

O grande conflito entre o duvidoso Jó e Deus também é famoso. Deus mostra a ele seus milagres, prova de sua autoridade e sabedoria ilimitadas. Esse encontro enche Jó de humildade. Os discursos de Deus podem ser lidos no Livro de Jó nos séculos 38 a 41. Capítulo. Vejo, confessa Jó, que você pode fazer tudo, e nada do que se propôs a fazer é muito difícil para você. É por isso que falei imprudentemente, o que é alto demais para mim e não entendo ... Só ouvi de você por ouvir dizer; mas agora meus olhos te viram "(Jó 42,2-3,5) Desde a criação, não apenas vemos que Deus existe, mas também vemos traços de seu ser a partir dela. Isso significa que o planejamento no universo pressupõe um planejador, a lei natural pressupõe um legislador, a preservação de todos os seres pressupõe um sustentador e a existência de vida física pressupõe um doador de vida.

O plano de Deus para o homem

O que Deus pretendia quando criou todas as coisas e nos deu vida? Paulo explicou aos atenienses: "... ele fez toda a raça humana de um homem, que eles deveriam habitar em toda a terra, e ele estipulou por quanto tempo eles deveriam existir e dentro de quais limites deveriam habitar para que buscassem Deus, se eles podem senti-lo e encontrá-lo; na verdade, ele não está longe de cada um de nós, porque nele vivemos, tecemos e existimos; como alguns poetas também disseram entre vocês: Nós somos da sua geração ”(Atos 17: 26-28). Ou simplesmente, como Johannes escreve, que "amamos porque ele nos amou primeiro" (1. Johannes 4,19).

A história revela Deus

Os céticos perguntam: "Se Deus existe, por que ele não se mostra ao mundo?" E "Se ele é realmente onipotente, por que permite o mal?" A primeira pergunta assume que Deus nunca se mostrou à humanidade. E a segunda, que ele está insensível às necessidades humanas ou pelo menos não faz nada a respeito. Historicamente e a Bíblia contém vários registros históricos, ambas as suposições não são sustentáveis. Desde os dias da primeira família humana, Deus freqüentemente entrou em contato direto com as pessoas. Mas as pessoas geralmente não querem saber nada sobre eles!

Isaías escreve: "Certamente, tu és um Deus oculto ..." (Isaías 45,15) Freqüentemente, Deus "se esconde" quando as pessoas mostram a ele por meio de seus pensamentos e ações que não querem ter nada a ver com ele ou com seus caminhos. Isaías mais tarde acrescenta: "Eis que o braço do Senhor não é tão curto que ele não possa ajudar, e seus ouvidos não se endureceram para que ele não possa ouvir, mas as tuas dívidas separam-te de um Deus e escondem os teus pecados a sua face diante de ti , para que não sejais ouvidos "(Isaías 59,1-2).

Tudo começou com Adão e Eva. Deus os criou e os colocou em um jardim florido. E então ele falou diretamente com ela. Você sabia que ele estava lá. Ele mostrou a eles como se relacionar com ele. Ele não os deixou entregues a seus próprios recursos.Adão e Eva tiveram que fazer uma escolha. Eles tinham que decidir se queriam adorar a Deus (simbolicamente: comer da árvore da vida) ou desconsiderar a Deus (simbolicamente: comer da árvore do conhecimento do bem e do mal). Você escolheu a árvore errada (1. Moisés 2 e 3). Muitas vezes esquecido, entretanto, é que Adão e Eva sabiam que haviam desobedecido a Deus. Eles se sentiram culpados. Na próxima vez que o Criador veio falar com eles, eles ouviram: "O Senhor Deus caminhando no jardim, quando o dia já esfriou. E Adão e sua esposa se esconderam sob as árvores aos olhos do Senhor Deus no jardim" (1. Mose 3,8).

Então, quem estava se escondendo? Não Deus! Mas pessoas diante de Deus. Eles queriam distância, separação entre ele e ele. E é assim que tem permanecido desde então. A Bíblia está cheia de exemplos de Deus estendendo a mão para ajudar a humanidade e a humanidade estendendo essa mão. Noé, um "pregador da justiça" (2. Pedro 2: 5), passou um século inteiro alertando o mundo do julgamento vindouro de Deus. O mundo não ouviu e se afogou no dilúvio. O Deus pecador de Sodoma e Gomorra destruído por uma tempestade de fogo, cuja fumaça subiu como um farol "como a fumaça de um forno" (1. Moisés 19,28) Mesmo essa correção sobrenatural não tornou o mundo melhor. A maior parte do Antigo Testamento descreve as ações de Deus para com o povo escolhido de Israel. Israel também não queria ouvir a Deus. "... não deixe Deus falar conosco", gritavam o povo (2. Moisés 20,19).

Deus também interveio nas fortunas de grandes potências como Egito, Nínive, Babilônia e Pérsia. Ele frequentemente falava diretamente aos governantes mais elevados. Mas o mundo como um todo permaneceu obstinado. Pior ainda, muitos servos de Deus foram cruelmente assassinados por aqueles a quem eles queriam levar a mensagem de Deus. Hebreus 1: 1-2 finalmente nos diz: "Depois que Deus falou aos pais muitas vezes e de muitas maneiras por meio dos profetas, nestes últimos dias ele nos falou por meio do Filho ..." Jesus Cristo veio ao mundo para pregar o evangelho da salvação e o reino de Deus. Resultado? “Ele estava no mundo, e o mundo foi feito por ele; mas o mundo não o conheceu” (João 1,10) Seu encontro com o mundo lhe trouxe a morte.

Jesus, Deus encarnado, exprimiu o amor e a compaixão de Deus pela sua criação: «Jerusalém, Jerusalém, mates os profetas e apedrejais os que te foram enviados! Quantas vezes quis reunir os teus filhos como uma galinha reúne os seus pintos debaixo das asas; e você não queria! " (Mateus 23,37) Não, Deus não fica longe. Ele se revelou na história. Mas a maioria das pessoas fechou os olhos para ele.

O testemunho bíblico

A Bíblia nos mostra Deus das seguintes maneiras:

  • Auto-afirmações de Deus sobre sua natureza
    Então ele revela em 2. Mose 3,14 seu nome a Moisés: "Eu serei quem eu serei." Moisés viu uma sarça ardente que não foi consumida pelo fogo. Nesse nome ele se revela um ser e um ser vivente de si mesmo. Outros aspectos de seu ser são revelados em seus outros nomes bíblicos. Deus ordenou aos israelitas: "Portanto, sereis santos, porque eu sou santo" (3. Mose 11,45) Deus é santo. Em Isaías 55: 8, Deus nos diz claramente: "... meus pensamentos não são os seus pensamentos, e os seus caminhos não são os meus caminhos ..." Deus vive e age em um plano mais elevado do que nós. Jesus Cristo era Deus em forma humana. Ele se descreve como "a luz do mundo" (João 8:12), como o "Eu sou" que viveu antes de Abraão (versículo 58), como "a porta" (João 10,9), como "o bom pastor" (versículo 11) e como o "caminho, a verdade e a vida" (João 14,6).
  • Auto-afirmações de Deus sobre o seu trabalho
    O fazer pertence à essência, ou melhor, surge dela. Afirmações sobre fazer, portanto, complementam afirmações sobre ser. Eu faço "a luz ... e crio as trevas", diz Deus sobre si mesmo em Isaías 45,7; Eu dou "Paz ... e crio calamidades. Eu sou o Senhor que faz tudo isso." Deus criou tudo o que existe. E ele domina o que é criado. Deus também prediz o futuro: “Eu sou Deus, e ninguém mais, um Deus que não é nada parecido. Desde o início eu proclamei o que viria depois, e antes disso o que ainda não aconteceu. Eu digo: O que eu faço decidi acontecer, e tudo o que me propus a fazer, eu farei "(Isaías 46,9-10). Deus ama o mundo e enviou seu Filho para trazer salvação a ele. "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todos os que nele crêem não morram, mas tenham a vida eterna" (João 3,16) Deus traz filhos para sua família por meio de Jesus. Em Apocalipse 21,7 lemos: “Aquele que vencer herdará tudo, e eu serei seu Deus e ele será meu filho”. Sobre o futuro, Jesus diz: “Eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um segundo as suas obras” (Apocalipse 2 Cor.2,12).
  • Declarações de pessoas sobre a natureza de Deus
    Deus sempre esteve em contato com pessoas que escolheu para realizar sua vontade. Muitos desses servos nos deixaram detalhes da natureza de Deus na Bíblia. "... o Senhor é nosso Deus, só o Senhor", disse Moisés (5. Mose 6,4) Só existe um Deus. A Bíblia defende o monoteísmo. (Veja o terceiro capítulo para mais detalhes). Das muitas declarações do salmista sobre Deus, apenas esta: "Pois quem é Deus senão o Senhor, ou uma rocha senão o nosso Deus?" (Salmo 18,32) Somente Deus deve adorar, e ele fortalece aqueles que o adoram. Há uma abundância de percepções sobre a natureza de Deus nos Salmos. Um dos versículos mais reconfortantes das Escrituras é 1. Johannes 4,16: "Deus é amor ..." Uma visão importante sobre o amor de Deus e sua grande vontade para com as pessoas pode ser encontrada em 2. Pedro 3: 9: “O Senhor ... não quer que ninguém se perca, mas que todos encontrem o arrependimento”. Qual é o maior desejo de Deus para nós, suas criaturas, seus filhos? Que seremos salvos. E a Palavra de Deus não retorna para ele vazia - ela cumprirá o que foi planejado (Isaías 55,11) Saber que o propósito de Deus é e é capaz de nos salvar deve nos dar uma grande esperança.
  • A Bíblia contém declarações de pessoas sobre as ações de Deus
    Deus "suspende a terra sobre o nada", diz Jó 26,7 o fim. Ele dirige as forças que determinam a órbita e a rotação da Terra. Em suas mãos estão a vida e a morte para os habitantes da terra: "Se você esconder o seu rosto, eles ficarão assustados; se você tirar o fôlego, eles passarão e se tornarão pó novamente. Você manda sem fôlego, eles são criados e você cria novos com a forma da terra "(Salmo 104,29-30). No entanto, Deus, embora todo-poderoso, como o amoroso Criador, fez o homem à sua imagem e deu-lhe o domínio sobre a terra (1. Mose 1,26) Quando ele viu que a maldade havia se espalhado sobre a terra, "ele se arrependeu de ter feito os homens na terra, e ele se entristeceu em seu coração" (1. Mose 6,6) Ele respondeu à maldade do mundo enviando o dilúvio que devorou ​​toda a humanidade, exceto Noé e sua família (1. Mose 7,23) Deus mais tarde chamou o patriarca Abraão e fez uma aliança com ele pela qual "todas as famílias da terra" deveriam ser abençoadas (1. Moisés 12,1-3) uma referência já a Jesus Cristo, um descendente de Abraão. Quando formou o povo de Israel, Deus miraculosamente os conduziu através do Mar Vermelho e destruiu o exército egípcio: "... cavalo e homem ele lançou ao mar" (2. Moisés 15,1) Israel quebrou seu acordo com Deus e permitiu que a violência e a injustiça caíssem. Portanto, Deus permitiu que a nação fosse atacada por povos estrangeiros e eventualmente conduzida para a escravidão da Terra Prometida (Ezequiel 22,23-31). No entanto, o Deus misericordioso prometeu enviar um Salvador ao mundo para fazer uma aliança eterna de justiça com todos aqueles que se arrependessem de seus pecados, israelitas e não israelitas.9,20-21). E, finalmente, Deus realmente enviou seu Filho Jesus Cristo. Jesus declarou: "Porque esta é a vontade de meu Pai que todo aquele que vir o Filho e nele crer tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia" (João 6:40). Deus garantiu: "... todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo" (Romanos 10,13).
  • Hoje Deus autoriza sua igreja a pregar o evangelho do reino "em todo o mundo para o testemunho de todos os povos".4,14) No dia de Pentecostes após a ressurreição de Jesus Cristo, Deus enviou o Espírito Santo para: unir a igreja no corpo de Cristo e revelar os mistérios de Deus aos cristãos (Atos dos Apóstolos 2,1-4).

A Bíblia é um livro sobre Deus e o relacionamento da humanidade com ele. Sua mensagem nos convida a uma exploração ao longo da vida, a aprender mais sobre Deus, o que ele é, o que ele faz, o que ele deseja, o que ele planeja. Mas ninguém pode compreender uma imagem perfeita da realidade de Deus. Um pouco desanimado por sua incapacidade de compreender a plenitude de Deus, João fecha seu relato da vida de Jesus com as palavras: "Há muitas outras coisas que Jesus fez. Mas se uma coisa após a outra for escrita, então eu acho que o mundo não compreenderia os livros a serem escritos "(João 21,25).

Em poucas palavras, a Bíblia mostra Deus como

• ser de si mesmo

• vinculado a nenhum limite de tempo

• limitado a nenhum limite espacial

• todo-poderoso

• onisciente

• transcendente (acima do universo)

• imanente (preocupado com o universo).

Mas o que é Deus exatamente?

Certa vez, um professor de religião tentou dar a seu público uma idéia mais próxima de Deus. Ele pediu aos alunos que juntassem as mãos em um grande círculo e fechassem os olhos. "Agora relaxe e apresente-se a Deus", disse ele. "Tente imaginar como ele é, como pode ser seu trono, como sua voz pode soar, o que está acontecendo ao seu redor." De olhos fechados, de mãos dadas, os alunos ficaram muito tempo sentados em suas cadeiras e sonharam com imagens de Deus. "Então?" perguntou o professor. "Você o vê? Cada um de vocês deveria ter alguma imagem em mente agora. Mas", continuou o professor, isso não é Deus! Não! ele a arrancou de seus pensamentos. "Aquilo não é Deus! Ninguém pode compreendê-lo totalmente com o nosso intelecto! Ninguém pode compreender Deus completamente, porque Deus é Deus e nós somos apenas seres físicos e limitados." Uma visão muito profunda. Por que é tão difícil definir quem e o que é Deus? O principal obstáculo está na limitação mencionada por aquele professor: o homem faz todas as suas experiências através dos seus cinco sentidos, e todo o nosso conhecimento linguístico é adaptado para isso. Deus, por outro lado, é eterno. Ele é infinito. Ele é invisível. No entanto, podemos fazer declarações significativas sobre um Deus, embora sejamos limitados por nossos sentidos físicos.

Realidade espiritual, linguagem humana

Deus se revela indiretamente na criação. Ele interveio frequentemente na história do mundo. Sua Palavra, a Bíblia, nos fala mais sobre ele. Ele também apareceu para algumas pessoas na Bíblia de várias maneiras. No entanto, Deus é espírito, toda a sua plenitude não pode ser considerada, tocada, percebida pelo olfato. A Bíblia nos dá verdades sobre uma concepção de Deus por meio de conceitos que os seres físicos podem apreender em seu mundo físico. Mas estas palavras são incapazes de render completamente a Deus.

Por exemplo, a Bíblia chama Deus de "pedra" e "castelo" (Salmo 18,3), "Escudo" (Salmo 144,2), "fogo consumidor" (Hebreus 12,29) Sabemos que Deus não corresponde literalmente a essas coisas físicas. São símbolos que, baseados no que é humanamente observável e compreensível, nos aproximam de aspectos importantes de Deus.

A Bíblia até atribui uma forma humana a Deus, o que revela aspectos de seu caráter e relacionamento com o homem. As passagens descrevem Deus com um corpo (Filipenses 3:21); uma cabeça e um cabelo (Apocalipse 1,14); um rosto (1. Moisés 32,31; 2. Moisés 33,23; Apocalipse 1:16); Olhos e ouvidos (5. Mose 11,12; Salmo 34,16; Epifania 1,14); Nariz (1. Mose 8,21; 2. Moisés 15,8); Boca (Mateus 4,4; Epifania 1,16); Lábios (Trabalho 11,5); Voz (Salmo 68,34; Epifania 1,15); Língua e respiração (Isaías 30,27: 28-4); Braços, mãos e dedos (Salmo 4,3-4; 89,14; Hebreus 1,3; 2. Crônica 18,18; 2. Moisés 31,18; 5. Mose 9,10; Salmo 8: 4; Epifania 1,16); Ombros (Isaías 9,5); Mama (revelação 1,13); Mover (2. Moisés 33,23); Quadris (Ezequiel 1,27); Pés (Salmo 18,10; Epifania 1,15).

Ao falar de nosso relacionamento com Deus, a Bíblia freqüentemente usa uma linguagem tirada da vida familiar humana. Jesus nos ensina a orar: "Pai nosso que estás nos céus!" (Mateus 6,9) Deus quer consolar seu povo como uma mãe consola seus filhos (Isaías 66,13) Jesus não tem vergonha de chamar os escolhidos de Deus de seus irmãos (Hebreus 2,11); ele é o irmão mais velho dela, o primogênito (Romanos 8,29) Em Apocalipse 21,7 Deus promete: "Quem vencer herdará tudo, e eu serei seu Deus e ele será meu filho." Sim, Deus chama os cristãos para um vínculo familiar com seus filhos. A Bíblia descreve esse vínculo em um entendimento que pode ser compreendido por humanos. Ela pinta um quadro da realidade espiritual mais elevada que poderia ser chamada de impressionista. Isso não nos dá todo o escopo da gloriosa realidade espiritual futura. A alegria e a glória do relacionamento final com Deus como Seus filhos são muito maiores do que nosso vocabulário limitado pode expressar. Então diga-nos 1. Johannes 3,2: "Queridos, já somos filhos de Deus; mas ainda não foi revelado o que seremos. Mas sabemos: quando se tornar evidente, seremos como ele; pois o veremos como ele é." Na ressurreição, quando vier a plenitude da salvação e o reino de Deus, finalmente conheceremos a Deus "plenamente". "Agora vemos uma imagem escura através de um espelho", escreve Paul, "mas depois cara a cara. Agora eu sei pedaço por pedaço; mas então verei como sou conhecido" (1. Corinthians 13,12).

"Quem me vê, vê o pai"

A auto-revelação de Deus, como vimos, ocorre por meio da criação, da história e das escrituras. Além disso, Deus se revelou ao homem pelo fato de ele mesmo se tornar homem. Ele se tornou como nós e viveu, serviu e ensinou entre nós. A vinda de Jesus foi o maior ato de auto-revelação de Deus. "E a palavra se fez carne (João 1,14) Jesus libertou-se dos privilégios divinos e tornou-se um ser humano, plenamente humano. Ele morreu por nossos pecados, ressuscitou dos mortos e organizou Sua Igreja. A vinda de Cristo foi um choque para as pessoas de sua época. Porque? Porque sua imagem de Deus não estava longe o suficiente, como veremos nos próximos dois capítulos. No entanto, Jesus disse aos seus discípulos: "Quem me vê, vê o Pai!" (João 14: 9). Resumindo: Deus se revelou em Jesus Cristo.

3. Não há nenhum deus além de mim

Judaísmo, Cristianismo, Islã. Todas as três religiões mundiais referem-se a Abraão como pai. Abraão diferia de seus contemporâneos em um aspecto importante: ele adorava apenas um Deus - o Deus verdadeiro. Monoteísmo, que é a crença de que existe apenas um Deus, denota o ponto de partida da verdadeira religião.

Abraão adorou o Deus verdadeiro Abraão não nasceu em uma cultura monoteísta. Séculos depois, Deus admoesta o antigo Israel: "Seus pais viveram do outro lado do rio Eufrates, Terá, Abraão e o pai de Naor, e serviram a outros deuses. Então, peguei seu pai Abraão do outro lado do rio e o deixei vagar por toda a terra de Canaã e ser mais numeroso de gênero ... "(Josué 24,2-3).

Antes de seu chamado por Deus, Abraão morava em Ur; seus ancestrais provavelmente viveram em Haran. Muitos deuses foram adorados em ambos os lugares. Em Ur, por exemplo, havia um grande zigurate dedicado ao deus lunar sumério Nanna. Outros templos em Ur serviram aos cultos de An, Enlil, Enki e NingaL. Deus Abraão saiu deste mundo politeísta de fé: "Saia de sua pátria e de seus parentes e da casa de seu pai para um país que eu quero mostrar você. E eu quero fazer de você um grande povo ... "(1. Moisés 12,1-2).

Abraão obedeceu a Deus e partiu (v. 4). Em certo sentido, o relacionamento de Deus com Israel começou neste ponto: quando ele se revelou a Abraão. Deus fez uma aliança com Abraão. Mais tarde, ele renovou a aliança com o filho de Abraão, Isaque, e mais tarde ainda com o filho de Isaque, Jacó. Abraão, Isaac e Jacó adoraram o único Deus verdadeiro. Isso também os tornava diferentes de seus parentes próximos. Labão, um neto de Nahor, irmão de Abraão, ainda conhecia deuses domésticos (ídolos) (1. Moisés 31,30-35).

Deus salva Israel da idolatria egípcia

Décadas depois, Jacó (renomeado como Israel) se estabeleceu no Egito com seus filhos. Os filhos de Israel permaneceram no Egito por vários séculos. No Egito, também, havia politeísmo pronunciado. O Lexicon of the Bible (Eltville 1990) escreve: "A religião [do Egito] é um conglomerado de religiões nomos individuais, às quais aparecem numerosas divindades introduzidas do exterior (Baal, Astarte, os rabugentos Bes), independentemente das contradições entre as várias idéias que surgiram ... Na terra os deuses se incorporam em animais reconhecíveis por certos signos ”(p. 17-18).

No Egito, os filhos de Israel aumentaram em número, mas caíram na escravidão dos egípcios. Deus se revelou em uma série de atos que levaram à libertação de Israel do Egito. Então ele fez uma aliança com a nação de Israel. Como esses eventos mostram, a auto-revelação de Deus ao homem sempre foi monoteísta. Ele se revela a Moisés como o Deus de Abraão, Isaque e Jacó. O nome que ele se dá ("Eu serei" ou "Eu sou", 2. Mose 3,14), sugere que outros deuses não existem da maneira que Deus existe. Deus é. Você não é!

Porque o faraó não quer libertar os israelitas, Deus humilha o Egito com dez pragas. Muitas dessas pragas mostram imediatamente a impotência dos deuses egípcios. Por exemplo, um dos deuses egípcios tem a cabeça de um sapo. A praga de sapos de Deus torna o culto a esse deus ridículo.

Mesmo depois de ver as terríveis consequências das dez pragas, Faraó se recusa a deixar os israelitas partirem. Então Deus destrói o exército egípcio no mar (2. Moisés 14,27) Este ato demonstra a impotência do deus egípcio do mar. Cantando canções triunfantes (2. Moisés 15,1-21), os filhos de Israel louvam seu Deus Todo-Poderoso.

O verdadeiro Deus é encontrado e perdido novamente

Do Egito, Deus conduz os israelitas ao Sinai, onde eles selam uma aliança. No primeiro dos dez mandamentos, Deus enfatiza que a adoração é devida somente a ele: "Não terás outros deuses além de mim" (2. Moisés 20,3: 4). No segundo mandamento, ele proíbe a imagem e a idolatria (versículos 5). Repetidamente, Moisés admoesta os israelitas a não sucumbirem à idolatria (5. Mose 4,23-26; 7,5, 12,2-3; 29,15-20). Ele sabe que os israelitas serão tentados a seguir os deuses cananeus quando eles vierem para a terra prometida.

O nome da oração Sh'ma (hebraico "Ouça!", Após a primeira palavra desta oração) mostra o compromisso de Israel com Deus. Começa assim: "Ouve, Israel, o Senhor é nosso Deus, só o Senhor. E amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todas as tuas forças" (5. Mose 6,4-5). No entanto, Israel se apaixona repetidamente pelos deuses cananeus, incluindo EI (um nome padrão que também pode ser aplicado ao Deus verdadeiro), Baal, Dagom e Asthoreth (outro nome para a deusa Astarte ou Ishtar). O culto a Baal em particular tem uma atração sedutora para os israelitas. Quando eles colonizaram a terra de Canaã, eles dependiam de boas colheitas. Baal, o deus da tempestade, é adorado em rituais de fertilidade. The International Standard Bible Encyclopedia: "Por focar na fertilidade da terra e dos animais, o culto da fertilidade sempre teve um efeito atraente em sociedades como o antigo Israel, cuja economia era predominantemente rural" (Volume 4, p. 101).

Os profetas de Deus admoestam os israelitas a se arrependerem de sua apostasia. Elias pergunta ao povo: "Por quanto tempo vocês mancam dos dois lados? Se o Senhor é Deus, sigam-no, mas se for Baal, sigam-no" (1. Reis 18,21) Deus responde à oração de Elias para provar que ele é o único Deus. O povo reconhece: "O Senhor é Deus, o Senhor é Deus!" (Versículo 39).

Deus não se revela apenas como o maior de todos os deuses, mas como o único Deus: "Eu sou o Senhor, e ninguém mais, nenhum deus está fora" (Isaías 45,5) E: "Antes de mim não há Deus, por isso não haverá ninguém depois de mim. Eu, eu sou o Senhor, e fora de mim não há Salvador" (Isaías 43,10-11).

Judaísmo - estritamente monoteísta

A religião judaica da época de Jesus não era nem henoteísta (assumindo muitos deuses, mas considerando um como o maior) nem monoiátrica (permitindo apenas o culto a um deus, mas considerando a existência de outros), mas estritamente monoteísta (acreditando que só havia um Deus). De acordo com o Dicionário Teológico do Novo Testamento, os judeus estavam unidos em nada mais que sua crença em um Deus (Volume 3, p. 98).

Até hoje, dizer o Sh'ma é parte integrante da religião judaica. Rabi Akiba (morreu mártir em 2. Século DC), que teria sido executado enquanto rezava o Sh'ma, teria continuado em seus tormentos 5. Mose 6,4 disse e deu o último suspiro com a palavra "sozinho".

Jesus ao monoteísmo

Quando um escriba pergunta a Jesus qual é o maior mandamento, Jesus responde com uma citação de Sh'ma: “Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus, só o Senhor é, e deves amar o Senhor teu Deus de todo o teu coração Corações, com toda a sua alma, com toda a sua mente e com todas as suas forças. "(Marcos 12: 29-30) O escriba concorda:" Mestre, você realmente falou certo! Ele é um só, e não há outro além dele ... ”(versículo 32).

No próximo capítulo, veremos que a vinda de Jesus aprofunda e amplia a imagem de Deus da igreja do Novo Testamento. Jesus afirma ser o Filho de Deus e ao mesmo tempo um com o pai. Jesus afirma o monoteísmo. O Dicionário Teológico do Novo Testamento enfatiza: "Por meio da cristologia [do Novo Testamento], o monoteísmo cristão primitivo é consolidado, não abalado ... De acordo com os Evangelhos, Jesus até intensifica o credo monoteísta" (Volume 3, p. 102).

Até mesmo os inimigos de Cristo o atestam: "Mestre, sabemos que és verdadeiro e não perguntas por ninguém; porque não respeitas a reputação dos homens, mas ensinas o caminho de Deus" (versículo 14). Como mostram as Escrituras, Jesus é "o Cristo de Deus" (Lucas 9,20), "o Cristo, o escolhido de Deus" (Lucas 23:35). Ele é o "Cordeiro de Deus" (João 1,29) e "pão de Deus" (Johannes 6,33) Jesus, a Palavra, era Deus (João 1,1) Talvez a declaração monoteísta mais clara de Jesus possa ser encontrada em Marcos 10,17-18. Quando alguém se dirige a ele como "bom mestre", Jesus responde: "Como você me chama de bom? Ninguém é bom, só Deus."

O que a igreja primitiva pregou

Jesus comissionou sua igreja para pregar o evangelho e fazer discípulos de todas as nações (Mateus 28,18-20). Portanto, ela logo pregou para pessoas influenciadas pela cultura politeísta. Quando Paulo e Barnabé pregaram e fizeram milagres em Listra, a reação dos habitantes traiu seu pensamento estritamente politeísta: "Mas quando o povo viu o que Paulo tinha feito, eles levantaram a voz e gritaram em Licaão: Os deuses tornaram-se como homens e vieram até nós. E chamaram Barnabé Zeus e Paulus Hermes ... "(Atos 14,11-12). Hermes e Zeus eram dois deuses do panteão grego. Tanto o panteão grego quanto o romano eram bem conhecidos no mundo do Novo Testamento, e o culto aos deuses greco-romanos floresceu. Paulo e Barnabé responderam apaixonadamente monoteísta: "Nós também somos mortais como você e pregamos o evangelho para que você se converta desses falsos deuses ao Deus vivo, que fez o céu, a terra, o mar e tudo o que há neles" (versículo 15). Mesmo assim, eles dificilmente poderiam impedir as pessoas de se sacrificarem por eles.

Em Atenas, Paulo encontrou altares de muitos deuses diferentes - até mesmo um altar com a dedicatória "Ao Deus desconhecido" (Atos 17,23) Ele usou este altar como um "gancho" para seu sermão sobre o monoteísmo aos atenienses. Em Éfeso, o culto a Ártemis (Diana) foi acompanhado por um intenso comércio de ídolos. Depois que Paulo pregou o único Deus verdadeiro, o comércio diminuiu. O ourives Demétrio, que sofreu perdas como resultado, reclamou que "este Paulo aborta, persuade e diz: O que se faz por mãos não é deuses" (Atos 19:26). Mais uma vez, um servo de Deus prega a futilidade dos ídolos feitos pelo homem. Como o antigo, o Novo Testamento proclama apenas um Deus verdadeiro. Os outros deuses não.

Nenhum outro deus

Paulo diz claramente aos cristãos de Corinto que ele sabe "que não há ídolo no mundo e nenhum deus senão aquele" (1. Corinthians 8,4).

O monoteísmo determina tanto o Antigo quanto o Novo Testamento. Abraão, o pai dos crentes, chamou Deus de uma sociedade politeísta. Deus se revelou a Moisés e Israel e fundou a antiga aliança somente na adoração a si mesmo.Ele enviou profetas para enfatizar a mensagem do monoteísmo. E, finalmente, o próprio Jesus também confirmou o monoteísmo. A Igreja do Novo Testamento que ele fundou lutou constantemente contra as crenças que não representavam o monoteísmo puro. Desde os dias do Novo Testamento, a igreja tem pregado consistentemente o que Deus revelou há muito tempo: Somente um é Deus, "o Senhor somente".

4. Deus revelado em Jesus Cristo

A Bíblia ensina: "Existe apenas um Deus". Não dois, três ou mil. Só existe Deus sozinho. O cristianismo é uma religião monoteísta, como vimos no terceiro capítulo. É por isso que a vinda de Cristo causou tal sensação naquele momento.

Um incômodo para os judeus

Por Jesus Cristo, pelo “esplendor da sua glória e pela semelhança do seu ser”, Deus se revelou ao homem (Hebreus 1,3) Jesus chamou Deus de seu Pai (Mateus 10,32-33; Lucas 23,34; João 10,15) e disse: "Quem me vê vê o pai!" (João 14: 9). Ele fez a afirmação ousada: "Eu e o Pai somos um" (João 10:30). Após sua ressurreição, Thomas dirigiu-se a ele com "Meu Senhor e meu Deus!" (João 20:28). Jesus Cristo era Deus.

O judaísmo não podia aceitar isso. "O Senhor é nosso Deus, só o Senhor" (5. Mose 6,4); esta frase do Sh'ma formou por muito tempo o fundamento da fé judaica. Mas aí veio um homem com um profundo conhecimento das escrituras e poderes milagrosos que afirmava ser o Filho de Deus. Alguns líderes judeus o reconheceram como um professor vindo de Deus (João 3,2).

Mas filho de Deus? Como poderia aquele, único Deus, ser pai e filho ao mesmo tempo? "É por isso que os judeus tentaram ainda mais matá-lo", diz Johannes 5,18"Porque ele não só quebrou o sábado, mas também disse que Deus era seu pai." No final, os judeus o condenaram à morte porque ele havia blasfemado diante deles: "Então o sumo sacerdote perguntou-lhe novamente e disse-lhe: Você és tu o Cristo, o Filho do Abençoado? Mas Jesus disse: Sou eu; e você verá o Filho do Homem sentado à direita do Poder e vindo com as nuvens do céu. Então o sumo sacerdote rasgou suas roupas e disse: Para que precisamos ter mais testemunhas? Você ouviu a blasfêmia. Qual é o seu julgamento? Mas todos o condenaram, sendo ele culpado de morte "(Marcos 14,61-64).

Loucura para os gregos

Mas mesmo os gregos da época de Jesus não podiam aceitar a afirmação de Jesus. Nada, era sua convicção, pode preencher a lacuna entre o eterno-imutável e o efêmero-material. E assim os gregos zombaram da seguinte declaração profunda de João: "No princípio era a palavra, e a palavra estava com Deus, e Deus era a palavra ... E a palavra se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória , uma glória como o Filho unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade "(João 1,1, 14). Isso não é o suficiente do inacreditável para o incrédulo. Deus não apenas se tornou homem e morreu, ele foi ressuscitado dos mortos e recuperou sua antiga glória7,5) O apóstolo Paulo escreveu aos efésios que Deus “ressuscitou Cristo dentre os mortos e instituiu Cristo à sua direita no céu” (Efésios 1:20).

Paulo aborda claramente a consternação que Jesus Cristo causou em judeus e gregos: "Porque o mundo, rodeado pela sabedoria de Deus, não reconheceu a Deus pela sua sabedoria, aprouve a Deus, pela loucura da pregação, salvar os que nela crêem , pois os judeus exigem sinais e os gregos pedem sabedoria, mas nós pregamos a Cristo crucificado, uma ofensa aos judeus e loucura aos gregos "(1. Corinthians 1,21-23). Somente aqueles que são chamados podem compreender e abraçar as maravilhosas novas do evangelho, diz Paulo; "Para aqueles ... que são chamados, judeus e gregos, pregamos a Cristo como o poder de Deus e a sabedoria de Deus. Pois a loucura de Deus é mais sábia do que os seres humanos, e a fraqueza de Deus é mais forte do que os seres humanos" (v. 24-25 ) E em romanos 1,16 exclama Paulo: "... não me envergonho do evangelho; pois é um poder de Deus que salva todos os que nele crêem, primeiro os judeus e também os gregos."

"Eu sou a porta"

Durante sua vida terrena, Jesus, o Deus Encarnado, explodiu muitas idéias antigas, mas falsas - sobre o que Deus é, como Deus vive e o que Deus quer. Ele esclareceu as verdades que o Antigo Testamento havia apenas sugerido. E ele acabou de anunciar, por
Ele é a salvação possível.

«Eu sou o caminho, a verdade e a vida», proclamava, «ninguém vem ao Pai senão por mim» (Jo 14,6) E: "Eu sou a videira, vocês são os ramos. Quem fica em mim e eu nele, traz muito voo; porque sem mim nada podeis fazer. Quem não ficar em mim será lançado fora como um ramo e cernelha, e eles são colhidos e lançados no fogo, e eles devem queimar "(João 15,5-6). Anteriormente, ele disse: "Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, será salvo ..." (João 10,9).

Jesus é deus

Jesus tem o imperativo monoteísta que consiste em 5. Mose 6,4 fala e que ecoa em todo o Antigo Testamento, não é anulada. Ao contrário, assim como ele não abole a lei, mas a expande (Mateus 5, 17, 21-22, 27-28), ele agora expande o conceito do "único" Deus de uma forma completamente inesperada. Ele explica: Há apenas um e apenas Deus, mas a palavra está com Deus por toda a eternidade (João 1,1-2). A palavra se fez carne - completamente humana e ao mesmo tempo completamente Deus - e por si mesma renunciou a todos os privilégios divinos. Jesus, “que estava em forma divina, não considerou roubo ser igual a Deus, mas esvaziou-se e assumiu a forma de servo, tornou-se como o homem e ele
Aparência reconhecida como humana. Ele se humilhou e foi obediente até a morte, até a morte de cruz "(Filipenses 2,6-8).

Jesus era totalmente humano e totalmente Deus. Ele comandou todo o poder e autoridade de Deus, mas se submeteu às limitações da existência humana por nossa causa. Durante esse tempo de encarnação, ele, o filho, permaneceu "um" com o pai. "Quem me vê vê o pai!" disse Jesus (João 14,9) “Nada posso fazer por mim mesmo. Conforme ouço, julgo, e meu julgamento é justo; pois não busco a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou” (João 5,30) Ele disse que não estava fazendo nada sobre si mesmo, mas que falava como seu pai o havia ensinado (João 8,28).

Pouco antes de sua crucificação, ele explicou aos seus discípulos: "Eu saí do Pai e vim ao mundo; de novo deixo o mundo e vou para o Pai" (Jo 16,28) Jesus veio à terra para morrer por nossos pecados. Ele veio para começar sua igreja. Ele veio para iniciar a pregação mundial do evangelho. E ele também veio revelar Deus às pessoas. Em particular, ele tornou as pessoas cientes da relação pai-filho que existe na divindade.

O Evangelho de João, por exemplo, traça amplamente como Jesus revela o Pai à humanidade. As conversas da Páscoa de Jesus (João 13-17) são particularmente interessantes a esse respeito. Que visão surpreendente da natureza de Deus! A revelação posterior de Jesus sobre o relacionamento da vontade de Deus entre Deus e o homem é ainda mais surpreendente. O homem pode participar da natureza divina! Jesus disse aos seus discípulos: "Quem tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama. Mas quem me ama será amado por meu Pai, e eu o amarei e me revelarei a ele" (João 14,21) Deus deseja unir o homem consigo mesmo por meio de um relacionamento de amor - um amor do tipo que existe entre Pai e Filho. Deus se revela às pessoas em quem este amor atua. Jesus continua: “Quem me ama guardará a minha palavra; e meu pai o amará, e viremos a ele e faremos residência com ele. Mas quem não me ama não guardará as minhas palavras. você ouve não é a minha palavra, mas a do Pai que me enviou
tem "(versículos 23-24).

Quem vem a Deus pela fé em Jesus Cristo e fielmente entrega sua vida a Deus, Deus vive nele. Pedro pregou: "Arrependei-vos e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para o perdão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo" (Atos dos Apóstolos 2,38) O Espírito Santo também é Deus, como veremos no próximo capítulo. Paulo sabia que Deus vivia nele: “Fui crucificado com Cristo. Vivo, mas agora não sou eu, mas Cristo vive em mim. Pois o que agora vivo na carne, vivo na fé no Filho de Deus, que leva me "amou e se entregou por mim" (Gálatas 2,20).

A vida de Deus no homem é como um "novo nascimento", como Jesus explica em João 3: 3. Com este nascimento espiritual, a pessoa começa uma nova vida em Deus, torna-se cidadão dos santos e membros da família de Deus (Efésios 2:19). Paulo escreve que Deus "nos salvou do poder das trevas" e "nos transferiu para o reino de seu Filho amado, no qual temos a redenção, ou seja, o perdão dos pecados" (Colossenses 1,13-14). O cristão é um cidadão do reino de Deus. "Queridos, já somos filhos de Deus" (1. João 3: 2). Em Jesus Cristo, Deus foi totalmente revelado. “Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da Divindade” (Colossenses 2: 9). O que essa revelação significa para nós? Podemos nos tornar participantes da natureza divina!

Pedro conclui: «Tudo o que serve à vida e à piedade deu-nos o seu poder divino pelo conhecimento daquele que nos chamou com a sua glória e poder. Por meio deles as mais queridas e maiores promessas nos são feitas, para que por meio deles você possa compartilhar da natureza divina, da qual você escapou dos desejos perniciosos do mundo "(2. Petrus 1,3-4).

Cristo - a perfeita revelação de Deus

De que maneira Deus se revelou concretamente em Jesus Cristo? Em tudo o que ele pensou e executou, Jesus revelou o caráter de Deus. Jesus morreu e ressuscitou dos mortos, para que o homem pudesse ser salvo e reconciliado com Deus e obter a vida eterna. Romanos 5: 10-11 nos diz: "Porque, se fomos reconciliados com Deus pela morte de seu filho, quando éramos inimigos, quanto seremos salvos por sua vida, depois fomos reconciliados, não somente isso. isso, mas também glorificamos a Deus através de nosso Jesus Cristo, através do qual agora recebemos a expiação ".

Jesus revelou o plano de Deus para estabelecer uma nova comunidade espiritual interétnica e nacional - a Igreja (Efésios 2,14-22). Jesus revelou Deus como o Pai de todos os nascidos de novo em Cristo. Jesus revelou o destino glorioso que Deus prometeu ao Seu povo. A presença do Espírito de Deus dentro de nós já nos dá um gostinho dessa glória futura. O Espírito é "o penhor da nossa herança" (Efésios 1,14).

Jesus também testificou a existência do Pai e do Filho como um só Deus e, portanto, ao fato de que, na única divindade eterna, diferentes essenciais são expressos. Os autores do Novo Testamento usaram repetidas vezes o nome do Antigo Testamento para o nome de Cristo. Ao fazê-lo, eles não apenas nos testificaram como Cristo é, mas também como Deus é, pois Jesus é a revelação do Pai, e ele e o Pai são um. Aprendemos mais sobre Deus quando examinamos como Cristo é.

5. Um em três e três em um

Como vimos, a Bíblia representa a doutrina de um Deus intransigentemente. A encarnação e a obra de Jesus nos deram uma visão mais profunda do "como" da unidade de Deus. O Novo Testamento testifica que Jesus Cristo é Deus e que o Pai é Deus. Mas, como veremos, também descreve o Espírito Santo como Deus - como divino, como eterno. Isso significa: A Bíblia revela um Deus que existe para sempre como Pai, Filho e Espírito Santo. Por esta razão, o cristão deve ser batizado "em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo" (Mateus 28,19).

Ao longo dos séculos, surgiram muitos modelos explicativos que podem tornar esses fatos bíblicos mais tangíveis à primeira vista. Mas devemos ser cautelosos ao aceitar explicações que "saem pela porta dos fundos" contra os ensinamentos bíblicos. Pois muitas explicações podem simplificar as coisas na medida em que nos dão uma imagem maior e mais vívida de Deus. Mas acima de tudo, depende se uma explicação é consistente com a Bíblia, não se é independente e consistente. A Bíblia mostra que há um - e apenas um - Deus, mas ao mesmo tempo nos apresenta Pai, Filho e Espírito Santo, todos eternamente existindo e fazendo todas as coisas como só Deus pode fazê-las.

"Um em cada três", "três em um", são ideias que resistem à lógica humana. Seria relativamente fácil imaginar, por exemplo, um gótico sendo "de uma só peça", sem "dividir-se" em Pai, Filho e Espírito Santo. Mas esse não é o Deus da Bíblia. Outra imagem simples é a "família de Deus", que consiste em mais de um membro. Mas o Deus da Bíblia é muito diferente de qualquer coisa que possamos abrir com nosso próprio pensamento e sem qualquer revelação.

Deus revela muitas coisas sobre Ele, e nós acreditamos nelas mesmo que não possamos explicá-las todas. Por exemplo, não podemos explicar satisfatoriamente como Deus pode ser sem começo. Essa ideia vai além do nosso horizonte limitado. Nós não podemos explicá-los, mas sabemos que é verdade que Deus não teve começo. Similarmente, a Bíblia revela que Deus é um e somente um, mas ao mesmo tempo também Pai, Filho e Espírito Santo.

O Espírito Santo é Deus

Atos dos Apóstolos 5,3-4 chama o Espírito Santo de "Deus": "Mas Pedro disse: Ananias, por que Satanás encheu o seu coração que você mentiu ao Espírito Santo e guardou parte do dinheiro para o campo? Se você não pudesse ter guardado o campo quando você tinha? E você não poderia ainda fazer o que queria quando foi vendido? Por que você planejou isso em seu coração? Você não mentiu para as pessoas, mas para Deus. " A mentira de Ananias diante do Espírito Santo era, de acordo com Pedro, uma mentira diante de Deus. O Novo Testamento atribui propriedades ao Espírito Santo que somente Deus pode possuir. Por exemplo, o Espírito Santo é onisciente. "Mas Deus nos revelou por meio de seu Espírito; pois o Espírito sonda todas as coisas, inclusive as profundezas de Deus" (1. Corinthians 2,10).

Além disso, o Espírito Santo é onipresente, não limitado a quaisquer limites espaciais. "Ou não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo, que está em vós e que recebestes de Deus, e que não vos pertenceis?" (1. Corinthians 6,19) O Espírito Santo habita em todos os crentes, por isso não está restrito a um lugar. O Espírito Santo renova os cristãos. “A não ser que a pessoa nasça da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do Espírito é espírito ... O vento sopra onde ele quer, e você você pode ouvir o seu farfalhar, mas você não sabe de onde ele vem nem para onde vai. O mesmo acontece com todo aquele que é nascido do Espírito ”(João 3,5-6, 8). Ele prevê o futuro. "Mas o Espírito diz claramente que nos últimos dias alguns cairão da fé e se apegarão a espíritos sedutores e doutrinas diabólicas" (1. Timóteo 4,1) Na fórmula batismal, o Espírito Santo é colocado no mesmo nível que Pai e Filho: O cristão deve ser batizado "em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo" (Mateus 28,19) O espírito pode criar do nada (Salmo 104,30) Só Deus tem esses dons criativos. Hebreus 9,14 dá o epíteto "eterno" ao espírito. Só Deus é eterno.

Jesus prometeu aos apóstolos que após a sua partida enviaria um "consolador" (assistência) que deveria permanecer com eles "para sempre", o "espírito da verdade, que o mundo não pode receber porque não o vê e não o conhece. Você conhece-o, porque ele habita convosco e estará em vós ”(João 14: 16-17). Jesus identifica especificamente esse "Consolador" como o Espírito Santo: "Mas o Consolador, o Espírito Santo, que meu Pai enviará em meu nome, tudo vos ensinará e vos fará lembrar de tudo o que vos disse" (v. 26). O Consolador mostra ao mundo seus pecados e nos guia em toda a verdade; todos os atos que só Deus pode fazer. Paulo confirma isso: "Nós também falamos dele, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas em , ensinado pelo Espírito, interpretando espiritual por espiritual "(1. Corinthians 2,13, Bíblia Elberfeld).

Pai, Filho e Espírito Santo: um deus

Quando percebemos que só existe um Deus e que o Espírito Santo é Deus, assim como o Pai é Deus e o Filho é Deus, não é difícil para nós encontrar passagens como Atos 13,2 para entender: “Mas quando eles estavam servindo e jejuando ao Senhor, o Espírito Santo disse: Separa-me de Barnabé e de Saulo para a obra para a qual os chamei.” De acordo com Lucas, o Espírito Santo disse: “Separa-me de Barnabé e Saulo para a obra para a qual a chamei. “Na obra do Espírito Santo, Lucas vê diretamente a obra de Deus.

Quando tomamos a revelação bíblica da essência de Deus em nossa palavra, isso é ótimo. Quando o Espírito Santo fala, envia, inspira, guia, santifica, fortalece ou dá presentes, é Deus quem faz isso. Mas como Deus é um e não três seres separados, o Espírito Santo não é um Deus independente, agindo por sua própria vontade.

Deus tem uma vontade, a vontade do Pai, que é igualmente a vontade do Filho e do Espírito Santo. Não se trata de dois ou três seres divinos separados que decidem independentemente estar em perfeita harmonia uns com os outros. É um deus
e uma vontade. O Filho expressa a vontade do Pai Por conseguinte, é a natureza e obra do Espírito Santo realizar a vontade do Pai na terra.

De acordo com Paulo, o "Senhor é ... o Espírito" e ele escreve sobre o "Senhor que é o Espírito" (2. Corinthians 3,17-18). No versículo 6, ele até diz: "o Espírito dá vida", e isso é algo que só Deus pode. Só conhecemos o Pai porque o Espírito nos capacita a crer que Jesus é o Filho de Deus. Jesus e o Pai habitam em nós, mas apenas porque o Espírito habita em nós (João 14,16-17; Romanos 8,9-11). Visto que Deus é um, o Pai e o Filho também estão em nós quando o Espírito está em nós.

In 1. Corinthians 12,4-11 Paulo iguala o Espírito, o Senhor e Deus. Há "um Deus que opera em todos", ele escreve no versículo 6. Mas alguns versículos adiante diz: "Tudo isso é feito pelo mesmo espírito", ou seja, "como ele [o espírito] quer". Como a mente pode querer algo? Sendo Deus. E visto que há apenas um Deus, a vontade do Pai é também a vontade do Filho e do Espírito Santo.

Adorar a Deus é adorar o Pai, o Filho e o Espírito Santo, pois eles são o único Deus. Não devemos expor o Espírito Santo e a adoração como um ser independente. Não o Espírito Santo como tal, mas Deus Pai, Filho e Santo
Se houver espírito em um, nossa adoração deve ser. Deus em nós (o Espírito Santo) nos move a adorar a Deus. O Consolador (como o Filho) não fala "de si mesmo" (João 16,13), mas diz o que o pai lhe diz. Ele não nos refere a si mesmo, mas ao Pai por meio do Filho. Nem oramos ao Espírito Santo como tal - é o Espírito dentro de nós que nos ajuda a orar e até intercede por nós (Romanos 8,26).

Se o próprio Deus não estivesse em nós, nunca seríamos convertidos a Deus. Se o próprio Deus não estivesse em nós, não conheceríamos Deus nem o Filho (ele). É por isso que devemos a salvação somente a Deus, não a nós. O fruto que produzimos é o fruto do Espírito - fruto de Deus, não nosso. No entanto, se quisermos, temos o grande privilégio de poder colaborar na obra de Deus.

O Pai é o criador e a fonte de todas as coisas. O Filho é o Redentor, o Salvador, o órgão executivo através do qual Deus criou tudo. O Espírito Santo é o Consolador e o Advogado. O Espírito Santo é Deus em nós, que nos conduz através do Filho ao Pai. Através do Filho somos purificados e salvos para que possamos ter comunhão com ele e com o Pai. O Espírito Santo trabalha em nossos corações e mentes e nos leva à fé em Jesus Cristo, que é o caminho e o portão. O Espírito nos dá dons, os dons de Deus, entre os quais fé, esperança e amor não são os menores.

Tudo isso é obra do único Deus que nos revelou como Pai, Filho e Espírito Santo. Ele não é outro deus senão o Deus do Antigo Testamento, mas mais é revelado sobre ele no Novo Testamento: Ele enviou seu Filho como um homem para morrer pelos nossos pecados e ser ressuscitado para a glória, e ele nos enviou seu Espírito - o Consolador - quem habita em nós, guiando-nos em toda a verdade, dando-nos presentes e adaptando-se à semelhança de Cristo.

Quando oramos, nosso objetivo é que Deus responda às nossas orações; mas Deus deve nos conduzir a essa meta, e ele é até mesmo o caminho pelo qual somos conduzidos a essa meta. Em outras palavras, a Deus (o Pai) oramos; É Deus em nós (o Espírito Santo) que nos move a orar; e Deus também é o caminho (o Filho) pelo qual somos conduzidos a esse objetivo.

O pai começa o plano de salvação. O Filho incorpora o plano de reconciliação e salvação para a humanidade e realiza ele mesmo. O Espírito Santo traz as bênçãos - os dons - da salvação, que então traz a salvação dos crentes fiéis. Tudo isso é obra do único Deus, o Deus da Bíblia.

Paulo fecha a segunda carta aos coríntios com a bênção: "A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vocês!" (2. Corinthians 13,13) Paulo enfoca o amor de Deus, que é concedido a nós por meio da graça que Deus dá por meio de Jesus Cristo, e a unidade e comunhão com Deus e uns com os outros que ele dá por meio do Espírito Santo.

Quantas "pessoas" são Deus?

Muitas pessoas têm apenas uma vaga idéia do que a Bíblia diz sobre a unidade de Deus. A maioria não pensa mais sobre isso. Alguns imaginam três seres independentes; um ser com três cabeças; outros que podem se voltar para o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Isso apenas como uma pequena seleção de imagens populares.

Muitos tentam colocar o ensino bíblico sobre Deus nos termos "Trindade", "Trindade" ou "Trindade". No entanto, se você perguntar o que a Bíblia diz sobre isso, você geralmente precisa dar uma explicação. A imagem da Trindade de muitas pessoas é biblicamente baseada em pés de barro, e uma razão importante para a falta de clareza está no uso do termo "pessoa".

A palavra "pessoa" usada na maioria das definições alemãs da Trindade sugere três seres. Exemplos: "O único Deus está em três pessoas ... que são uma natureza divina ... Essas três pessoas são (reais) diferentes umas das outras" (Rahner / Vorgrimler, IQ eines Theologisches Wörterbuch, Freiburg 1961, p. 79) . Em relação a Deus, o significado comum da palavra "pessoa" transmite uma imagem distorcida: a saber, a impressão de que Deus é limitado e que sua trindade resulta do fato de que ele consiste em três seres independentes. Esse não é o caso.

O termo alemão "pessoa" vem do latim persona. Na língua latina teólogo, persona foi usada como um nome para pai, filho e Espírito Santo, mas em um sentido diferente, como é a palavra alemã "pessoa" hoje. O significado básico de persona era "máscara". No sentido figurado, descreveu um papel em uma peça, na qual um ator atuava em uma peça em vários papéis e, para cada papel, usava uma máscara em particular. Mas mesmo este termo, embora não dê origem ao equívoco de três seres, ainda é fraco e enganador em relação a Deus. Enganosa porque Pai, Filho e Espírito Santo são mais do que apenas papéis que Deus assume, e porque um ator só pode desempenhar um papel de cada vez, enquanto Deus é sempre Pai, Filho e Espírito Santo ao mesmo tempo. Pode ser que um teólogo latino quisesse dizer a coisa certa quando usava a palavra persona. Que um leigo teria entendido corretamente, é improvável. Ainda hoje, a palavra "pessoa", em relação a Deus, facilmente leva a pessoa comum ao caminho errado, se não for acompanhada pela explicação de que é preciso imaginar "pessoa" na divindade, algo completamente diferente do que em "pessoa" na divindade. sentido humano.

Qualquer um que fale em nossa língua de um Deus em três pessoas, pode realmente fazer o contrário do que imaginar três Deuses independentes. Em outras palavras, ele não fará distinção entre os termos "pessoa" e "ser". Mas não é assim que Deus é revelado na Bíblia. Existe apenas um Deus e não três. A Bíblia revela que o Pai, o Filho e o Espírito Santo, interpenetrando, devem ser entendidos como um modo único e eterno de ser do único Deus verdadeiro da Bíblia.

Um deus: três hipóstases

Se quisermos expressar a verdade bíblica de que Deus é "um" e "três" ao mesmo tempo, temos que procurar termos que não dêem a impressão de que existem três deuses ou três seres divinos independentes. A Bíblia pede que não haja transigência na unidade de Deus. O problema é: em todas as palavras que se referem a coisas criadas, partes de significado que podem ser enganosas ressoam na linguagem profana. A maioria das palavras, incluindo a palavra "pessoa", tende a relacionar a natureza de Deus à ordem criada. Por outro lado, todas as nossas palavras têm algum tipo de relação com a ordem criada. Portanto, é importante esclarecer exatamente o que queremos dizer e o que não queremos dizer quando falamos de Deus em termos humanos. Uma palavra útil - um quadro de palavras em que os cristãos de língua grega compreenderam a unidade e a trindade de Deus é encontrada em Hebreus 1:3. Esta passagem é instrutiva de várias maneiras. Diz: "Ele [o Filho] é o reflexo de sua glória [de Deus] e a semelhança de seu ser e carrega todas as coisas com sua palavra poderosa ..." Da frase "reflexo [ou irradiação] de sua glória" nós pode fazer vários insights deduzir: O filho não é um ser separado do pai. O Filho não é menos divino do que o pai. E o Filho é eterno, assim como o Pai é. Em outras palavras, o filho se relaciona com o pai como o reflexo ou a radiação se relaciona com a glória: sem fonte radiante não há radiação, sem radiação não há fonte radiante. No entanto, devemos distinguir entre a glória de Deus e a emanação dessa glória. Eles são diferentes, mas não separados. Igualmente instrutiva é a frase "imagem [ou impressão, selo, imagem] de seu ser". O pai é plena e completamente expresso no filho.
Vamos agora nos voltar para a palavra gliechish, que no texto original está aqui atrás da "essência". É hypostasis. Consiste em hypo = "under" e stasis = "stand" e tem o significado básico de "standing under something". O que isso significa é o que, como diríamos, está "atrás" de uma coisa, tornando-se o que é. A hipóstase pode ser definida como "algo sem o qual o outro não pode ser". Você poderia descrevê-los como "razão essencial", "base do ser".

Deus é pessoal

"Hipóstase" (plural: "hipóstase") é uma boa palavra para denotar o Pai, o Filho e o Espírito Santo. É um termo bíblico e fornece uma separação conceitual mais nítida entre a natureza de Deus e a ordem criada. No entanto, "pessoa" também é adequada, desde que o requisito (indispensável) seja que a palavra não seja entendida no sentido humano-pessoal.

Uma razão pela qual "pessoa" também é adequada - corretamente entendida - é que Deus se relaciona conosco de uma maneira pessoal. Portanto, seria errado dizer que é impessoal. Não adoramos uma pedra ou uma planta, nem mesmo um poder impessoal "por trás do cosmos", mas uma "pessoa viva". Deus é pessoal, mas não uma pessoa no sentido de que “somos pessoas. “Pois eu sou Deus e não uma pessoa e sou o Santo entre vós” (Oséias 11: 9). Deus é o Criador - e não parte do criado. As pessoas têm um começo de vida, têm um corpo, crescem, são individualmente diferentes, envelhecem e finalmente morrem.Mais de tudo, Deus é exaltado, mas ele se comporta pessoalmente em suas relações com as pessoas.

Deus vai além de tudo que a linguagem pode reproduzir infinitamente; no entanto, ele é pessoal e nos ama muito. Ele tem muito a ser aberto, mas nem tudo que ultrapassa os limites do conhecimento humano, ele esconde. Como seres finitos, não podemos captar o infinito. Wu · pode reconhecer Deus na revelação, mas nós não podemos compreendê-lo exaustivamente porque somos finitos e ele é infinito. O que Deus nos revelou sobre si mesmo é real. É verdade. É importante.

Deus nos chama: "Mas cresçam na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo" (2. Petrus 3,18) Jesus disse: "Esta é a vida eterna: que te conheçam, que só tu és o verdadeiro Deus, e a quem enviaste, Jesus Cristo" (João 17: 3). Quanto mais conhecemos a Deus, mais claro se torna para nós quão pequenos somos e quão grande ele é.

6. A relação da humanidade com Deus

Como introdução a esta brochura, tentamos formular perguntas básicas que os seres humanos podem fazer a Deus - a dignidade. O que perguntaríamos se fôssemos livres para fazer tal pergunta? Nossa pergunta tateante "Quem é você?" responde o criador e governante do cosmos com: "Eu serei quem eu ser" (2. Mose 3,14) ou "Eu sou quem sou" (tradutor coletivo). Deus se explica a nós na criação (Salmo 19,2) Desde a época que nos criou, ele tem agido com e para nós, seres humanos. Às vezes, como trovões e relâmpagos, como tempestade, como terremoto e fogo, às vezes como "um rugido suave e silencioso" (2. Moisés 20,18; 1. Reis 19,11-12). Ele até ri (Salmo 2: 4). No registro bíblico, Deus fala sobre si mesmo e descreve sua impressão nas pessoas a quem confrontou diretamente. Deus se revela por meio de Jesus Cristo e do Espírito Santo.

Agora, não queremos apenas saber quem é Deus. Também queremos saber para que ele nos criou. Queremos saber qual é o seu plano para nós. Queremos saber o que o futuro nos reserva. Qual é o nosso relacionamento com Deus? Qual "devemos" ter? E qual teremos no futuro? Deus nos fez à sua imagem (1. Mose 1,26-27). E para o nosso futuro, a Bíblia revela - às vezes muito claramente - coisas muito mais elevadas do que agora, como seres limitados, podemos sonhar.

Onde estamos agora

Hebreus 2,6-11 nos diz que atualmente estamos um pouco "abaixo" dos anjos. Mas Deus "nos coroou com louvor e honra" e sujeitou toda a criação a nós. Para o futuro "ele não excluiu nada que não esteja sujeito a ele. Mas ainda não vemos que tudo está sujeito a ele." Deus preparou um futuro eterno e glorioso para nós. Mas algo ainda está no caminho. Estamos em um estado de culpa, nossos pecados nos separam de Deus (Isaías 59: 1-2). O pecado criou um obstáculo intransponível entre Deus e nós, uma barreira que não podemos superar por conta própria.

Basicamente, porém, a quebra já está curada. Jesus provou a morte por nós (Hebreus 2,9) Ele pagou a pena de morte incorrida por nossos pecados para "conduzir muitos filhos à glória" (v. 10). De acordo com Apocalipse 21: 7, Deus deseja que estejamos com ele em um relacionamento pai-filho. Porque ele nos ama e tudo fez por nós - e ainda faz como o autor da nossa salvação - Jesus não tem vergonha de nos chamar de imagens (Hebreus 2,10-11).

O que é exigido de nós agora

Atos dos Apóstolos 2,38 nos chama ao arrependimento de nossos pecados e ao batismo, sepultamento figurativo. Deus dá o Espírito Santo para aqueles que acreditam que Jesus Cristo é seu Salvador, Senhor e Rei (Gálatas 3,2-5). Quando nos arrependemos - tendo nos afastado dos caminhos egoístas e pecaminosos que costumávamos andar - entramos em um novo relacionamento com ele pela fé. Nós nascemos de novo (Johannes 3,3), uma nova vida em Cristo nos foi dada por meio do Espírito Santo, transformada pelo Espírito por meio da graça e misericórdia de Deus e por meio da obra redentora de Cristo. E então? Então, crescemos "na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo" (2. Pedro 3:18) até o fim da vida. Estamos destinados a participar da primeira ressurreição, e depois disso estaremos "com o Senhor em todos os momentos" (1. Tessalonicenses 4,13-17).

Nossa herança incomensurável

Deus "nos renasceu ... para uma esperança viva por meio da ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança imperecível, imaculada e imperecível", uma herança que "pelo poder de Deus ... será revelada nos últimos dias "(1. Petrus 1,3-5). Na ressurreição, tornamo-nos imortais (1. Coríntios 15:54) e atingir um "corpo espiritual" (versículo 44). “E assim como trouxemos a imagem do terreno [homem-Adão]”, diz o versículo 49, “assim também traremos a imagem do celestial”. Como "filhos da ressurreição", não estamos mais sujeitos à morte (Lucas 20,36).

Pode algo ser mais glorioso do que o que a Bíblia diz sobre Deus e nosso relacionamento futuro com ele? Seremos "como ele [Jesus], porque o veremos como ele é" (1. Johannes 3,2) Apocalipse 21: 3 promete para a era dos novos céus e da nova terra: "Eis o tabernáculo de Deus com o povo! E com eles habitará, e eles serão o seu povo, e ele mesmo, Deus com eles, será o deus deles ... "

Nós nos tornaremos um com Deus - em santidade, amor, perfeição, justiça e espírito. Como seus filhos imortais, nós, no sentido mais amplo, nos tornaremos a família de Deus. Vamos compartilhar com Ele uma comunhão perfeita na alegria eterna. Que grande e inspirador
Deus preparou a mensagem de esperança e salvação eterna para todos os que crêem nele!

Brochura da WKG