Nascido para morrer

306 nascido para morrer A fé cristã proclama a mensagem de que no devido tempo o Filho de Deus se fez carne em um lugar predeterminado e viveu entre nós, humanos. Jesus era de uma personalidade tão notável que alguns até questionaram se ele era humano. No entanto, a Bíblia enfatiza repetidamente que Deus em carne - nascido de uma mulher - era na verdade um ser humano, isto é, à parte de nossa pecaminosidade, ele era como nós em todos os aspectos (João 1,14; Gálatas 4,4; Filipenses 2,7; Hebreus 2,17) Ele era realmente humano. A encarnação de Jesus Cristo é geralmente celebrada no Natal, mesmo que na verdade tenha começado com a gravidez de Maria, de acordo com o calendário tradicional de 2 de dezembro5. Março, a festa da Anunciação (anteriormente também chamada de festa da Encarnação ou Encarnação de Deus).

Cristo o crucificado

Por mais importante que seja a concepção e o nascimento de Jesus para a nossa fé, eles não estão em primeiro lugar na mensagem de fé que levamos ao mundo. Quando Paulo pregou em Corinto, ele entregou uma mensagem muito mais provocativa: a de Cristo crucificado (1. Corinthians 1,23).

O mundo greco-romano sabia muitas histórias de divindades nascidas, mas ninguém nunca ouviu falar de um crucificado. Era grotesco - algo parecido com conceder salvação às pessoas se elas acreditassem apenas em um criminoso executado. Mas como deve ser possível ser salvo por um criminoso?

Mas esse era precisamente o ponto - o Filho de Deus sofreu a morte vergonhosa na cruz como um criminoso e só então recuperou a glória por meio da ressurreição. Pedro explicou ao Sinédrio: "O Deus dos nossos pais ressuscitou Jesus ... Deus o exaltou com a sua mão direita para ser Príncipe e Salvador, para dar a Israel o arrependimento e o perdão dos pecados" (Atos dos Apóstolos 5,30-31). Jesus foi ressuscitado dos mortos e exaltado para que nossos pecados fossem redimidos.

No entanto, Pedro não deixou de abordar a parte embaraçosa da história: "... a quem você pendurou na madeira e matou." O termo "madeira", sem dúvida, trouxe os líderes religiosos judeus às palavras em Deuteronômio 51,23 lembra: "... um enforcado é amaldiçoado por Deus."

Nossa! Por que Pedro teve que trazer isso à tona? Ele não tentou contornar o abismo sócio-político, mas conscientemente incluiu esse aspecto. Sua mensagem não foi apenas que Jesus morreu, mas também desta forma desonrosa. Não era apenas essa parte da mensagem, era sua mensagem central. Quando Paulo pregou em Corinto, a preocupação central de sua pregação não era apenas entender a morte de Cristo como tal, mas também sua morte na cruz (1. Corinthians 1,23).

Na Galácia, ele obviamente fez uso de uma expressão particularmente vívida: "... por quem Jesus Cristo foi pintado diante de seus olhos como o crucificado" (Gálatas 3,1) Por que Paulo precisava enfatizar uma morte tão horrível que as Escrituras viam como um sinal seguro da maldição de Deus?

Isso foi necessário?

Por que Jesus sofreu uma morte tão terrível em primeiro lugar? Provavelmente Paul havia lidado com essa questão longa e duramente. Ele tinha visto o Cristo ressuscitado e sabia que Deus havia enviado o Messias nesta mesma pessoa. Mas por que deveria Deus permitir que aquele ungido morresse para uma morte que as Escrituras consideram uma maldição? (Portanto, mesmo os muçulmanos não acreditam que Jesus foi crucificado. Aos seus olhos, ele era um profeta, e Deus dificilmente teria permitido que tal coisa acontecesse com ele nessa qualidade. Eles argumentam que outra pessoa foi crucificada em vez de Jesus estive.)

E, de fato, Jesus também orou no jardim do Getsêmani para que pudesse haver outro caminho para ele, mas não havia. Herodes e Pilatos só fizeram o que Deus "ordenou que acontecesse" - ou seja, que ele morresse dessa maneira que carregava maldição (Atos dos Apóstolos 4,28; Bíblia de Zurique).

Porque? Porque Jesus morreu por nós - por nossos pecados - e existe uma maldição sobre nós por causa de nossos pecados. Mesmo nossos pequenos erros, em sua repreensibilidade diante de Deus, equivalem a uma crucificação. Toda a humanidade está sujeita a uma maldição por ser culpada de pecado. Mas a boa notícia, o Evangelho, promete: "Cristo nos resgatou da maldição da lei, desde que se tornou maldição por nós" (Gálatas 3,13) Jesus foi crucificado por cada um de nós. Ele suportou a dor e a vergonha que realmente merecíamos suportar.

Outras analogias

Contudo, essa não é a única analogia que a Bíblia nos mostra, e Paulo apenas aborda esse ponto de vista específico em uma de suas cartas. Na maioria das vezes, ele simplesmente diz que Jesus "morreu por nós". À primeira vista, a frase escolhida aqui parece apenas uma troca simples: merecemos a morte, Jesus se ofereceu para morrer voluntariamente por nós e, portanto, somos poupados disso.

No entanto, não é assim tão simples. Por um lado, nós, humanos, ainda estamos morrendo. E de um ponto de vista diferente, morremos com Cristo (Romanos 6,3-5). De acordo com essa analogia, a morte de Jesus foi vicária para nós (ele morreu em nosso lugar) e participativa (isto é, participamos de sua morte morrendo com ele); O que deixa bem claro o que importa: somos redimidos por meio da crucificação de Jesus, portanto, só podemos ser salvos por meio da cruz de Cristo.

Outra analogia escolhida pelo próprio Jesus usa o resgate como comparação: "... o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos" (Marcos 10,45) Como se estivéssemos presos por um inimigo e a morte de Jesus garantisse nossa liberdade.

Paulo faz uma comparação semelhante dizendo que fomos resgatados. Este termo pode lembrar alguns leitores do mercado de escravos, outros talvez também do êxodo dos israelitas do Egito. Os escravos podiam ser resgatados da escravidão, e assim Deus também comprou livremente o povo de Israel do Egito. Ao enviar seu filho, nosso Pai Celestial nos comprou muito. Ele levou o castigo pelos nossos pecados.

Em colossenses 2,15 Outra imagem é usada para comparação: «... ele desarmou completamente os poderes e os poderes e colocou-os à vista do público. Nele [na cruz] manteve o triunfo sobre eles »(Bíblia Elberfeld). A imagem desenhada aqui representa um desfile de vitória: o líder militar vitorioso traz os prisioneiros desarmados e humilhados acorrentados para a cidade. Esta passagem da carta aos Colossenses deixa claro que Jesus Cristo, por meio de sua crucificação, quebrou o poder de todos os seus inimigos e foi vitorioso por nós.

A Bíblia nos transmite a mensagem da salvação em imagens e não na forma de crenças firmemente estabelecidas e imutáveis. Por exemplo, a morte sacrificial de Jesus é nossa em vez de apenas uma das muitas imagens das quais as Sagradas Escrituras fazem uso para tornar claro o ponto crucial. Assim como o pecado é descrito de muitas maneiras, a obra de Jesus para redimir nossos pecados pode ser apresentada de maneira diferente. Se considerarmos o pecado como uma violação da lei, podemos reconhecer na crucificação um ato de punição realizado em nosso lugar. Se os considerarmos como violações da santidade de Deus, vemos em Jesus o sacrifício expiatório. Quando nos polui, o sangue de Jesus nos lava limpo. Se nos subjugarmos, Jesus é nosso Salvador, nosso libertador vitorioso. Onde quer que ela semeia inimizade, Jesus traz reconciliação. Se vemos nele um sinal de ignorância ou estupidez, é Jesus quem nos dá iluminação e sabedoria. Todas essas fotos são uma ajuda para nós.

A ira de Deus apazigua?

A impiedade causa a ira de Deus, e será um "dia de ira" no qual ele julgará o mundo (Romanos 1,18; 2,5) Aqueles que “desobedecem à verdade” serão punidos (v. 8). Deus ama as pessoas e prefere vê-las mudar, mas Ele as pune quando se opõem obstinadamente a ele. Quem se fecha para a verdade do amor e da graça de Deus receberá sua punição.

Ao contrário de uma pessoa irada que precisa ser apaziguada antes de se acalmar, ele nos ama e se certifica de que nossos pecados sejam perdoados. Portanto, eles não foram simplesmente eliminados, mas dados a Jesus com consequências reais. "Aquele que não conheceu pecado, tornou-se pecado por nós" (2. Corinthians 5,21; Bíblia de Zurique). Jesus se tornou uma maldição por nós, ele se tornou um pecado por nós. Assim como nossos pecados foram passados ​​a ele, sua justiça foi passada a nós "para que nele fôssemos feitos justiça de Deus" (mesmo versículo). Justiça nos foi dada por Deus.

A revelação da justiça de Deus

O evangelho revela a justiça de Deus - que ele faz a justiça governar para nos perdoar em vez de nos condenar (Romanos 1,17) Ele não ignora nossos pecados, mas cuida deles com a crucificação de Jesus Cristo. A cruz é um sinal da justiça de Deus (Romanos 3,25-26) bem como seu amor (5,8) Representa justiça porque reflete adequadamente a punição do pecado pela morte, mas ao mesmo tempo também para amor porque o perdoador aceita de bom grado a dor.

Jesus pagou o preço por nossos pecados - o preço pessoal na forma de dor e vergonha. Ele obteve a reconciliação (a restauração da comunhão pessoal) por meio da cruz (Colossenses 1,20) Mesmo quando éramos inimigos, ele morreu por nós (Romanos 5,8).
A justiça é mais do que cumpridora da lei. O Bom Samaritano não obedeceu a nenhuma lei exigindo que ele ajudasse os feridos, mas agiu certo ao ajudar.

Se estiver em nosso poder salvar uma pessoa que está se afogando, não devemos hesitar em fazê-lo. E assim estava no poder de Deus salvar um mundo pecador, e ele o fez enviando Jesus Cristo. "... é a expiação pelos nossos pecados, não só pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo" (1. Johannes 2,2) Ele morreu por todos nós, e o fez mesmo "quando éramos ainda pecadores".

Pela fé

A graça de Deus para conosco é um sinal de sua justiça. Ele age com retidão ao nos dar justiça, embora sejamos pecadores. Porque? Porque ele fez de Cristo nossa justiça (1. Corinthians 1,30) Visto que estamos unidos a Cristo, nossos pecados passam para ele e obtemos sua justiça. Portanto, nossa justiça não vem de nós mesmos, mas vem de Deus e nos é concedida por meio da fé (Filipenses 3,9).

“Mas estou falando da justiça diante de Deus, que vem pela fé em Jesus Cristo para todos os que crêem. Pois não há diferença aqui: todos eles são pecadores e carecem da glória que deveriam ter com Deus, e são justificados sem mérito por sua graça pela redenção que veio por meio de Cristo Jesus. Deus estabeleceu a fé como expiação em seu sangue para provar sua justiça perdoando os pecados que foram cometidos no início de sua paciência, a fim de agora mostrar sua justiça neste tempo, que ele mesmo é justo e justo aquele que é pela fé em Jesus »(Romanos 3,22-26).

A expiação de Jesus foi para todos, mas apenas aqueles que crêem nele receberão as bênçãos que vêm com ela. Somente aqueles que aceitam a verdade podem experimentar a graça. Com isso reconhecemos sua morte como nossa (como a morte sofrida por ele em vez de nós, da qual participamos); e como sua punição, também reconhecemos sua vitória e ressurreição como nossas. Portanto, Deus é verdadeiro consigo mesmo - é misericordioso e justo. O pecado é tão pouco esquecido quanto os próprios pecadores. A misericórdia de Deus triunfa sobre o julgamento (Tiago 2,13).

Por meio da cruz, Cristo reconciliou o mundo inteiro (2. Corinthians 5,19) Sim, através da cruz todo o universo é reconciliado com Deus (Colossenses 1,20) Toda a criação tem salvação por causa do que Jesus fez! Isso realmente vai além de qualquer coisa que associamos ao termo salvação, não é?

Nascido para morrer

O ponto principal é que somos redimidos por meio da morte de Jesus Cristo. Sim, por isso mesmo ele se tornou carne. Para nos conduzir à glória, Deus agradou que Jesus sofresse e morresse (Hebreus 2,10) Porque ele queria nos redimir, ele se tornou como nós; pois somente morrendo por nós ele poderia nos salvar.

“Porque os filhos agora são de carne e osso, ele também o aceitou em igual medida, de modo que através de sua morte ele tomaria o poder daquele que tinha poder sobre a morte, ou seja, o diabo, e os redimiria como um todo por medo da morte A vida tinha que ser servos »(2,14-15). Pela graça de Deus, Jesus sofreu a morte por cada um de nós (2,9) «... Cristo sofreu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para que pudesse conduzir-vos a Deus ...» (1. Petrus 3,18).

A Bíblia nos dá muitas oportunidades para refletir sobre o que Jesus fez por nós na cruz. Certamente não entendemos em detalhes como tudo "se inter-relaciona", mas aceitamos que seja assim. Porque ele morreu, podemos compartilhar alegremente a vida eterna com Deus.

Finalmente, gostaria de abordar outro aspecto da cruz - o do modelo:
«Nele apareceu o amor de Deus entre nós, que Deus enviou o seu Filho unigênito ao mundo para que vivêssemos por ele. Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou seu Filho para expiar os nossos pecados. Amados, se Deus assim nos amou, devemos também amar-nos uns aos outros »(1. Johannes 4,9-11).

por Joseph Tkach


pdfNascido para morrer