Satanás não é divino

A Bíblia deixa claro que existe apenas um Deus (Mal 2,10:4,6; Efésios) e ele é Pai, Filho e Espírito Santo. Satanás não tem as características da divindade. Ele não é o criador, não é onipresente, nem onisciente, nem cheio de graça e verdade, nem "o único poderoso, o rei dos reis e o senhor de todos os senhores". (1 Timóteo 6,15). As escrituras indicam que Satanás estava entre os anjos criados em seu estado original. Anjos são criados servindo espíritos (Neemias 9,6; Hebreus 1,13-14), dotado de livre arbítrio.

Anjos cumprem os mandamentos de Deus e são mais poderosos que os humanos (Salmo 103,20: 2; 2,11 Pedro). Eles também são relatados para proteger os crentes (Salmo 91,11) e louve a Deus (Lucas 2,13: 14-4; Revelação, etc.).
Satanás, cujo nome significa "adversário" e cujo nome também é o diabo, pode ter levado até um terço dos anjos em uma rebelião contra Deus (Apocalipse 12,4). Apesar dessa apostasia, Deus reúne "milhares de anjos" ao seu redor (Hebreus 12,22).

Demônios são anjos que "não mantiveram sua posição celestial, mas deixaram sua habitação" (Judas 6) e se juntou a Satanás. «Porque Deus não poupou nem os anjos que pecaram, mas os empurrou para o inferno com correntes de trevas e os entregou para que pudessem ser julgados» (2 Pedro 2,4). A atividade dos demônios é limitada por essas cadeias espirituais e metafóricas.

A tipologia dos alltestamentlichen seções como Isaías 14 e 28 Ezequiel indica que Satanás era um seres angélicos especiais especular que era um arcanjo que estava com Deus em boas condições.

Satanás foi "impecável" desde o dia em que foi criado até que a iniqüidade foi encontrada nele, e ele estava "cheio de sabedoria e além da medida" (Ezequiel 28,12: 15).

Mas ele ficou "cheio de maldade", seu coração se tornou arrogante por causa de sua beleza e sua sabedoria foi estragada por causa de seu esplendor. Ele desistiu de sua santidade e capacidade de encobrir compaixão e se tornou um "espetáculo" destinado à destruição (Ezequiel 28,16: 19).

Satanás mudou do portador da luz (o nome Lúcifer em Isaías 14,12 significa "Portador da Luz") para o "poder das trevas" (Colossenses 1,13:2,2; Efésios) quando ele decidiu que seu status de anjo não era suficiente e ele queria se tornar divino como o "Altíssimo" (Isaías 14,13-14).

Compare isso com a reação do anjo que João queria adorar: "Não faça isso!" (Apocalipse 19,10). Anjos não devem ser adorados porque não são Deus.

Como a sociedade fez dos ídolos os valores negativos que Satanás apoiava, as Escrituras o chamam de "Deus deste mundo" (2 Coríntios 4,4), e os "poderosos que governam no ar" (Efésios 2,2), cujo espírito corrompido está em toda parte (Efésios 2,2). Mas Satanás não é divino e não está no mesmo nível espiritual que Deus.

O que Satanás está fazendo

«O diabo pecou desde o princípio» (1 João 3,8). «Ele é um assassino desde o começo e não está na verdade; porque a verdade não está nele. Quando ele fala mentiras, ele fala por conta própria; porque ele é mentiroso e pai da mentira » (João 8,44). Com suas mentiras, ele acusa os crentes "dia e noite diante do nosso Deus" (Romanos 12,10).

Ele é mau, assim como seduziu a humanidade à iniqüidade nos dias de Noé: a poesia e o esforço do coração dela eram apenas sempre maus (Gênesis 1:6,5).

Seu desejo é exercer uma influência maligna sobre os crentes e potenciais crentes, para mantê-los longe da "luz brilhante do evangelho da glória de Cristo". (2 Coríntios 4,4) para que eles não recebam uma “participação na natureza divina” (2 Pedro 1,4).

Para esse fim, ele leva os cristãos a pecar enquanto tentava Cristo (Mateus 4,1: 11), e ele usou o engano, como em Adão e Eva, para mantê-los "da simplicidade para com Cristo" (2 Coríntios 11,3). Para conseguir isso, ele às vezes finge ser o "anjo da luz" (2 Coríntios 11,14), e finge ser algo que não é.

Por tentações e pela influência da sociedade sob seu controle, Satanás tenta fazer com que os cristãos se alienem de Deus. Um crente se separa de seu livre arbítrio para pecar de Deus, cedendo à natureza humana pecaminosa, seguindo os caminhos corruptos de Satanás e aceitando sua considerável influência fraudulenta (Mateus 4,1: 10-1; 2,16 João 17: 3,8-5,19; 2,2; 1,21: 1; Efésios 5,8: 3,15; Colossenses; Pedro; Tiago).

Mas é importante lembrar que Satanás e seus demônios, incluindo todas as tentações de Satanás, estão sob a autoridade de Deus. Deus permite tais atividades porque é da vontade de Deus que os crentes sejam livres (livre arbítrio) para tomar decisões espirituais (Jó 16,6-12; Marcos 1,27; Lucas 4,41; Colossenses 1,16-17; 1 Coríntios 10,13; Lucas 22,42; 1 Coríntios 14,32).

Como o crente deve reagir a Satanás?

A principal resposta bíblica do crente a Satanás e suas tentativas de nos levar a pecar é "resistir ao diabo para que ele fuja de você" (Tiago 4,7; Mateus 4,1: 10) e, portanto, para não lhe dar "espaço" ou oportunidade (Efésios 4,27).

Resistir a Satanás inclui oração por proteção, submissão a Deus em obediência a Cristo, consciência de quanto mal nos atrai, aquisição de qualidades espirituais (o que Paulo chama de colocar toda a armadura de Deus), crença em Cristo que cuida de nós através do Espírito Santo (Mateus 6,31; Tiago 4,7; 2 Coríntios 2,11; 10,4-5; Efésios 6,10-18; 2 Tessalonicenses 3,3).

Resistir também significa ser mentalmente vigilante ", porque o diabo anda como um leão que ruge e procura por quem ele deve devorar". (1 Pedro 5,8: 9).

Acima de tudo, depositamos nossa confiança em Cristo. Em 2 Tessalonicenses 3,3 lemos “que o Senhor é fiel; te fortalecerá e te protegerá do mal ». Confiamos na fidelidade de Cristo "mantendo-se firmes em nossa fé" e em orar nos dedicando totalmente a nos libertar do mal (Mateus 6,13).

Os cristãos devem permanecer em Cristo (João 15,4) e evite se envolver nas atividades de Satanás. Você deve pensar em coisas honrosas, justas, puras, amáveis ​​e com boa reputação (Filipenses 4,8) medita em vez de explorar "as profundezas de Satanás" (Apocalipse 2,24).

Os crentes também devem aceitar a responsabilidade de assumir a responsabilidade por seus pecados pessoais e não culpar Satanás. Satanás pode ser o criador do mal, mas ele e seus demônios não são os únicos que mantêm o mal porque homens e mulheres criaram e persistiram em sua própria vontade de criar seu próprio mal. As pessoas, não Satanás e seus demônios, são responsáveis ​​por seus próprios pecados. (Ezequiel 18,20; Tiago 1,14-15).

Jesus já ganhou a vitória

Às vezes a visão é expressa que Deus é o maior, e Satanás, o menor Deus, e que eles estão de alguma forma presos em eterno conflito. Essa ideia é chamada de dualismo.
Essa visão é anti-bíblica. Não há luta contínua pela supremacia universal entre os poderes das trevas, liderados por Satanás, e os poderes do bem, liderados por Deus. Satanás é apenas um ser criado, completamente subordinado a Deus, e Deus tem autoridade suprema em todas as coisas. Jesus venceu todas as reivindicações de Satanás. Crendo em Cristo já temos vitória, e Deus tem soberania sobre todas as coisas (Colossenses 1,13:2,15; 1:5,4; 93,1 João 97,1; Salmo 1; 6,15; 19,6 Timóteo; Apocalipse).

Portanto, os cristãos não precisam se preocupar excessivamente com a eficácia dos ataques de Satanás contra eles. Nem anjos, nem poderes, nem poderes "podem nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus" (Romanos 8,38-39).

De tempos em tempos, lemos nos Evangelhos e em Atos que Jesus e os discípulos a quem ele especificamente capacitava expulsavam demônios de pessoas que eram física e / ou espiritualmente perturbadas. Isso ilustra a vitória de Cristo sobre os poderes das trevas. A motivação incluía compaixão pelo sofrimento e autenticação da autoridade de Cristo, o Filho de Deus. A expulsão de demônios estava associada ao alívio do sofrimento espiritual e / ou físico, não à questão espiritual de remover o pecado pessoal e suas conseqüências (Mateus 17,14-18; Marcos 1,21-27; Marcos 9,22; Lucas 8,26-29; Lucas 9,1; Atos 16,1-18).

Satanás não fará mais a terra tremer, abalará reinos, fará do mundo um deserto, destruirá cidades e manterá a humanidade trancada em uma casa de prisioneiros espirituais (Isaías 14,16-17).

«Quem comete pecado é do diabo; porque o diabo peca desde o começo. Além disso, o Filho de Deus apareceu para destruir as obras do diabo » (1 João 3,8). Ao provocar o crente ao pecado, Satanás tinha o poder de levá-lo à morte espiritual, isto é, alienação de Deus. Mas Jesus se sacrificou "para que, com a morte, ele tomasse o poder daqueles que tinham controle sobre a morte, a saber, o diabo" (Hebreus 2,14).

Na volta de Cristo, ele removerá a influência de Satanás e seus demônios, além daqueles que se apegam à influência de Satanás sem remorso, jogando-os de uma vez por todas no lago de Gehna. (2 Tessalonicenses 2,8: 20; Revelação).

encerramento

Satanás é um anjo caído que procura corromper a vontade de Deus e impedir que os crentes atinjam seu potencial espiritual. É importante que o crente esteja ciente das ferramentas de Satanás sem se preocupar demais com ele ou com os demônios, para que Satanás não tire vantagem de nós. (2 Coríntios 2,11).

de James Henderson


pdfSatanás não é divino