Como é deus?

017 wkg bs deus o pai

De acordo com o testemunho da Escritura, Deus é um ser divino em três pessoas eternas, idênticas, mas diferentes - Pai, Filho e Espírito Santo. Ele é o único Deus verdadeiro, eterno, imutável, onipotente, onisciente, onipresente. Ele é o criador do céu e da terra, mantenedor do universo e fonte de salvação para o homem. Embora transcendente, Deus age direta e pessoalmente sobre as pessoas. Deus é amor e bondade infinita (Marcos 12,29; 1. Timóteo 1,17; Efésios 4,6; Mateus 28,19; 1. Johannes 4,8; 5,20; Titus 2,11; John 16,27; 2. Corinthians 13,13; 1. Corinthians 8,4-6).

«Deus Pai é a primeira pessoa da Divindade, o Sem Origem, de quem o Filho foi gerado antes da eternidade e de quem o Espírito Santo sai eternamente pelo Filho. O Pai, que criou tudo o que é visível e invisível por meio do Filho, envia o Filho para alcançar a salvação e dá o Espírito Santo para a nossa renovação e aceitação como filhos de Deus »(João 1,1.14, 18; Romanos 15,6; Colossenses 1,15-16; João 3,16, 14,26, 15,26; Romanos 8,14-17; Atos 17,28).

Nós criamos Deus ou Deus nos criou?

Deus não é religioso, gentil ", um de nós, americano, capitalista" é o título de um livro publicado recentemente. Ele discute conceitos errados sobre Deus.

É um exercício interessante examinar como nossas construções foram formadas por Deus por meio de nossa família e amigos; pela literatura e pela arte; por meio da televisão e da mídia; por meio de canções e folclore; por meio de nossos próprios desejos e necessidades; e, claro, por meio de experiências religiosas e filosofia popular. A realidade é que Deus não é uma construção nem um conceito. Deus não é uma ideia, não é um conceito abstrato de nossa mente inteligente.

Do ponto de vista da Bíblia, tudo, até mesmo nossos pensamentos e nossa capacidade de desenvolver idéias, vem do Deus que não criamos ou cujo caráter e atributos não foram formados por nós (Colossenses 1,16-17; Hebreus 1,3); o deus que é simplesmente deus. Deus não tem começo nem fim.

No início não havia uma concepção humana de Deus, mas no início (uma referência temporal que Deus usa para o nosso entendimento limitado) havia Deus (1. Mose 1,1; João 1,1) Nós não criamos Deus, mas Deus nos criou à sua imagem (1. Mose 1,27) Deus é, portanto nós somos. Deus eterno é o Criador de todas as coisas (Atos 17,24-25); Isaías 40,28, etc.) e somente por meio de sua vontade todas as coisas existem.

Muitos livros especulam sobre como Deus é. Sem dúvida, poderíamos propor uma lista de recursos e palavras principais que descrevam nossa visão de quem é Deus e o que Ele faz. O objetivo deste estudo, no entanto, é tomar nota de como Deus é descrito nas Escrituras e discutir por que essas descrições são importantes para o crente.

A Bíblia descreve o Criador como eterno, invisível,ssfim e todo-poderoso

Deus existe antes de sua criação (Salmo 90,2: 5) e ele "habita para sempre" (Isaías 7,15) "Ninguém jamais viu a Deus" (João 1,18), e ele não é físico, mas "Deus é espírito" (João 4,24) Ele não é limitado por tempo ou espaço, e nada está escondido dele (Salmo 139,1-12; 1. Reis 8,27, Jeremias 23,24) Ele "sabe [sabe] todas as coisas" (1. Johannes 3,20).

In 1. Moisés 17,1 Deus declara a Abraão: "Eu sou o Deus Todo-Poderoso", e em revelação 4,8 os quatro viventes proclamam: “Santo, santo, santo, é Deus o Senhor, o Todo-Poderoso, que foi, é e há de vir”. “A voz do Senhor é poderosa, a voz do Senhor é gloriosa” (Salmo 29,4).

Paulo instrui Timóteo: “Mas a Deus, o Rei eterno, o incorruptível e invisível, que é somente Deus, seja honra e louvor para sempre! Um homem "(1. Timóteo 1,17) Descrições semelhantes da divindade podem ser encontradas na literatura pagã e em muitas tradições religiosas não cristãs.

Paulo sugere que a soberania de Deus deve ser evidente para todos ao olhar para as maravilhas da criação. «Pois», escreve ele, «o ser invisível de Deus, o seu eterno poder e divindade, foi visto desde as suas obras desde a criação do mundo» (Romanos 1,20).
O ponto de vista de Paulo é bastante claro: as pessoas "são viciadas em nada em seus pensamentos (Romanos 1,21) e eles criaram suas próprias religiões e idolatria. Ele aponta em Atos 17,22-31 também sugere que as pessoas podem realmente ficar confusas sobre a natureza divina.

Existe uma diferença qualitativa entre o Deus cristão e outras divindades? 
De uma perspectiva bíblica, os ídolos, os deuses antigos da mitologia grega, romana, mesopotâmica e outras, os objetos de adoração no presente e no passado, não são de forma alguma divinos porque "só o Senhor nosso Deus é o Senhor" (Dt. 6,4) Não há deus, mas o verdadeiro Deus (2. Moisés 15,11; 1. Reis 8,23; Salmo 86,8, 95,3).

Isaías explica que outros deuses "não são nada" (Isaías 41,24), e Paulo afirma que esses “chamados deuses” não têm divindade porque “não há Deus senão um”, “um Deus, o Pai, de quem todas as coisas procedem” (1. Corinthians 8,4-6). 'Todos nós não temos um pai? Não foi um deus que nos criou? " o profeta Malaquias pergunta retoricamente. Veja também Efésios 4,6.

É importante que o crente valorize a majestade de Deus e tenha temor do único Deus. No entanto, isso não é suficiente por si só. "Veja, Deus é grande e incompreensível, ninguém pode descobrir o número de seus anos" (Jó 36,26) Uma diferença notável entre adorar a Deus bíblico e adorar os chamados deuses é que o Deus bíblico deseja que o conheçamos completamente, e ele também deseja nos conhecer pessoal e individualmente. Deus, o Pai, não quer se relacionar conosco à distância. Ele está "perto de nós" e não "um Deus que está longe" (Jeremias 23,23).

Quem é deus

Conseqüentemente, o Deus em cuja imagem somos feitos é um. Uma das implicações de ser feito à imagem de Deus é a possibilidade de sermos como ele. Mas como é Deus? A Escritura dedica muito espaço à revelação de quem Deus é e o que ele é. Vamos examinar algumas concepções bíblicas de Deus e veremos como a compreensão de como Deus é estimula qualidades espirituais a serem desenvolvidas no crente em seu relacionamento com os outros.

Significativamente, as Sagradas Escrituras não instruem o crente a refletir a imagem de Deus em termos de grandeza, onipotência, onisciência, etc. Deus é santo (Apocalipse 6,10; 1. Samuel 2,2; Salmo 78,4, 99,9, 111,9) Deus é glorioso em sua santidade (2. Moisés 15,11) Muitos teólogos definem santidade como o estado de ser, separado ou consagrado para propósitos divinos. Santidade é toda a coleção de atributos que definem quem é Deus e que o distingue dos falsos deuses.

Hebreus 2,14 nos diz que sem santidade "ninguém verá o Senhor"; "... mas como aquele que vos chamou é santo, vós também sereis santo em toda a vossa caminhada" (1. Petrus 1,15-16; 3. Mose 11,44) Devemos "participar de sua santidade" (Hebreus 12,10) Deus é amor e cheio de misericórdia (1. Johannes 4,8; Salmo 112,4, 145,8) A passagem acima em 1. João diz que aqueles que conhecem a Deus podem ser identificados por sua preocupação irradiada pelos outros, porque Deus é amor. O amor floresceu na divindade "antes da fundação do mundo" (João 17,24) porque o amor é a natureza inerente de Deus.

Porque ele mostra misericórdia [compaixão], devemos mostrar misericórdia uns para com os outros (1. Petrus 3,8, Zacarias 7,9) Deus é gracioso, misericordioso, perdoador (1. Petrus 2,3; 2. Moisés 34,6; Salmo 86,15, 111,4, 116,5).  

Uma expressão do amor de Deus é "sua grande bondade" (Cl 3,2) Deus está pronto para "perdoar, ele é misericordioso, misericordioso, paciente e de grande bondade" (Neemias 9,17) “Mas contigo, Senhor nosso Deus, há misericórdia e perdão. Porque nos tornamos apóstatas »(Daniel 9,9).

"O Deus de toda graça" (1. Petrus 5,10) espera que sua graça seja espalhada (2. Corinthians 4,15), e que os cristãos refletem Sua graça e perdão ao lidar com os outros (Efésios 4,32) Deus é bom (Lucas 18,19; 1 Cr 16,34; Salmo 25,8, 34,8, 86,5, 145,9).

"Todos os dons bons e perfeitos vêm do alto, do Pai da Luz" (Tiago 1,17).
Receber a bondade de Deus é uma preparação para o arrependimento - "ou desprezas as riquezas da sua bondade ... Não sabes que a bondade de Deus te leva ao arrependimento" (Romanos 2,4)?

O Deus que é capaz de "fazer muito além do que pedimos ou entendemos" (Efésios 3,20), diz ao crente "para fazer o bem a todos", pois quem faz o bem vem de Deus (3 João 11).

Deus é por nós (Romanos 8,31)

Claro, Deus é muito mais do que a linguagem física pode descrever. "Sua grandeza é inexplicável" (Salmo 145,3) Como podemos conhecê-lo e refletir sua imagem? Como podemos cumprir Seu desejo de ser santos, amorosos, compassivos, graciosos, misericordiosos, perdoadores e bons?

Deus "em quem não há mudança, nem mudança de luz e trevas" (Tiago 1,17) e cujo caráter e propósito elegante não mudam (Mal 3,6), abriu um caminho para nós. Ele é por nós e quer que sejamos seus filhos (1. Johannes 3,1).

Hebreus 1,3 informa-nos que Jesus, o Filho unigênito de Deus desde a eternidade, é o reflexo exato do ser interior de Deus - "a imagem de si mesmo" (Hebreus 1,3) Se precisamos de uma imagem tangível do Pai - é Jesus. Ele é a "imagem do Deus invisível" (Colossenses 1,15).

Cristo disse: «Tudo me foi dado por meu Pai; e ninguém conhece o Filho, exceto o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e a quem o Filho o revelará »(Mateus 11,27).

Schlüter®-ssconclusão

A maneira de conhecer a Deus é por meio de seu filho. A Escritura revela como é Deus, e isso é importante para o crente porque fomos feitos à imagem de Deus.

James Henderson