O Espírito Santo - funcionalidade ou personalidade?

036 o espírito santo O Espírito Santo é freqüentemente descrito em termos de funcionalidade, tais como: Poder de Deus ou presença ou ação ou voz. Esta é uma maneira adequada de descrever a mente?

Jesus também é descrito como o poder de Deus (Filipenses 4,13), a presença de Deus (Gálatas 2,20), a ação de Deus (João 5,19) e a voz de Deus (João 3,34). Mas falamos de Jesus em termos de personalidade.

As Escrituras também atribuem atributos de personalidade ao Espírito Santo e, posteriormente, elevam o perfil do Espírito além da mera funcionalidade. O Espírito Santo tem vontade (1 Coríntios 12,11: "Mas tudo isso funciona com o mesmo espírito e dá a todos o que eles querem"). O Espírito Santo explora, conhece, ensina e diferencia (1 Coríntios 2,10: 13).

O Espírito Santo tem emoções. O espírito da graça pode ser insultado 10,29) e entristecido (Efésios 4,30). O Espírito Santo nos confortou e, como Jesus, foi chamado de ajudante (João 14,16). Em outras passagens das Escrituras, o Espírito Santo fala, ordena, testemunha, é mentido, entra, luta, etc. ... Todos esses termos são consistentes com a personalidade.

Biblicamente falando, a mente não é um o quê, mas um quem. A mente é "alguém", não "algo". Na maioria dos círculos cristãos, o Espírito Santo é chamado de "ele", que não deve ser entendido como uma indicação de gênero. Pelo contrário, é usado para indicar a personalidade da mente.

A divindade do espírito

A Bíblia atribui qualidades divinas ao Espírito Santo. Ele não é descrito como tendo uma natureza angelical ou humana. Jó 33,4 observa: "O Espírito de Deus me fez, e o sopro do Todo-Poderoso me deu vida." O Espírito Santo cria. A mente é eterna (Hebreus 9,14). É onipresente (Salmo 139,7).

Investigue as Escrituras e você verá que a mente é onipotente, onisciente e dá vida. Todos esses são atributos da natureza divina. Consequentemente, a Bíblia designa o Espírito Santo como divino.