Você pode confiar no Espírito Santo?

039 pode confiar no Espírito Santo para salvá-la Um de nossos anciãos recentemente me disse que a principal razão pela qual ele foi batizado há 20 anos é porque ele queria receber o poder do Espírito Santo para poder vencer todos os seus pecados. Suas intenções eram boas, mas seu entendimento era um pouco defeituoso (Obviamente, ninguém tem um entendimento perfeito, somos salvos pela graça de Deus, apesar de nossos mal-entendidos).

O Espírito Santo não é algo que podemos simplesmente “ativar” para alcançar nossos “objetivos de superação”, uma espécie de superalimentador para nossa força de vontade. O Espírito Santo é Deus, ele está conosco e em nós, ele nos dá o amor, a certeza e a estreita comunhão que o Pai nos capacita em Cristo. Por meio de Cristo, o Pai nos fez seus próprios filhos e o Espírito Santo nos dá o sentimento espiritual de reconhecer isso. (Romanos 8,16). O Espírito Santo nos dá uma estreita comunhão com Deus por meio de Cristo, mas não nega nossa capacidade de pecar. Ainda teremos desejos errados, motivos errados, pensamentos errados, palavras e ações erradas.

Mesmo se alguém quiser desistir de um certo hábito, achamos que ainda somos incapazes de fazê-lo. Sabemos que é a vontade de Deus que nos libertemos deste problema, mas, por alguma razão, ainda parecemos incapazes de nos livrar de sua influência sobre nós.

Podemos acreditar que o Espírito Santo está realmente trabalhando em nossas vidas - especialmente quando parece que nada está realmente acontecendo porque não somos cristãos muito "bons"? Se continuamos lutando contra o pecado, quando parece que não mudamos muito, concluímos que estamos tão destruídos que nem Deus pode resolver o problema?

Bebês e adolescentes

Quando chegamos a Cristo com fé, nascemos de novo, somos criados de novo por Cristo. Somos novas criaturas, novas pessoas, bebês em Cristo. Os bebês não têm força, não têm habilidades, não se limpam.

À medida que crescem, adquirem algumas habilidades e também começam a perceber que há muita coisa que não podem fazer, o que às vezes leva à frustração. Eles se remexem com os lápis de cera e a tesoura e se preocupam com o fato de não estarem tão bem quanto um adulto. Mas os surtos de frustração não ajudam - apenas o tempo e o exercício ajudarão.

Isso também se aplica à nossa vida espiritual. Às vezes, os jovens cristãos recebem uma força dramática para romper com o vício em drogas ou um temperamento quente. Às vezes, os jovens cristãos são imediatamente um "tesouro" para a igreja. Depois de muito mais frequência, parece que os cristãos lutam com os mesmos pecados de antes, eles têm a mesma personalidade, os mesmos medos e frustrações. Eles não são gigantes espirituais.

Dizem-nos que Jesus venceu o pecado, mas parece que o pecado ainda nos tem em seu poder. A natureza pecaminosa dentro de nós foi derrotada, mas ainda nos trata como se fôssemos prisioneiros dele. Oh, que miseráveis ​​pessoas somos! Quem nos salvará do pecado e da morte? Jesus é claro (Romanos 7,24-25). Ele já venceu - e fez desta vitória a nossa vitória.

Mas ainda não vemos a vitória completa. Nós ainda não vemos seu poder sobre a morte, nem o fim completo do pecado em nossas vidas. Como Hebreus 2,8 diz, nós ainda não vemos todas as coisas feitas sob nossos pés. O que fazemos - nós confiamos em Jesus. Confiamos em sua palavra de que ele conquistou a vitória e confiamos em sua palavra de que também somos vitoriosos nele.

Embora saibamos que somos limpos e puros em Cristo, gostaríamos de ver progresso na superação de nossos pecados pessoais. Este processo pode parecer terrivelmente lento às vezes, mas podemos confiar em Deus para fazer o que ele prometeu - em nós e nos outros. Afinal, não é o nosso trabalho. É a agenda dele, não a nossa. Se nos submetermos a Deus, devemos estar dispostos a esperar por ele. Devemos estar dispostos a confiar nEle para fazer o Seu trabalho em nós no caminho e na velocidade que Ele achar conveniente.
Os adolescentes costumam pensar que sabem mais do que o pai. Eles acham que sabem do que se trata a vida e que podem fazer tudo muito bem sozinhos. (É claro que nem todos os adolescentes são assim, mas o estereótipo é baseado em algumas evidências).

Nós cristãos às vezes podemos pensar de uma maneira que se assemelha a adolescentes. Podemos começar a pensar que o "crescimento" espiritual é baseado no comportamento correto, o que nos leva a pensar que nossa posição diante de Deus depende de quão bem nos comportamos. Se nos comportarmos bem, podemos mostrar uma tendência a menosprezar outras pessoas que não são tão boas quanto nós. Se não nos comportarmos tão bem, podemos cair em desespero e depressão e acreditar que Deus nos deixou.

Mas Deus não pede que nos tornemos justos diante dEle; ele nos pede para confiar nele, aquele que justifica os ímpios (Romanos 4,5) que nos ama e nos salva por amor de Cristo.
À medida que amadurecemos em Cristo, descansamos mais firmemente no amor de Deus, que para nós é mostrado da maneira mais elevada em Cristo (1 João 4,9). Enquanto descansamos nela, aguardamos ansiosamente o dia descrito em Apocalipse 21,4: «E Deus enxugará todas as lágrimas dos seus olhos, e a morte não será mais, nem o sofrimento, os gritos ou as dores serão mais elevados. ; porque o primeiro já passou.

Perfeição!

Quando esse dia chegar, Paul, seremos transformados em um instante. Seremos imortais, imperecíveis, inevitáveis (1 Cor. 15,52-53). Deus redime o homem interior, não apenas o homem exterior. Isso muda nosso interior, da fraqueza e impermanência para a glória e, mais importante, a ausência de pecado. Com o som da última trombeta, seremos transformados em pouco tempo. Nossos corpos são redimidos (Romanos 8,23), mas ainda mais, finalmente veremos por nós mesmos como Deus nos criou em Cristo (1 João 3,2). Veremos com clareza a realidade ainda invisível que Deus tornou real em Cristo.

Nossa velha natureza pecaminosa foi derrotada e destruída por Cristo. De fato, ela está morta. "Porque você morreu", diz Paulo, "e sua vida está oculta com Cristo em Deus". (Col. 3,3). O pecado que “tão facilmente tricotamos” e que “tentamos derramar” (Hebreus 12,1) não faz parte do novo homem que estamos em Cristo, de acordo com a vontade de Deus. Temos nova vida em Cristo. Quando Cristo vier, finalmente nos veremos como o Pai nos criou em Cristo. Vamos nos ver como realmente somos, como perfeitos em Cristo, que é a nossa vida real (Colossenses 3,3: 4). Por esse motivo, porque já morremos e ressuscitamos com Cristo, "matamos" (Verso 5) o que é terreno em nós.

Só vencemos Satanás, o pecado e a morte de uma maneira - através do sangue do Cordeiro (Apocalipse 12,11). É através da vitória de Jesus Cristo conquistada na cruz que temos vitória sobre o pecado e a morte, não através de nossas lutas contra o pecado. Nossas lutas contra o pecado são uma expressão do fato de que estamos em Cristo, que não somos mais inimigos de Deus, mas Seus amigos, através do Espírito Santo em comunhão com ele, que trabalha tanto em nós, desejando e realizando para o prazer de Deus (Filipenses 2,13).

Nossa luta contra o pecado não é a razão de nossa justiça em Cristo. Ele não traz santidade. O próprio amor e bondade de Deus para conosco em Cristo é a razão, a única razão, para a nossa justiça. Somos justificados, redimidos por Deus através de Cristo, de todos os pecados e de toda impiedade, porque Deus é cheio de amor e graça - e por nenhuma outra razão. Nossa luta contra o pecado é o produto do ego novo e justo que Cristo nos deu, não a causa dele. Cristo morreu por nós quando ainda éramos pecadores (Romanos 5,8).

Nós odiamos o pecado, lutamos contra o pecado, queremos evitar a dor e o sofrimento que o pecado causa para nós e para os outros, porque Deus nos fez vivos em Cristo e o Espírito Santo opera em nós. Por estarmos em Cristo, lutamos contra o pecado que "nos une tão facilmente" (Heb. 12,1). Mas não alcançamos a vitória através de nossos próprios esforços, nem mesmo através de nossos próprios esforços capacitados pelo Espírito Santo. Conseguimos a vitória através do sangue de Cristo, através de sua morte e ressurreição como o filho encarnado de Deus, Deus em carne por nossa causa.

Deus já fez tudo em Cristo que é necessário para a nossa salvação e Ele já nos deu tudo o que precisamos para a vida e a piedade, simplesmente chamando-nos a reconhecê-lo em Cristo. Ele fez isso porque ele é incrivelmente bom (2 Pedro 1, 2-3).

O Livro do Apocalipse nos diz que chegará um tempo em que não haverá mais gritos e nem lágrimas, nem tristeza e nem dor - e isso significa que não haverá mais pecado, pois é o pecado, o sofrimento causado. De repente, em um breve momento, a escuridão terminará e o pecado não poderá mais nos seduzir a pensar que ainda somos seus prisioneiros. Nossa verdadeira liberdade, nossa nova vida em Cristo, brilhará eternamente com ele em toda a sua glória. Enquanto isso, confiamos na palavra de sua promessa - e é algo que vale a pena pensar.

por Joseph Tkach