Paz no Dia das Mães

441 Paz no Dia das MãesUm jovem aproximou-se de Jesus com a pergunta: “Mestre, que bem devo fazer para obter a vida eterna? Honre seu pai e sua mãe e ame seu próximo como você ama a si mesmo ”(Mateus 19,16 e 19 HFA).

Para a maioria de nós, o Dia das Mães é uma oportunidade para celebrar o amor entre os pais e seus filhos, mas para Deborah Cotton, o Dia das Mães sempre será a história de um tipo especial de amor. Deborah é uma jornalista e defensora de longa data da não-violência e assistência social. Ela passou anos de sua carreira ajudando pessoas em bairros carentes em sua amada Nova Orleans. No Dia das Mães 2013, tudo mudou: ela era uma das pessoas do 20 que foram feridas em um tiroteio durante um desfile. Quando dois membros da gangue abriram o fogo para a multidão de espectadores inocentes, Deborah foi atingida no estômago; a bala danificou vários de seus órgãos vitais.

Ela sobreviveu a trinta operações, mas carregará cicatrizes para sempre; um lembrete do alto custo de seus serviços para a comunidade. O que o Dia das Mães significaria para ela? Ela teve a escolha de reviver a terrível lembrança do dia e da dor envolvida, ou transformar sua tragédia em algo positivo através do perdão e do amor. Débora escolheu o caminho do amor. Ela pegou o homem que atirou nela e o visitou na cadeia. Ela queria ouvir a história dele e entender por que ele estava agindo tão horrivelmente. Desde sua primeira visita, Deborah ajudou o atirador a mudar sua vida e se concentrar em sua mudança espiritual no relacionamento com Deus.

Quando ouvi essa história incrível, não pude deixar de pensar no amor transformador de nosso próprio Salvador. Como Débora, ele também carrega as cicatrizes do amor, uma lembrança eterna do alto custo de seu trabalho para redimir a humanidade. O profeta Isaías lembra-nos: «Foi traspassado pelos nossos pecados. Ele foi punido por nossos pecados - e nós? Agora estamos em paz com Deus! Somos curados pelas suas feridas »(Isaías 53,5 HFA).

E o incrível? Jesus fez isso voluntariamente. Ele sabia da dor que sofreria antes de morrer. Em vez de se afastar, o Filho de Deus sem pecado aceitou voluntariamente todos os custos para condenar e extinguir todo o pecado da humanidade, reconciliar-se com Deus e nos libertar da morte eterna e perversa. Ele pediu a seu pai que perdoasse os homens que o crucificaram! Seu amor não conhece limites! É encorajador ver sinais de reconciliação e de transformação do amor no mundo de hoje, espalhando-se por pessoas como Débora. Ela escolheu o amor em vez de condenação, perdão em vez de retribuição. No Dia das Mães, todos podemos nos inspirar em seu exemplo: ela confiou em Jesus Cristo, seguiu-o e correu para fazer o mesmo que amava.

por Joseph Tkach


pdfPaz no Dia das Mães