Ira de deus

647 a ira de deus Na Bíblia está escrito: "Deus é amor" (1. Johannes 4,8) Ele decidiu fazer o bem servindo e amando as pessoas. Mas a Bíblia também aponta para a ira de Deus. Mas como pode alguém que é puro amor também ter algo a ver com raiva?

Amor e raiva não são mutuamente exclusivos. Portanto, podemos esperar que o amor, o desejo de fazer o bem também inclua raiva ou resistência a qualquer coisa prejudicial e destrutiva. O amor de Deus é consistente e, portanto, Deus resiste a qualquer coisa que se oponha ao seu amor. Qualquer resistência ao seu amor é pecado. Deus é contra o pecado - ele o combate e acabará eliminando-o. Deus ama as pessoas, mas não gosta do pecado. No entanto, "desagradado" é muito brando para colocá-lo. Deus odeia o pecado porque é uma expressão de hostilidade ao seu amor. Isso deixa claro o que significa a ira de Deus de acordo com a Bíblia.

Deus ama todas as pessoas, incluindo os pecadores: "Todos são pecadores e carecem da glória que deveriam ter diante de Deus e são justificados sem mérito por sua graça por meio da redenção que veio por meio de Cristo Jesus" (Romanos 3,23-24). Mesmo quando éramos pecadores, Deus enviou seu Filho para morrer por nós, para nos libertar de nossos pecados (de Romanos 5,8) Concluímos que Deus ama as pessoas, mas odeia o pecado que as prejudica. Se Deus não fosse inexorável para com tudo o que é contra a sua criação e as suas criaturas e se não se opusesse a uma relação real com ele e com as suas criaturas, não seria um amor incondicional e abrangente. Deus não seria por nós se não fosse contra tudo o que está contra nós.

Algumas escrituras mostram que Deus está zangado com as pessoas. Mas Deus nunca quer causar dor às pessoas, mas quer que vejam como seu estilo de vida pecaminoso os prejudica e aos que estão ao seu redor. Deus quer que os pecadores mudem para evitar a dor que o pecado causa.

A ira de Deus mostra quando a santidade e o amor de Deus são atacados pela pecaminosidade humana. Pessoas que vivem suas vidas separadas de Deus são hostis ao seu caminho. Pessoas tão distantes e hostis agem como inimigas de Deus. Visto que o homem ameaça tudo o que é bom e puro que Deus é e pelo qual ele representa, Deus se opõe resolutamente ao caminho e às práticas do pecado. Sua resistência santa e amorosa a todas as formas de pecaminosidade é chamada de "ira de Deus". Deus não tem pecado - ele é um ser perfeitamente santo em si mesmo. Se ele não se opusesse à pecaminosidade do homem, ele não seria bom. Se ele não estivesse zangado com o pecado e não o julgasse, Deus admitiria para a má ação que a pecaminosidade não é absolutamente má. Isso seria uma mentira, porque o pecado é completamente mau. Mas Deus não pode mentir e permanece fiel a si mesmo, pois corresponde ao seu ser mais íntimo, que é santo e amoroso. Deus resiste ao pecado colocando inimizade persistente contra ele, porque Ele removerá do mundo todo o sofrimento causado pelo mal.

Fim da inimizade

No entanto, Deus já tomou as medidas necessárias para acabar com a inimizade entre ele e o pecado da humanidade. Estas medidas decorrem do seu amor, que é a essência do seu ser: «Quem não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor »(1. Johannes 4,8) Por amor, Deus permite que suas criaturas escolham a favor ou contra ele. Ele até permite que o odeiem, embora se oponha a tal decisão porque prejudica as pessoas que ama. Na verdade, ele diz "não" ao "não" dela. Ao dizer "não" ao nosso "não", ele afirma o seu "sim" a nós em Jesus Cristo. «Nele apareceu o amor de Deus entre nós, que Deus enviou o seu Filho unigênito ao mundo para que vivêssemos por ele. É nisso que consiste o amor: não que nós tenhamos amado a Deus, mas que ele nos amou e enviou seu Filho para expiar os nossos pecados »(1. Johannes 4,9-10).
Deus tomou todas as medidas necessárias, ao mais alto custo de si mesmo, para que nossos pecados sejam perdoados e apagados. Jesus morreu por nós, em nosso lugar. O fato de que sua morte foi necessária para nosso perdão mostra a gravidade de nosso pecado e culpa, e mostra as consequências que o pecado teria sobre nós. Deus odeia o pecado que causa a morte.

Quando aceitamos o perdão de Deus em Jesus Cristo, confessamos que temos sido criaturas pecadoras em oposição a Deus. Vemos o que significa aceitar a Cristo como nosso Salvador. Aceitamos que, como pecadores, fomos alienados de Deus e precisávamos de reconciliação. Reconhecemos que, por meio de Cristo e sua obra de redenção, recebemos a reconciliação, uma mudança profunda em nossa natureza humana e a vida eterna em Deus como um dom gratuito. Nos arrependemos do nosso "não" a Deus e agradecemos a ele por seu "sim" a nós em Jesus Cristo. Em Efésios 2,1-10 Paulo descreve o caminho do homem sob a ira de Deus para o recipiente da salvação por meio da graça de Deus.

O propósito de Deus desde o início era mostrar seu amor pelas pessoas perdoando o mundo de seus pecados por meio da obra de Deus em Jesus (de Efésios 1,3-8º). A situação das pessoas em seu relacionamento com Deus é reveladora. Qualquer que fosse a “ira” que Deus tivesse, Ele também planejou redimir as pessoas antes que o mundo fosse criado, “mas redimido com o precioso sangue de Cristo como um Cordeiro inocente e imaculado. Embora ele tenha sido escolhido antes da fundação do mundo ser lançada, ele é revelado no fim dos tempos para o seu bem »(1. Petrus 1,19-20). Essa reconciliação não ocorre por meio de desejos ou esforços humanos, mas unicamente por meio da pessoa e da obra redentora de Jesus Cristo em nosso favor. Esta obra de redenção foi realizada como "ira amorosa" contra o pecado e por nós como indivíduos. Pessoas que estão "em Cristo" não são mais objetos de raiva, mas vivem em paz com Deus.

Em Cristo, nós, humanos, somos salvos da ira de Deus. Somos profundamente mudados por Sua obra de salvação e a habitação do Espírito Santo. Deus nos reconciliou consigo mesmo (de 2. Corinthians 5,18); ele não deseja nos punir, pois Jesus suportou nossa punição. Agradecemos e recebemos o seu perdão e uma nova vida numa relação real com ele, voltando-nos para Deus e afastando-nos de tudo o que é um ídolo na vida humana. «Não amem o mundo nem o que há no mundo. Se alguém ama o mundo, não há o amor do Pai nele. Pois tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne e a concupiscência dos olhos e a vida arrogante, não vem do Pai, mas do mundo. E o mundo passa com sua luxúria; mas quem faz a vontade de Deus permanece para sempre »(1. Johannes 2,15-17). Nossa salvação é a salvação de Deus em Cristo - "que nos salva da ira futura" (1. Estes 1,10).

O homem se tornou um inimigo de Deus pela natureza de Adão, e essa hostilidade e desconfiança de Deus cria uma contramedida necessária do Deus santo e amoroso - sua ira. Desde o início, por Seu amor, Deus pretendia acabar com a ira produzida pelo homem por meio da obra de redenção de Cristo. É pelo amor de Deus que fomos reconciliados com ele por meio de sua própria obra de redenção na morte e vida de seu Filho. “Quanto mais seremos salvos da ira por ele, agora que fomos justificados pelo seu sangue. Pois, se fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, quando ainda éramos inimigos, quanto mais seremos salvos pela sua vida, agora que fomos reconciliados »(Romanos 5,9-10).

Deus planejou remover sua justa ira contra a humanidade antes mesmo que ela surgisse. A ira de Deus não pode ser comparada à ira humana. A linguagem humana não tem uma palavra para esse tipo de oposição temporária e já resolvida às pessoas que se opõem a Deus. Eles merecem punição, mas o desejo de Deus não é puni-los, mas livrá-los da dor que seus pecados lhes causam.

A palavra raiva pode nos ajudar a entender o quanto Deus odeia o pecado. Nosso entendimento da palavra raiva deve sempre incluir o fato de que a raiva de Deus é sempre dirigida contra o pecado, nunca contra as pessoas, porque Ele as ama a todas. Deus já agiu para ver o fim de sua raiva contra as pessoas. Sua raiva contra o pecado termina quando os efeitos do pecado são destruídos. "O último inimigo a ser destruído é a morte" (1. Corinthians 15,26).

Agradecemos a Deus porque sua raiva cessa quando o pecado é vencido e destruído. Temos certeza na promessa de sua paz conosco porque ele venceu o pecado em Cristo de uma vez por todas. Deus nos reconciliou consigo mesmo por meio da obra redentora de seu Filho e, assim, acalmou sua raiva. Portanto, a ira de Deus não é dirigida contra o seu amor. Em vez disso, sua raiva serve ao seu amor. Sua raiva é um meio de alcançar propósitos amorosos para todos.

Como a raiva humana raramente, ou nunca, cumpre de forma desprezível as intenções de amor, não podemos transferir nossa compreensão humana e experiência da raiva humana para Deus. Quando fazemos isso, estamos fazendo idolatria e imaginando Deus como se ele fosse uma criatura humana. James 1,20 deixa claro que "a ira do homem não faz o que é justo diante de Deus". A ira de Deus não durará para sempre, mas Seu amor inabalável durará.

Versos-chave

Aqui estão algumas escrituras importantes. Eles mostram uma comparação entre o amor de Deus e sua ira divina em oposição à ira humana que experimentamos nas pessoas decaídas:

  • "Pois a ira do homem não faz o que é reto diante de Deus" (Tiago 1,20).
  • “Se você está com raiva, não peque; não se ponha o sol sobre a tua ira »(Efésios 4,26).
  • —Eu não farei isso depois de minha raiva feroz, nem arruinarei Efraim novamente. Porque eu sou Deus e não uma pessoa, santo no meio de vocês. É por isso que não venho com raiva para devastar »(Oséias 11,9).
  • «Quero curar a sua apostasia; Eu adoraria amá-la; porque a minha ira se afastou deles »(Oséias 14,5).
  • «Onde está um Deus como vós, que perdoa os pecados e remete a culpa daqueles que ficaram como resto da sua herança; que não se apega à sua raiva para sempre, pois tem prazer na graça! " (Micha 7,18).
  • “Tu és um Deus que perdoa, misericordioso, misericordioso, paciente e de grande bondade” (Neemias 9,17).
  • “No momento da ira escondi um pouco o meu rosto de ti, mas com graça eterna terei misericórdia de ti, diz o Senhor teu Redentor” (Isaías 54,8).
  • «O Senhor não repudia para sempre; mas ele sofre bem e tem piedade novamente de acordo com sua grande bondade. Porque ele não atormenta e entristece as pessoas de coração. ... O que as pessoas reclamam na vida, cada uma sobre as consequências do seu pecado? " (Lamentações 3,31-33.39).
  • "Você acha que eu gosto da morte dos ímpios, diz o Senhor Deus, e não que ele se desvie de seus caminhos e permaneça vivo?" (Ezequiel 18,23).
  • «Rasgai os vossos corações e não as vossas roupas e voltai para o Senhor vosso Deus! Pois ele é gracioso, misericordioso, paciente e de grande bondade, e logo se arrependerá do castigo »(Joel 2,13).
  • «Jonas orou ao Senhor e disse: Oh, Senhor, foi o que pensei quando ainda estava no meu país. É por isso que queria fugir para Társis; porque eu sabia que sois misericordioso, misericordioso, longânimo e de grande bondade e que vos fazeis arrepender do mal »(Jonas 4,2).
  • «O Senhor não retarda a promessa como alguns consideram um atraso; mas ele tem paciência com você e não quer que ninguém se perca, mas que todos encontrem o arrependimento »(2. Petrus 3,9).
  • «O medo não está no amor, mas o amor perfeito expulsa o medo. Pois o medo conta com a punição; mas quem tem medo não está completamente apaixonado »(1. Johannes 4,17 última parte-18).

Quando lemos que «Deus amou tanto o mundo que deu o seu Filho unigênito, para que todos os que nele crêem não se percam, mas tenham a vida eterna. Porque Deus não enviou o seu Filho ao mundo para julgar o mundo, mas para que por ele o mundo fosse salvo »(João 3,16-17), então devemos entender precisamente a partir deste ato que Deus está "zangado" com o pecado. Mas com a aniquilação da pecaminosidade, Deus não condena os pecadores, mas os salva do pecado e da morte para oferecer e dar-lhes reconciliação e vida eterna. A "ira" de Deus não tem a intenção de "condenar o mundo", mas de destruir o poder do pecado em todas as suas formas, para que as pessoas possam encontrar sua salvação e experimentar um relacionamento eterno e vivo de amor com Deus.

de Paul Kroll