Estamos pregando "graça barata"?

320 nós pregamos graça barata

Talvez você já tenha ouvido falar que se diz que a graça existe "não é ilimitada" ou "faz exigências". Aqueles que enfatizam o amor e o perdão de Deus ocasionalmente encontram pessoas que os acusam de "graça barata", como chamam depreciativamente. Foi exatamente o que aconteceu com meu bom amigo e pastor do GCI, Tim Brassel. Ele foi acusado de pregar "graça barata". Eu gosto de como ele reagiu a isso. Sua resposta foi: "Não, não estou pregando graça barata, mas muito melhor: graça livre!"

O termo graça barata vem do teólogo Dietrich Bonhoeffer, que o usou em seu livro "Nachgabe" e o tornou popular. Ele usou isso para enfatizar que, quando Deus converte e leva uma nova vida em Cristo, uma pessoa recebe graça imerecida. Mas sem uma vida em sucessão, a plenitude de Deus não chega até ele - a pessoa só experimenta "graça barata".

A controvérsia do Lordship Salvation

A salvação requer aceitação de Jesus ou discipulado também? Infelizmente, o ensino de Bonhoeffer sobre a graça (incluindo o uso do termo graça barata) e sua discussão sobre salvação e discipulado tem sido freqüentemente mal compreendido e mal utilizado. Isso se relaciona principalmente com o debate de décadas que ficou conhecido como a Controvérsia da Salvação pelo Senhorio.

Uma voz importante neste debate, um calvinista de cinco pontos bem conhecido, afirma repetidamente que aqueles que afirmam que a confissão pessoal de fé em Cristo é necessária para a salvação são culpados de defender a "graça barata". Segundo seu argumento, é necessário para a salvação fazer uma profissão de fé (aceitar Jesus como Salvador) e fazer boas obras até certo ponto (em obediência a Jesus como Senhor).

Ambos os lados têm bons argumentos neste debate. Na minha opinião, há erros na opinião de ambas as partes que poderiam ter sido evitadas. É em primeiro lugar a relação de Jesus com o Pai e não como nós humanos nos comportamos em relação a Deus. Deste ponto de vista, é claro que Jesus é ao mesmo tempo Senhor e Salvador. Ambos os lados achariam muito mais do que um presente de graça que somos guiados pelo Espírito Santo a estar mais intimamente envolvidos no relacionamento de Jesus com o Pai.

Com esta visão focada na Trindade de Cristo, ambos os lados veriam as boas obras não como algo para ganhar a salvação (ou algo supérfluo), mas que fomos criados para andar em Cristo (Efésios 2,10) Eles também veriam que somos redimidos por nenhum mérito, não por causa de nossas obras (incluindo nosso credo pessoal), mas por meio da obra e da fé de Jesus em nosso favor (Efésios 2,8-9; Gálatas 2,20) Então, eles podem concluir que não há nada que possa ser feito para a salvação adicionando ou mantendo-a. O grande pregador Charles Spurgeon deixou claro: "Se tivéssemos que espetar uma alfinetada no vestido de nossa salvação, o estragaríamos completamente."

O trabalho de Jesus nos dá Sua graça abrangente

Como discutimos anteriormente nesta série sobre a graça, devemos confiar muito mais na obra de Jesus (Sua fidelidade) do que em nosso próprio fazer. Ensinar que a salvação não é por meio de nossas obras, mas por si só, não invalida o evangelho é efetuado pela graça de Deus. Karl Barth escreveu: "Ninguém pode ser salvo fazendo as suas próprias coisas, mas todos podem ser salvos pelas ações de Deus."

A Escritura nos ensina que todo aquele que crê em Jesus "tem a vida eterna" (João 3,16; 36; 5,24) e "serão salvos" (Romanos 10,9) Existem versículos que nos exortam a seguir Jesus vivendo nossas novas vidas nele. Todo pedido para se aproximar de Deus e desejar obter sua graça, que assim separa Jesus como Salvador e Jesus como Senhor, é equivocado. Jesus é uma realidade totalmente indivisa, Salvador e Senhor. Como o Redentor ele é o Senhor e como Senhor ele é o Redentor. Tentar dividir essa realidade em duas categorias não é útil nem útil. Se o fizer, você cria um cristianismo que se divide em duas classes e leva seus respectivos membros a julgar quem é cristão e quem não é. Há também uma tendência de separar nosso quem-sou-eu do que-eu-faço.

Separar Jesus de sua obra de salvação é baseado em uma visão comercial (mérito mútuo) da salvação que separa a justificação da santificação. No entanto, a salvação, que é completa e totalmente graciosa, trata de um relacionamento com Deus que leva a um novo modo de vida. A graça salvadora de Deus nos dá justificação e santificação, em que o próprio Jesus, por meio do Espírito Santo, se tornou justificação e santificação para nós (1. Corinthians 1,30).

O próprio Salvador é o presente. Unidos com Jesus pelo Espírito Santo, tornamo-nos participantes de tudo o que é dele. O Novo Testamento resume isso chamando-nos de "nova criatura" em Cristo (2. Corinthians 5,17) Não há nada que possa exibir essa graça como algo barato, porque simplesmente não há nada barato, seja em relação a Jesus ou na vida que compartilhamos com ele. O fato é que o relacionamento com ele leva ao arrependimento, ao abandono do antigo eu e à entrada em um novo estilo de vida. O Deus de amor anseia pela perfeição daqueles que ama e preparou isso em Jesus. O amor é perfeito, caso contrário não seria amor. Calvino costumava dizer: "Toda a nossa salvação é perfeita em Cristo."

A incompreensão da graça e obras

Embora o foco esteja no tipo certo de relacionamento e compreensão, e em fazer boas obras, há alguns que acreditam erroneamente que a participação contínua por meio de boas obras é necessária para garantir nossa salvação. A preocupação deles é que focar na graça de Deus somente por meio da fé é uma licença para pecar (o tópico que abordei na Parte 2). A imprudência nessa ideia é que a graça não simplesmente ignora as consequências do pecado. Essa forma equivocada de pensar também isola a graça do próprio Jesus, como se a graça fosse o objeto de uma transação (troca mútua) que pode ser dividida em ações individuais sem envolver Cristo. Na realidade, o foco está tanto nas boas obras que eventualmente não se acredita mais que Jesus fez tudo o que era necessário para nos salvar. É falsamente afirmado que Jesus apenas começou a obra de nossa salvação e que agora cabe a nós garanti-la de alguma forma por meio de nossa conduta.

Os cristãos que aceitaram a graça concedida gratuitamente por Deus não acreditam que isso lhes deu permissão para pecar - muito pelo contrário. Paulo foi acusado de pregar demais sobre a graça para que "o pecado pudesse se espalhar". No entanto, essa acusação não o fez mudar sua mensagem. Em vez disso, ele acusou seu acusador de deturpar sua mensagem e tentou ainda mais deixar claro que a graça não era um meio apropriado de derrogar as regras. Paulo escreveu que o objetivo de seu ministério era "estabelecer a obediência da fé" (Romanos 1,5, 16,26).

A salvação só é possível através da graça: é a obra de Cristo do começo ao fim

Nós devemos a Deus uma grande gratidão por ele ter enviado seu Filho no poder do Espírito Santo para nos salvar, não para nos julgar. Nós entendemos que nenhuma contribuição para as boas obras pode nos fazer justiça ou santificação; Se assim fosse, não precisaríamos de um Redentor. Se a ênfase está na obediência pela fé ou pela fé com obediência, nunca devemos subestimar nossa dependência de Jesus, que é nosso Redentor. Ele julgou e condenou todos os pecados e nos perdoou para sempre - um dom que recebemos se acreditarmos e confiarmos nele.

É a própria fé e obra de Jesus - sua fidelidade - que opera nossa salvação do início ao fim. Ele transfere sua justiça (nossa justificação) para nós e através do Espírito Santo ele nos dá uma parte em sua vida santa (nossa santificação). Recebemos estes dois dons de uma só e da mesma forma: pondo a nossa confiança em Jesus. O que Cristo fez por nós, o Espírito Santo em nós nos ajuda a entender e viver de acordo. Nossa fé está centrada no (como é em Filipenses 1,6 significa) «quem começou a boa obra em vós também a completará». Se alguém não tem parte no que Jesus faz nele, a confissão de sua fé não tem substância. Em vez de aceitar a graça de Deus, eles se opõem, reivindicando-a. Certamente queremos evitar esse erro, e também não devemos cair na ideia equivocada de que nossas obras estão de alguma forma contribuindo para nossa salvação.

por Joseph Tkach


pdfPregamos "graça barata"?