Introspecção na eternidade

378 insight sobre a eternidadeIsso me lembrou de cenas como algo saído de um filme de ficção científica quando ouvi sobre a descoberta de um planeta semelhante à Terra chamado Proxima Centauri. Esta é uma órbita da estrela vermelha fixa Proxima Centauri. No entanto, é improvável que descobramos vida extraterrestre lá (a uma distância de 40 trilhões de quilômetros!). No entanto, as pessoas sempre se perguntarão se existe vida semelhante à humana fora de nossa terra. Para os discípulos de Jesus não havia dúvida - eles foram testemunhas da ascensão de Jesus e, portanto, sabiam com absoluta certeza que a pessoa Jesus em seu novo corpo agora vive em um mundo extraterrestre, que as Sagradas Escrituras chamam de "céu" - um mundo que não tem absolutamente nada em comum com os "mundos celestiais" visíveis que chamamos de universo.

É importante saber que Jesus Cristo, é completamente divino (o eterno Filho de Deus), mas também é e permanece completamente humano (o agora glorificado homem Jesus). Como escreveu CS Lewis: "O milagre central que os cristãos defendem é a Encarnação" - um milagre que durará para sempre. Em sua divindade, Jesus é onipresente, mas em sua existência humana contínua, ele vive fisicamente no céu, onde serve como nosso sumo sacerdote e espera por seu retorno físico e, portanto, visível no planeta terra. Jesus é Deus-Homem e Senhor de toda a criação. Paulo escreve em Romanos 11,36: "Pois dele e por ele e para ele são todas as coisas." João cita Jesus em Apocalipse 1,8, como o “Alfa e o Ômega” que está aí, que esteve aí e que está chegando. Isaías também declara que Jesus é “o exaltado e exaltado” que “habita para sempre” (Isaías 57,15) Jesus Cristo, o Senhor exaltado, santo e eterno, é o executor do plano de seu Pai, que é reconciliar o mundo.

Vamos observar a declaração de João 3,17:
"Porque Deus não enviou seu Filho ao mundo para julgar o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele." Quem afirma que Jesus veio para condenar o mundo, no sentido de condenar ou punir, está simplesmente errado. Aqueles que dividem a humanidade em dois grupos - um predestinado a ser salvo por Deus e outro predestinado a ser condenado - também estão errados. Quando João (talvez citando Jesus) diz que nosso Senhor veio para "salvar o mundo", isso se refere a toda a humanidade e não apenas a um determinado grupo. Vejamos os seguintes versos:

  • "E vimos e testificamos que o Pai enviou o Filho como Salvador do mundo" (1. Johannes 4,14).
  • “Eis que vos trago boas novas de grande alegria, que será para todos” (Lucas 2,10).
  • “Portanto, não é a vontade de seu Pai Celestial que até mesmo um destes pequeninos se perca” (Mateus 18,14).
  • "Porque Deus estava em Cristo e reconciliou consigo o mundo" (2. Corinthians 5,19).
  • "Veja, este é o Cordeiro de Deus que carrega o pecado do mundo!" (Johannes 1,29).

Só posso enfatizar que Jesus é o Senhor e Salvador de todo o mundo e até de toda a sua criação. Isso é esclarecido por Paulo na Carta aos Romanos, capítulo 8, e João ao longo do livro do Apocalipse. O que o Pai criou por meio do Filho e do Espírito Santo não pode ser dividido em pedaços individuais. Agostinho observou: "As obras externas de Deus [a respeito de sua criação] são indivisíveis". O Deus trino que é o Único age como um. Sua vontade é uma vontade e indivisa.

Infelizmente, algumas pessoas ensinam que o sangue derramado de Jesus apenas redime aqueles a quem Deus designou para a salvação. O resto, dizem eles, está destinado a ser condenado por Deus. O núcleo desse entendimento é que o propósito e propósito de Deus são compartilhados em relação à sua criação. No entanto, não há versículo bíblico que ensine essa visão; qualquer afirmação desse tipo é uma interpretação errônea e ignora a chave do todo, que consiste no conhecimento da natureza, caráter e propósito do Deus Triúno revelado a nós em Jesus.

Se fosse verdade que Jesus pretendia salvar e condenar, então teríamos que concluir que Jesus não representou o Pai corretamente e que, portanto, não podemos conhecer a Deus pelo que ele realmente é. Devemos também chegar à conclusão de que há uma desunião inerente na Trindade e que Jesus revelou apenas um "lado" de Deus. O resultado seria que não saberíamos em que "lado" de Deus confiar - devemos confiar no lado que vemos em Jesus ou no lado oculto do Pai e / ou no Espírito Santo? Essas visões excêntricas contradizem o Evangelho de João, onde Jesus proclama claramente que Ele tornou o Pai invisível plena e corretamente conhecido. O Deus revelado por e em Jesus é Aquele que vem para salvar a humanidade, não para condená-la. Em e por meio de Jesus (nosso eterno Advogado e Sumo Sacerdote), Deus nos dá o poder de nos tornarmos Seus filhos eternos. Através de sua graça nossa natureza é mudada e isso nos dá em Cristo a perfeição que nós mesmos nunca poderíamos alcançar. Esta consumação inclui um relacionamento eterno e perfeito e comunhão com o transcendente e santo Deus Criador, que nenhuma criatura pode alcançar por si mesma - nem mesmo Adão e Eva antes da Queda poderiam ter. Pela graça, temos comunhão com o Deus triúno, que está acima do espaço e do tempo, que foi, é e será eterno. Nesta comunidade, nossos corpos e almas são renovados por Deus; recebemos uma nova identidade e um propósito eterno. Em nossa unidade e comunhão com Deus, não somos minimizados, absorvidos ou transformados em algo que não somos. Em vez disso, por meio da participação na humanidade ressuscitada e ascendida pelo Espírito Santo em Cristo, somos conduzidos à plenitude e à mais alta perfeição de nossa própria humanidade com ele.

Vivemos no presente - dentro dos limites do espaço e do tempo. Mas, por meio de nossa união com Cristo por meio do Espírito Santo, penetramos na barreira do espaço-tempo, pois Paulo escreve em Efésios 2,6que já estamos estabelecidos no céu no Deus-homem ressuscitado Jesus Cristo. Durante nossa existência efêmera aqui na terra, estamos presos ao tempo e ao espaço. De uma forma que não podemos entender completamente, também somos cidadãos do Céu por toda a eternidade. Embora vivamos no presente, já participamos da vida, morte, ressurreição e ascensão de Jesus por meio do Espírito Santo. Já estamos conectados com a eternidade.

Porque isso é real para nós, nós proclamamos convincentemente o presente reinado do nosso Deus eterno. Desta posição, aguardamos com expectativa a plenitude vindoura do Reino de Deus, onde viveremos para sempre em união e comunhão com nosso Senhor. Vamos nos alegrar com o plano de Deus para a eternidade.

por Joseph Tkach


pdfIntrospecção na eternidade