Introspecção na eternidade

378 insight sobre a eternidade Isso me lembrou cenas de um filme de ficção científica quando ouvi sobre a descoberta de um planeta semelhante à Terra chamado Proxima Centauri. Está na órbita da estrela fixa vermelha Proxima Centauri. No entanto, é improvável que possamos descobrir vida extraterrestre lá (a uma distância de 40 trilhões de quilômetros!). No entanto, as pessoas sempre se perguntam se existe vida humana fora da nossa terra. Para os discípulos de Jesus isso não era uma pergunta - eles eram testemunhas da ascensão de Jesus e, portanto, sabiam com absoluta certeza que o homem Jesus agora vive em seu novo corpo em um mundo extraterrestre, que as Escrituras chamam de "céu" - um mundo isso não tem absolutamente nada em comum com os visíveis "mundos celestiais" que chamamos de universo.

É importante saber que Jesus Cristo é completamente divino (o Filho Eterno de Deus) é, mas também completamente humano (o agora glorificado homem Jesus) é e permanece. Como CS Lewis escreveu: “O milagre central que os cristãos representam é a Encarnação (Encarnação) »- um milagre que durará para sempre. Jesus é onipresente em sua divindade, mas em sua contínua existência humana, ele vive fisicamente no céu, onde serve como sumo sacerdote e espera por seu retorno físico e, portanto, visível ao planeta Terra. Jesus é Deus-Homem e Senhor de toda a criação. Paulo escreve em Romanos 11,36:1,8: "Dele e através dele e para ele são todas as coisas". João cita Jesus em Apocalipse como o "A e O" que está lá, quem estava lá e quem está chegando. Isaías também declara que Jesus é "o alto e sublime" que "vive para sempre". (vidas) » (Isaías 57,15). Jesus Cristo, o exaltado, santo e eterno Senhor, é quem executa o plano de seu pai, que consiste em reconciliar o mundo.

Observe a declaração em John 3,17:
"Porque Deus não enviou seu filho ao mundo para julgar o mundo, mas para salvar o mundo através dele." Quem afirma que Jesus veio para condenar o mundo no sentido de condenar ou punir está simplesmente errado. Aqueles que dividem a humanidade em dois grupos - um destinado a ser salvo por Deus e outro destinado a ser condenado - também estão errados. Se Johannes (talvez citando Jesus) diz que nosso Senhor veio salvar "o mundo", então se refere a toda a humanidade e não apenas a um grupo específico. Vejamos os seguintes versículos:

  • "E vimos e testemunhamos que o Pai enviou o Filho como o Salvador do Mundo" (1 João 4,14).
  • "Veja, eu anuncio a você uma grande alegria que acontecerá a todas as pessoas" (Lucas 2,10).
  • "Também não é a vontade do seu Pai Celestial que mesmo um desses pequeninos se perca" (Mateus 18,14).
  • «Porque Deus estava em Cristo e reconciliou o mundo consigo mesmo» (2 Coríntios 5,19).
  • "Eis que este é o Cordeiro de Deus, que leva o pecado ao mundo!" (João 1,29).

Só posso enfatizar que Jesus é o Senhor e Salvador de todo o mundo e até de toda a sua criação. Isso é esclarecido por Paulo na Carta aos Romanos, capítulo 8, e João ao longo do livro do Apocalipse. O que o Pai criou por meio do Filho e do Espírito Santo não pode ser dividido em pedaços individuais. Agostinho observou: "As obras externas de Deus [a respeito de sua criação] são indivisíveis". O Deus trino que é o Único age como um. Sua vontade é uma vontade e indivisa.

Infelizmente, algumas pessoas ensinam que o sangue derramado de Jesus apenas redime aqueles a quem Deus designou para a salvação. O resto, dizem eles, está destinado a ser condenado por Deus. O núcleo desse entendimento é que o propósito e propósito de Deus são compartilhados em relação à sua criação. No entanto, não há versículo bíblico que ensine essa visão; qualquer afirmação desse tipo é uma interpretação errônea e ignora a chave do todo, que consiste no conhecimento da natureza, caráter e propósito do Deus Triúno revelado a nós em Jesus.

Se fosse verdade que Jesus pretendia salvar e condenar, teríamos de concluir que Jesus não representou o Pai corretamente e que não podemos conhecer a Deus como Ele realmente é. Também devemos concluir que há uma desunião inerente à Trindade e que Jesus apenas revelou um "lado" de Deus. O resultado seria que não saberíamos em qual "lado" de Deus podemos confiar - devemos confiar no lado que vemos em Jesus ou no lado oculto do Pai e / ou do Espírito Santo? Essas visões peculiares contradizem o evangelho de João, onde Jesus proclama claramente que publicou completa e corretamente o Pai invisível. O Deus que foi revelado por e em Jesus é Aquele que vem para salvar a humanidade, não para condená-la. Em e através de Jesus (nosso eterno advogado e sumo sacerdote), Deus nos dá o poder de nos tornarmos seus filhos eternos. Sua natureza muda a nossa natureza e isso nos dá a realização em Cristo que nós mesmos nunca poderíamos alcançar. Essa conquista envolve um relacionamento eterno e perfeito e comunhão com o Deus Criador transcendente e santo, que nenhuma criatura pode realizar por si mesma - nem mesmo Adão e Eva poderiam ter feito antes da queda. Pela graça, temos comunhão com o Deus trino que está acima do espaço e do tempo, que era, é e será eterno. Nesta comunidade, nossos corpos e almas são renovados por Deus; temos uma nova identidade e um propósito eterno. Em nossa unidade e comunhão com Deus, não somos minimizados, absorvidos ou transformados em algo que não somos. Antes, participando do ser humano ressuscitado e ressuscitado pelo Espírito Santo em Cristo, somos levados à plenitude e à perfeição mais elevada de nosso próprio ser humano com ele.

Nós vivemos no presente - dentro dos limites do espaço e do tempo. Mas através da nossa unidade com Cristo através do Espírito Santo, nós penetramos a barreira espaço-temporal, pois Paulo escreve em Efésios que nós já estamos no ressuscitado Deus-homem Jesus Cristo no céu. Durante nossa existência transitória aqui na terra estamos ligados ao tempo e ao espaço. De certa forma, não podemos entender completamente, somos também cidadãos do céu por toda a eternidade. Embora vivamos no presente, nós já participamos da vida, morte, ressurreição e ascensão de Jesus através do Espírito Santo. Nós já estamos conectados à eternidade.

Porque isso é real para nós, nós proclamamos convincentemente o presente reinado do nosso Deus eterno. Desta posição, aguardamos com expectativa a plenitude vindoura do Reino de Deus, onde viveremos para sempre em união e comunhão com nosso Senhor. Vamos nos alegrar com o plano de Deus para a eternidade.

por Joseph Tkach


pdfIntrospecção na eternidade