Nossa verdadeira identidade

222 é a nossa verdadeira identidadeHoje em dia, é comum que você tenha que fazer um nome para si mesmo a fim de ser significativo e importante para os outros e para você mesmo. Parece que as pessoas estão em uma busca insaciável por identidade e significado. Mas Jesus já disse: “Quem encontra a sua vida, perdê-la-á; e quem perder a vida por minha causa, vai encontrá-la ”(Mateus 10:39). Como igreja, aprendemos com essa verdade. Nós nos chamamos Grace Communion International desde 2009 e este nome se refere à nossa verdadeira identidade, que se baseia em Jesus e não em nós. Vamos dar uma olhada neste nome e descobrir o que está escondido nele.

Graça

Graça é a primeira palavra em nosso nome porque descreve melhor nossa jornada individual e compartilhada para Deus em Jesus Cristo por meio do Espírito Santo. “Em vez disso, cremos que somos salvos pela graça do Senhor Jesus, assim como eles” (Atos 15:11). Somos "justos sem mérito por sua graça, por meio da redenção que veio por meio de Cristo Jesus" (Romanos 3:24). Somente pela graça, Deus nos permite (por meio de Cristo) participar de Sua própria justiça. A Bíblia continuamente ensina que a mensagem de fé é uma mensagem sobre a graça de Deus (ver Atos 14–3; 20–24; 20–32).

A base do relacionamento de Deus com o homem sempre foi graça e verdade. Embora a lei fosse uma expressão desses valores, a própria graça de Deus encontrou expressão plena por meio de Jesus Cristo. Pela graça de Deus somos salvos somente por Jesus Cristo e não pela lei. A lei pela qual todo homem é condenado não é a última palavra de Deus para nós. Sua última palavra para nós é Jesus. Ele é a revelação perfeita e pessoal da graça e da verdade de Deus que ele deu livremente à humanidade.
Nossa condenação sob a lei é justificada e justa. Nós não alcançamos um comportamento legítimo fora de nós mesmos, pois Deus não é um prisioneiro de suas próprias leis e legalidades. Deus em nós age em liberdade divina de acordo com sua vontade.

Sua vontade é definida pela graça e redenção. O apóstolo Paulo escreveu sobre isso: «Não estou jogando fora a graça de Deus; porque, se a justiça vem pela lei, Cristo morreu em vão ”(Gálatas 2:21). Paulo descreve a graça de Deus como a única alternativa que ele não quer jogar fora. Graça não é algo que possa ser pesado, medido e tratado. Graça é a bondade viva de Deus, por meio da qual ele persegue o coração e a mente humana e muda ambos.

Em sua carta à igreja em Roma, Paulo escreve que a única coisa que tentamos alcançar por meio de nossos próprios esforços é o salário do pecado, a própria morte. Mas também há um particularmente bom, porque "o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor" (Romanos 6:24). Jesus é a graça de Deus. Ele é a redenção de Deus, concedida gratuitamente a todas as pessoas.

Comunhão

Comunhão é a segunda palavra em nosso nome, porque temos um relacionamento verdadeiro com o Pai através do Filho em comunhão com o Espírito Santo. Em Cristo, temos verdadeira comunhão com Deus e uns com os outros. James Torrance coloca desta forma: "O Deus Triúno cria comunhão de tal maneira que somos apenas pessoas reais se tivermos encontrado nossa identidade em comunhão com ele e outras pessoas". 

O Pai, o Filho e o Espírito Santo estão em comunhão perfeita e Jesus orou para que seus discípulos compartilhassem dessa relação e a refletissem no mundo (João 14:20; 17:23). O apóstolo João descreve esta comunidade como profundamente enraizada no amor. João descreve este amor profundo como a comunhão eterna com o Pai, Filho e Espírito Santo. O verdadeiro relacionamento significa viver em comunhão com Cristo no amor do Pai por meio do Espírito Santo (1. João 4: 8).

Costuma-se dizer que ser cristão é um relacionamento pessoal com Jesus. A Bíblia usa várias analogias para descrever esse relacionamento. Fala-se da relação do senhor com sua escrava. Derivado disso, segue-se que devemos honrar nosso Senhor, Jesus Cristo, e segui-lo. Jesus prosseguiu, dizendo aos seus seguidores: “Já não digo que sois servos; pois um servo não sabe o que seu senhor está fazendo. Mas eu disse que vocês são amigos; porque tudo o que ouvi de meu Pai vos fiz saber »(João 15:15). Outra imagem fala da relação entre um pai e seus filhos (João 1: 12-13). Até a imagem do noivo e sua noiva, que já pode ser encontrada no Antigo Testamento, é usada por Jesus (Mateus 9:15) e Paulo escreve sobre a relação entre um marido e sua esposa (Efésios 5). Na Carta aos Hebreus diz mesmo que, como cristãos, somos irmãos e irmãs de Jesus (Hebreus 2). Todas essas imagens (escravo, amigo, filho, cônjuge, irmã, irmão) contêm a ideia de uma comunidade pessoal profunda e positiva. Mas tudo isso são apenas fotos. Nosso Deus triúno é a fonte e a verdade deste relacionamento e desta comunidade. É uma comunidade que ele generosamente compartilha conosco em sua bondade.

Jesus orou para que estivéssemos com ele para sempre e nos regozijássemos nessa bondade (João 17:24). Nesta oração, ele nos convidou a viver em comunidade uns com os outros e com o pai. Quando Jesus ascendeu ao céu, ele nos levou, seus amigos, à comunhão com o Pai e o Espírito Santo. Paulo diz que por meio do Espírito Santo existe uma maneira pela qual nos sentamos ao lado de Cristo e estamos na presença do Pai (Efésios 2: 6). Já podemos experimentar essa comunhão com Deus agora, mesmo que a plenitude desse relacionamento só se torne visível quando Cristo retornar e estabelecer seu governo. É por isso que a comunidade é uma parte essencial de nossa comunidade de fé. Nossa identidade, agora e para sempre, está estabelecida em Cristo e na comunhão que Deus compartilha conosco como Pai, Filho e Espírito Santo.

Internacional (Internacional)

Internacional é a terceira palavra em nosso nome porque nossa igreja é uma comunidade muito internacional. Alcançamos pessoas em diferentes fronteiras culturais, lingüísticas e nacionais - alcançamos pessoas em todo o mundo. Apesar de sermos estatisticamente uma pequena comunidade, existem comunidades em todos os estados americanos, assim como no Canadá, México, Caribe, América do Sul, Europa, Ásia, Austrália, África e Ilhas do Pacífico. Temos mais de 50.000 membros em mais de 70 países que encontraram casas em mais de 900 comunidades.

Deus nos uniu nesta comunidade internacional. É uma bênção que somos grandes o suficiente para trabalhar juntos e, ainda assim, pequenos o suficiente para ser pessoalmente pessoais. Em nossa comunidade, as amizades estão constantemente sendo construídas através das fronteiras nacionais e culturais que hoje em dia freqüentemente dividem, constroem e nutrem nosso mundo. Isso é certamente um sinal da graça de Deus!

Como igreja, é importante para nós viver e transmitir o evangelho que Deus colocou em nossos corações. Até mesmo experimentar a riqueza da graça e do amor de Deus nos motiva a passar as boas novas para outras pessoas. Queremos que outras pessoas entrem em um relacionamento com Jesus Cristo e compartilhem dessa alegria. Não podemos manter o evangelho em segredo porque queremos que todos no mundo experimentem a graça de Deus e se tornem parte da comunidade trina. Essa é a mensagem que Deus nos deu para compartilhar com o mundo.

por Joseph Tkach