Graça de Deus

Graça 276

A graça de Deus é o favor imerecido que Deus deseja dar a toda a criação. No sentido mais amplo, a graça de Deus é expressa em cada ato de autorrevelação divina. Graças à graça o homem e todo o cosmos são redimidos do pecado e da morte por meio de Jesus Cristo, e graças à graça o homem ganha o poder de conhecer e amar a Deus e a Jesus Cristo e entrar na alegria da salvação eterna no Reino de Deus. (Colossenses 1,20; 1. Johannes 2,1-2; Romanos 8,19-21; 3,24; 5,2.15-17.21; João 1,12; Efésios 2,8-9; Titus 3,7)

graça

"Porque, se a justiça vem por meio da lei, Cristo morreu em vão", escreveu Paulo em Gálatas. 2,21. A única alternativa, diz ele no mesmo versículo, é "a graça de Deus". Somos salvos pela graça, não por guardar a lei.

Essas são alternativas que não podem ser combinadas. Não somos salvos pela graça mais obras, mas somente pela graça. Paulo deixa claro que devemos escolher um ou outro. Escolher ambos não é uma opção (Romanos 11,6) «Pois, se a herança fosse adquirida por lei, não seria dada por promessa; Mas Deus deu a Abraão gratuitamente por promessa (Gálatas 3,18) A salvação não depende da lei, mas da graça de Deus.

“Pois somente se fosse dada uma lei que pudesse dar vida, a justiça realmente viria da lei” (v. 21). Se houvesse alguma maneira de obter a vida eterna guardando os mandamentos, então Deus nos teria salvado pela lei. Mas isso não foi possível. A lei não pode salvar ninguém.

Deus quer que tenhamos boas maneiras. Ele quer que amemos os outros e, assim, cumpramos a lei. Mas ele não quer que pensemos que nossas obras são sempre a causa de nossa salvação. Sua provisão de graça implica que ele sempre soube que nunca seríamos "bons o suficiente", apesar de nossos melhores esforços. Se nossas obras contribuem para a salvação, então temos algo de que nos orgulhar. Mas Deus projetou Seu plano de salvação para que não pudéssemos reivindicar nenhum mérito para nossa salvação (Efésios 2,8-9). Nunca podemos afirmar que merecemos nada. Nunca podemos afirmar que Deus nos deve algo.

Isso toca o núcleo da fé cristã e torna o cristianismo único. Outras religiões afirmam que as pessoas podem ser boas o suficiente se se esforçarem o suficiente. O cristianismo diz que simplesmente não podemos ser bons o suficiente. Nós precisamos de graça.

Sozinhos, nunca seremos bons o suficiente, então outras religiões nunca serão boas o suficiente. A única maneira de ser salvo é pela graça de Deus. Nós nunca podemos merecer viver para sempre, então a única maneira de conseguirmos a vida eterna é por Deus nos dar algo que não merecemos. É o que Paulo quer quando usa a palavra graça. A salvação é um presente de Deus, algo que nunca poderíamos ganhar - nem mesmo guardando os mandamentos por milênios.

Jesus e graça

"Porque a lei foi dada por Moisés", escreve João, e continua: "A graça e a verdade vieram por Jesus Cristo" (João 1,17) João viu um contraste entre a lei e a graça, entre o que fazemos e o que nos é dado.

No entanto, Jesus não usou a palavra graça. Mas toda a sua vida foi um exemplo de graça, e suas parábolas ilustram a graça. Ele às vezes usava a palavra misericórdia para descrever o que Deus nos dá. "Bem-aventurados os misericordiosos", disse ele, "porque eles receberão misericórdia" (Mateus 5,7) Com esta declaração, ele indicou que todos nós precisamos de misericórdia. E ele mencionou que devemos ser como Deus a esse respeito. Se valorizarmos a graça, também mostraremos graça a outras pessoas.

Mais tarde, quando perguntaram a Jesus por que ele se associava a pecadores notórios, ele disse ao povo: "Mas vão e aprendam o que significa: tenho prazer na misericórdia e não no sacrifício" (Mateus 9,13, uma citação de Oséias 6,6) Deus se importa mais que mostremos misericórdia do que sejamos perfeccionistas em guardar os mandamentos.

Nós não queremos que as pessoas pecem. Mas, uma vez que as transgressões são inevitáveis, a misericórdia é absolutamente necessária. Isso se aplica aos nossos relacionamentos uns com os outros e nosso relacionamento com Deus. Deus quer que reconheçamos nossa necessidade de misericórdia, assim como mostrar misericórdia a outras pessoas. Jesus deu um exemplo disso quando ele comeu com coletores de impostos e conversou com pecadores - por seu comportamento, ele mostrou que Deus quer comungar com todos nós. Ele assumiu todos os nossos pecados e nos perdoou por ter esta comunhão.

Jesus contou uma parábola de dois devedores, um devia uma quantia enorme e o outro uma quantia muito menor. O senhor perdoou o servo que lhe devia muito, mas aquele servo não perdoou o conservo que lhe devia menos. O mestre ficou zangado e disse: "Você não deveria ter tido pena do seu conservo como eu tive pena de você?" (Mateus 18,33).

A lição desta parábola: Cada um de nós deve se ver como o primeiro servo a quem uma enorme soma foi perdoada. Nós todos não cumprimos os requisitos da lei por um longo caminho, então Deus mostra misericórdia para nós - e ele quer que mostremos misericórdia também. É claro que, tanto na área da misericórdia como na lei, nossas ações ficam aquém das expectativas, por isso devemos continuar a confiar na misericórdia de Deus.

A parábola do bom samaritano termina com um chamado à misericórdia (Lucas 10,37) O coletor de impostos que implorou por misericórdia foi aquele que foi justificado diante de Deus8,13-14). O filho pródigo, que desperdiçou sua fortuna e depois voltou para casa, foi aceito sem fazer nada para "ganhá-la" (Lucas 1 Cor.5,20) Nem a viúva de Naim nem seu filho fizeram nada para merecer a ressurreição; Jesus fez isso simplesmente por compaixão (Lucas 7,11-15).

A graça de nosso Senhor Jesus Cristo

Os milagres de Jesus serviram para saciar as necessidades temporárias. As pessoas que comeram pães e peixes ficaram famintas novamente. O filho que foi criado acabou morrendo. Mas a graça de Jesus Cristo será dada a todos nós através do mais alto ato da graça divina: Sua morte sacrificial na cruz. Deste modo, o próprio Jesus se entregou por nós - com consequências eternas, e não meramente temporárias.

Como disse Pedro: "Antes, cremos que pela graça do Senhor Jesus somos salvos" (Atos 15,11) O evangelho é uma mensagem da graça de Deus (Atos 14,3, 20,24. 32). Nós nos tornamos pela graça "pela redenção que veio por meio de Jesus Cristo" (Romanos 3,24) justificado. A graça de Deus está associada ao sacrifício de Jesus na cruz. Jesus morreu por nós, pelos nossos pecados, e nós somos salvos por causa do que ele fez na cruz (v. 25). Temos salvação pelo seu sangue (Efésios 1,7).

Mas a graça de Deus vai além do perdão. Lucas nos diz que a graça de Deus estava com os discípulos enquanto pregavam o evangelho (Atos 4,33) Deus mostrou-lhes favor dando-lhes a ajuda que não mereciam. Mas os pais humanos não fazem o mesmo? Não só damos nossos filhos quando eles não fizeram nada para merecer, mas também damos presentes que eles não mereciam. Isso faz parte do amor e reflete a natureza de Deus. Graça é generosidade.

Quando os paroquianos em Antioquia enviaram Paulo e Barnabé em uma viagem missionária, eles ordenaram que fossem pela graça de Deus4,26, 15,40) Em outras palavras, eles os confiaram aos cuidados de Deus, confiando que Deus proveria para os viajantes e lhes daria o que precisassem. Isso faz parte de sua graça.

Os dons espirituais também são uma obra da graça. “Temos diferentes dons”, escreve Paulo, “segundo a graça que nos foi dada” (Romanos 12,6) "Mas a graça é dada a cada um de nós segundo a medida do dom de Cristo" (Efésios 4,7) «E servi-vos uns aos outros, cada um com o dom que recebeu, como bom despenseiro das várias graças de Deus» (1. Petrus 4,10).

Paulo agradeceu a Deus pelos dons espirituais com que abundantemente dotou os crentes (1. Corinthians 1,4-5). Ele estava confiante de que a graça de Deus seria abundante entre eles, capacitando-os a aumentar ainda mais em qualquer boa obra (2. Corinthians 9,8).

Todo bom presente é um presente de Deus, resultado da graça, em vez de algo que merecemos. Portanto, devemos ser gratos pelas bênçãos mais simples, pelo canto dos pássaros, pelo cheiro das flores e pelo riso das crianças. Até a vida é um luxo em si, não uma necessidade.

O ministério de Paulo foi dado a ele pela graça (Romanos 1,5, 15,15; 1. Corinthians 3,10; Gálatas 2,9; Efésios 3,7) Tudo o que ele fez, ele queria fazer de acordo com a graça de Deus (2. Corinthians 1,12) Sua força e habilidades foram um presente da graça (2. Corinthians 12,9) Se Deus pôde salvar e usar o pior de todos os pecadores (é assim que Paulo se descreveu), ele certamente pode perdoar a cada um de nós e nos usar. Nada pode nos separar de seu amor, de seu desejo de nos dar presentes.

Nossa resposta para graça

Como devemos responder à graça de Deus? Com graça, é claro. Devemos ser misericordiosos, assim como Deus é cheio de misericórdia (Lucas 6,36) Devemos perdoar os outros assim como fomos perdoados. Devemos servir aos outros assim como fomos servidos. Devemos ser gentis com os outros, mostrando-lhes benevolência e bondade.

Que nossas palavras sejam cheias de graça (Colossenses 4,6) Devemos ser bondosos e graciosos, perdoando e dando no casamento, nos negócios, no trabalho, na igreja, para amigos, família e estranhos.

Paulo também se referiu à generosidade financeira como uma obra da graça: “Mas nós vos fazemos conhecer, queridos irmãos, a graça de Deus que é concedida às igrejas da Macedônia. Pois a alegria deles foi exuberante quando foram provados e testados por meio de muitas aflições e, embora sejam muito pobres, deram abundantemente com toda a simplicidade. Pois, com o melhor de sua capacidade, eu testifico, e ainda mais do que sua força eles voluntariamente deram »(2. Corinthians 8,1-3). Eles receberam muito e estavam prontos para dar muito depois.

Dar é um ato de graça (v. 6) e de generosidade - seja em termos financeiros, de tempo, de respeito ou de outra forma - e é uma forma adequada para respondermos à graça de Jesus Cristo que se entregou por si mesmo nos deu que nós pode ser abençoado abundantemente (v. 9).

por Joseph Tkach


pdfGraça de Deus