O Sábado Cristão

120 O Sábado Cristão

O sábado cristão é a vida em Jesus Cristo, na qual todo crente encontra verdadeiro descanso. O sábado do sétimo dia semanal ordenado a Israel nos Dez Mandamentos era uma sombra apontando para a verdadeira realidade de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo como um sinal da verdadeira realidade. (Hebreus 4,3.8-10; Mateus 11,28-30; 2. Moisés 20,8: 11; Colossenses 2,16-17)

Celebre a salvação em Cristo

Adoração é nossa resposta aos atos graciosos que Deus fez por nós. Para o povo de Israel, o Êxodo, a experiência de sair do Egito, estava no centro da adoração - o que Deus havia feito por eles. Para os cristãos, o evangelho é o foco da adoração - que Deus fez por todos os crentes. No culto cristão celebramos e compartilhamos a vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo para a salvação e redenção de todos os seres humanos.

A forma de adoração dada a Israel era especificamente para eles. Deus havia dado aos israelitas um padrão de adoração através de Moisés, que permitiu ao povo de Israel celebrar e agradecer a Deus por tudo o que Deus havia feito por eles quando os levou para fora do Egito e os trouxe para a Terra Prometida.

A adoração cristã não requer preceitos baseados na experiência de Israel no Antigo Testamento com Deus, mas sim responde ao evangelho. Analogamente, podemos dizer que o "vinho novo" do Evangelho deve ser vertido em "odres novos" (Mateus 9,17) A "velha mangueira" da antiga aliança não foi projetada para receber o vinho novo do evangelho (Hebreus 12,18-24).

Novos formulários

O serviço israelita foi destinado a Israel. Ele durou até a vinda de Cristo. Desde então, o povo de Deus expressou sua adoração em uma nova forma, respondendo ao novo conteúdo - o Novo transcendente que Deus fez em Jesus Cristo. O culto cristão é focado na repetição e participação no corpo e sangue de Jesus Cristo. Os componentes mais importantes são:

  • Celebração da Ceia do Senhor, também chamada Eucaristia (ou Ação de Graças) e Comunhão, conforme nos foi ordenado por Cristo.
  • Escritura: Nós revisamos e olhamos os relatos do amor de Deus e Suas promessas, especialmente a promessa do Redentor Jesus Cristo, que nos alimenta da Palavra de Deus.
  • Orações e cânticos: Com fé, fazemos nossas orações a Deus, humildemente nos arrependemos de nossos pecados, honramos e louvamos a Ele em adoração jubilosa e grata.

Direcionado para o conteúdo

O culto cristão é principalmente focado em conteúdo e significado e não em critérios formais ou temporais. Portanto, a adoração cristã não está vinculada a um dia específico da semana ou estação. Os cristãos não precisam ter um dia ou estação específicos. Mas os cristãos podem escolher temporadas especiais para celebrar etapas importantes da vida e obra de Jesus.

Da mesma forma, “reserve” os cristãos um dia por semana para sua adoração em comum: eles se reúnem como corpo de Cristo para honrar a Deus. A maioria dos cristãos escolhe o domingo para o culto, outros escolhem o sábado e outros se reúnem em outros momentos - por exemplo, na quarta-feira à noite.

Típico dos ensinamentos adventistas do sétimo dia é a visão de que os cristãos cometem um pecado escolhendo o domingo como um dia de reunião regular para a adoração deles. Mas não há suporte para isso na Bíblia.

Eventos importantes ocorreram no domingo. Pode surpreender muitos adventistas do sétimo dia, mas os Evangelhos relatam expressamente eventos importantes que ocorreram no domingo. Vamos entrar em mais detalhes sobre isso: os cristãos não são obrigados a comparecer ao seu serviço no domingo, mas não há razão para não escolher o domingo para a reunião de adoração.

O Evangelho de João relata que os discípulos de Jesus se encontraram no primeiro domingo depois que Jesus foi crucificado e que Jesus apareceu a eles (João 20,1: 2). Todos os quatro Evangelhos relatam consistentemente que a ressurreição de Jesus dentre os mortos foi descoberta na manhã de domingo8,1; Mark 16,2; Lucas 24,1; João 20,1).

Todos os quatro evangelistas consideraram importante mencionar que esses eventos ocorreram em um determinado momento, ou seja, no domingo. Eles poderiam ter esquecido de tal detalhe, mas não o fizeram. Os Evangelhos indicam que Jesus se revelou como o Messias ressuscitado no domingo - primeiro pela manhã, depois ao meio-dia e pela última vez à noite. Os evangelistas, em vista destas aparições dominicais do Jesus ressuscitado, não estavam de modo algum perturbados ou amedrontados; eles queriam deixar claro que tudo isso aconteceu no [primeiro] dia da semana.

O caminho para Emaús

Quem ainda duvida em que dia a ressurreição aconteceu, deve ler o relato inconfundível dos dois "discípulos de Emaús" no Evangelho de Lucas. Jesus havia predito que "no terceiro dia" ele ressuscitaria dos mortos (Lucas 9,22, 18,33, 24,7).

Lucas relata claramente que aquele domingo - o dia em que as mulheres descobriram o túmulo vazio de Jesus - foi na verdade "o terceiro dia". Ele aponta especificamente que as mulheres testemunharam a ressurreição de Jesus na manhã de domingo4,1-6) que os discípulos "no mesmo dia" (Lucas 24,13) foi para Emaús e que era "o terceiro dia" (Lucas 24,21) foi o dia em que Jesus disse que ressuscitaria dos mortos (Lucas 24,7).

Vamos recordar alguns fatos importantes que os evangelistas nos dizem sobre o primeiro domingo após a crucificação de Jesus:

  • Jesus ressuscitou dos mortos (Lucas 24,1-8. 1.3.
  • Jesus foi reconhecido quando "partiu o pão" (Lucas 24,30-31. 34-35).
  • Os discípulos se encontraram e Jesus veio até eles (Lucas 24,15. 36; João 20,1. 19). João relata que os discípulos também se encontraram no segundo domingo após a crucificação e que Jesus novamente "pisou entre eles" (João 20,26).

Na igreja primitiva

Como Lucas relata em Atos 20,7, Paulo pregou aos paroquianos em Trôade que se reuniram no domingo para "partir o pão". no 1. Corinthians 16,2 Paulo exigiu a igreja em Corinto, bem como as igrejas na Galácia (16,1) para fazer uma doação todos os domingos para a comunidade faminta de Jerusalém.

Paulo não diz que a igreja deve se reunir no domingo. Mas seu pedido sugere que as reuniões de domingo não eram incomuns. Como motivo da doação semanal, ele cita "para que a arrecadação não aconteça só quando eu for" (1. Corinthians 16,2) Se os paroquianos não tivessem feito sua doação em uma reunião todas as semanas, mas colocado o dinheiro de lado em casa, uma coleta ainda teria sido exigida quando o apóstolo Paulo chegasse.

Essas passagens são lidas com tanta naturalidade que percebemos que não era incomum que os cristãos se reunissem no domingo, e também não era incomum que "partissem o pão" juntos em suas reuniões dominicais (uma frase que Paulo usou com o Ceia conecta; veja 1. Corinthians 10,16-17).

Assim, vemos que os inspirados evangelistas do Novo Testamento querem deliberadamente que saibamos que Jesus ressuscitou no domingo. Eles também não tinham escrúpulos se pelo menos alguns dos fiéis se reuniam no domingo para partir o pão. Os cristãos não foram explicitamente orientados a se unirem para um culto dominical, mas, como esses exemplos mostram, não há razão para ser escrupulosos quanto a isso.

Possíveis armadilhas

Como dito acima, há até boas razões para os cristãos se reunirem no domingo como o Corpo de Cristo para celebrar sua comunhão com Deus. Portanto, os cristãos têm que escolher o domingo como o dia da assembléia? Não. A fé cristã não se baseia em certos dias, mas na crença em Deus e seu filho Jesus Cristo.

Seria errado apenas substituir um grupo de feriados prescritos por outro. A fé cristã e a adoração não são sobre os dias prescritos, mas sobre reconhecer e amar a Deus nosso Pai e nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Quando decidimos em que dia queremos nos encontrar com outros crentes para adoração, devemos tomar nossa decisão pela razão certa. O chamado de Jesus “Toma, come; esse é o meu corpo "e" beba tudo "não está vinculado a um dia específico. Não obstante, tem sido uma tradição para os cristãos gentios, desde o início da igreja primitiva, reunir-se no domingo na comunhão de Cristo, porque domingo era o dia em que Jesus se revelou ressuscitado dentre os mortos.

O mandamento do sábado e com ele toda a lei mosaica terminou com a morte e ressurreição de Jesus. Apegar-se a ela ou tentar reaplicá-la na forma de um sábado de domingo significa enfraquecer a revelação de Deus sobre Jesus Cristo, que é o cumprimento de todas as suas promessas.

A idéia de que Deus exige que os cristãos observem o sábado, ou os obrigue a obedecer à lei de Moisés, significa que nós cristãos não experimentamos plenamente a alegria que Deus quer que transmitamos em Cristo. Deus quer que confiemos em Sua obra redentora e encontremos nEle somente nosso descanso e conforto. Nossa salvação e nossas vidas estão à sua mercê.

Confusão

Ocasionalmente, recebemos uma carta na qual o escritor expressa seu descontentamento ao questionarmos a opinião de que o sábado semanal é o dia santo de Deus para os cristãos. Eles declaram que, não importa o que alguém lhes diga, eles obedecerão a "Deus mais que as pessoas".

O esforço para fazer o que alguém considera a vontade de Deus deve ser reconhecido; O que é mais enganador é o que Deus realmente precisa de nós. A convicção fortemente representados de sabatistas, obediência a Deus significa a santificação do sábado semanal, mostra claramente a confusão e erros causou o ponto de vista de observadores do sábado sob cristãos impensadas.

Por um lado, os ensinamentos sabatistas proclamam um entendimento não-bíblico do que significa obedecer a Deus e, por outro lado, tornam esse entendimento de obediência um critério para decidir a validade da fidelidade cristã. O resultado é que uma mentalidade de confronto - "nós contra os outros" - se desenvolveu, um entendimento de Deus que causa divisões no corpo de Cristo, porque se pensa que é preciso obedecer a um mandamento que, segundo os ensinamentos do Novo Testamento, é inválido.

A observância fiel do sábado semanal não é uma questão de obediência a Deus porque Deus não exige que os cristãos guardem o sábado semanal. Deus nos diz para amá-lo, e nosso amor por Deus não é determinado pela observância do sábado semanal. É determinado por nossa fé em Jesus Cristo e nosso amor por nossos semelhantes (1. Johannes 3,21-24; 4,19-21). Existe, diz a Bíblia, uma nova aliança e uma nova lei (Hebreus 7,12; 8,13; 9,15).

É errado que os professores cristãos usem o sábado semanal como um critério para a validade da fé cristã. A doutrina de que o mandamento do sábado é obrigatório para os cristãos sobrecarrega a consciência cristã com leis destrutivas, obscurece a verdade e o poder do evangelho e causa divisões no corpo de Cristo.

Calma divina

A Bíblia diz que Deus espera que as pessoas creiam e amem o evangelho (João 6,40; 1. Johannes 3,21-24; 4,21; 5,2) A maior alegria que as pessoas podem experimentar é que conhecem e amam o seu Senhor (João 17,3), e esse amor não é definido ou promovido pela observação de um dia específico da semana.

A vida cristã é uma vida de segurança na alegria do Salvador, de descanso divino, uma vida em que cada parte da vida é dedicada a Deus e cada atividade é um ato de entrega. Estabelecer a observação do sábado como um elemento definidor do "verdadeiro" Cristianismo faz com que alguém perca muito da alegria e do poder da verdade de que Cristo veio e que Deus nele é um com todos os que acreditam nas boas novas da nova aliança (Mateus 26,28; hebraico
9,15), criado (Romanos 1,16; 1. Johannes 5,1).

O sábado semanal era uma sombra - uma pista - da realidade por vir (Colossenses 2,16-17). Manter essa dica como sempre necessária significa negar a verdade de que essa realidade já está presente e disponível. A pessoa priva-se da capacidade de experimentar alegria indivisa sobre o que é realmente importante.

É como seguir seu anúncio de noivado e aproveitá-lo depois que o casamento já aconteceu há muito tempo. Em vez disso, é hora de voltar a atenção prioritária para o parceiro e deixar o noivado como uma lembrança agradável no fundo.

Lugar e hora não são mais o foco da adoração para o povo de Deus. A verdadeira adoração, disse Jesus, é em espírito e em verdade (João 4,21-26). O coração pertence ao espírito. Jesus é a verdade.

Quando perguntaram a Jesus: “O que devemos fazer para realizar as obras de Deus?” Ele respondeu: “É a obra de Deus que vocês creiam naquele que ele enviou” (João 6,28-29). É por isso que a adoração cristã é principalmente sobre Jesus Cristo - sobre sua identidade como o Filho eterno de Deus e sobre sua obra como Senhor, Salvador e Mestre.

Deus mais agradável?

Aqueles que crêem que a observância do mandamento do sábado é o critério que determina nossa redenção ou condenação no Juízo Final, não compreende tanto o pecado como a graça de Deus. Se os santos do sábado são as únicas pessoas a serem salvas, então o sábado é a medida pela qual é julgado, não o Filho de Deus, que morreu e ressuscitou dos mortos para nossa salvação.

Os sabatistas pensam que Deus está mais satisfeito com aquele que santifica o sábado do que com aquele que não o santifica. Mas esse argumento não vem da Bíblia. A Bíblia ensina que o mandamento do sábado, bem como toda a lei de Moisés em Jesus Cristo, foi elevada e elevada a um nível mais elevado.

Portanto, se guardarmos o sábado, isso não significa um "maior prazer" para Deus. O sábado não foi dado aos cristãos. O elemento destrutivo da teologia sabatiana é a insistência de que os sabatistas são os únicos cristãos verdadeiros e crentes, o que significa que o sangue de Jesus não é suficiente para a salvação dos homens, a menos que o dia do sábado seja adicionado.

A Bíblia contradiz essa doutrina errônea em muitas passagens significativas do texto: Somos redimidos pela graça de Deus, somente pela fé no sangue de Cristo e sem obras de qualquer tipo (Efésios 2,8-10; Romanos 3,21-22; 4,4-8; 2. Timóteo 1,9; Titus 3,4-8º). Essas declarações claras de que somente Cristo, e não a lei, é decisivo para nossa salvação, estão claramente em desacordo com a doutrina do sábado de que as pessoas que não guardam o sábado não podem experimentar a salvação.

Deus queria?

O sabatista médio é da opinião de que ele é mais piedoso do que alguém que não guarda o sábado. Vejamos as seguintes declarações de publicações anteriores da WKG:

"Mas apenas aqueles que continuam a obedecer à ordem de Deus de guardar o sábado entrarão no glorioso 'descanso' do reino de Deus e receberão o dom da vida espiritual eterna" (Curso Bíblico por Correspondência do Ambassador College, Lição 27 de 58, 1964, 1967).

"Aqueles que não guardam o sábado não levarão a 'marca' do sábado divino, com o qual o povo de Deus está marcado e, conseqüentemente, NÃO SERÃO NASCIDOS DE DEUS quando Cristo voltar!" (ibid, 12).

Como essas citações indicam, o sábado não era considerado apenas como dado por Deus, mas também acreditava que ninguém seria salvo sem a santificação do sábado.

A seguinte citação da literatura adventista do sétimo dia:
“No contexto dessa disputa escatológica, a celebração do serviço no domingo acaba se tornando uma característica distintiva, aqui o símbolo da besta. Satanás fez do domingo um símbolo de seu poder, enquanto o sábado será o grande teste de lealdade a Deus. Esta controvérsia dividirá o Cristianismo em dois campos e determinará o conflito do fim dos tempos para o povo de Deus »(Don Neufeld, Enciclopédia Adventista do Sétimo Dia, 2. Revisão, Volume 3). A citação ilustra a crença adventista do sétimo dia de que guardar o sábado é o critério para decidir quem realmente acredita em Deus e quem não, um conceito que decorre de um mal-entendido fundamental dos ensinamentos de Jesus e dos apóstolos, um conceito que promove uma atitude de superioridade espiritual.

resumo

A teologia sabatista está em desacordo com a graça de Deus em Jesus Cristo e com a mensagem clara da Bíblia. A Lei de Moisés, incluindo o mandamento do sábado, era para o povo de Israel e não para a igreja cristã. Embora os cristãos devam sentir-se livres para adorar a Deus todos os dias da semana, não devemos cometer o erro de acreditar que existe qualquer razão bíblica para preferir o sábado como dia de reunião para qualquer outro dia.

Podemos resumir tudo isso da seguinte maneira:

  • É contrário ao ensino bíblico que o sábado no sétimo dia é obrigatório para os cristãos.
  • É contrário ao ensino bíblico dizer que Deus tem maior prazer nas pessoas que santificam o sábado do que naquelas que não o fazem, seja no sábado do sétimo dia ou no domingo.
  • É contrário ao ensino bíblico afirmar que um dia dado, como um dia de assembléia, é mais sagrado para a igreja ou mais piedoso que o outro.
  • Há um evento central do evangelho que aconteceu em um domingo, e é a base para a tradição cristã de se reunir para a adoração naquele dia.
  • A ressurreição de Jesus Cristo, o Filho de Deus, que veio como um de nós para nos redimir, é o fundamento da nossa fé. Portanto, o culto dominical é um reflexo da nossa fé no evangelho. No entanto, a adoração comunitária no domingo não é necessária, nem a adoração no domingo torna os cristãos mais santos ou mais amados por Deus do que a congregação em qualquer outro dia da semana.
  • A doutrina de que o sábado é obrigatório para os cristãos, portanto, causa danos espirituais, porque tais ensinamentos são contrários às Escrituras e põem em perigo a unidade e o amor no corpo de Cristo.
  • É espiritualmente prejudicial crer e ensinar que os cristãos devem se reunir no sábado ou no domingo, porque tal doutrina estabelece o dia do culto como um obstáculo legal que deve ser ignorado para ser redimido.

Um último pensamento

Como seguidores de Jesus, devemos aprender a não nos condenar nas decisões que tomamos em harmonia com a nossa consciência diante de Deus. E temos que ser honestos conosco mesmos sobre as razões por trás de nossas decisões. O Senhor Jesus Cristo trouxe os crentes para sua paz divina, em paz com ele na plena graça de Deus. Que todos nós, como Jesus ordenou, cresça em amor uns pelos outros.

Mike Feazell


pdfO Sábado Cristão