O cristão

109 o cristo

Os cristãos são todos que confiam em Cristo. Com a renovação pelo Espírito Santo, o cristão renasce e, pela graça de Deus através da adoção, é colocado em um relacionamento correto com Deus e seus semelhantes. A vida de um cristão é caracterizada pelo fruto do Espírito Santo. (Romanos 10,9-13; Gálatas 2,20; João 3,5-7; Marcos 8,34; João 1,12-13; 3,16-17; Romanos 5,1; 8,9; João 13,35, 5,22; Gálatas 23)

O que significa ser um filho de Deus?

Os discípulos de Jesus ocasionalmente podem ser bastante auto-suficientes. Uma vez perguntaram a Jesus: "Quem é o maior no reino dos céus?" (Mateus 18,1). Em outras palavras: que qualidades pessoais Deus deseja ver entre seu povo, que exemplos ele acha melhor?

Boa pergunta Jesus os levou a esclarecer um ponto importante: "Se você não se virar e se tornar como crianças, você não virá ao reino dos céus" (V. 3).

Os discípulos devem ter ficado surpresos, se não confusos. Talvez eles pensassem em alguém como Elias, que convocou fogo do céu para consumir alguns inimigos, ou um fanático como Pinhas, que matou pessoas que comprometeram a Lei de Moisés. (Êxodo 4: 25,7-8). Não foram os maiores da história do povo de Deus?

Mas sua ideia de tamanho estava centrada em valores errados. Jesus mostra-lhes que Deus não quer ver em seu povo exibições ou ações ousadas, mas sim características que são mais prováveis ​​de serem encontradas em crianças. É claro que, se você não se tornar criança, não entrará no Reich!

De que maneira devemos ser como crianças? Devemos ser imaturos, infantis, ignorantes? Não, deveríamos ter deixado caminhos infantis há muito tempo (1 Coríntios 13,11). Deveríamos ter removido algumas das características da criança, mantendo outras.

Uma das qualidades de que precisamos é a humildade, como Jesus diz em Mateus 18: 4: "Quem se humilha como esta criança é o maior no reino dos céus". De acordo com a idéia de Deus, uma pessoa humilde é a maior - seu exemplo é o melhor aos olhos de Deus que ele quer ver em seu povo.

Por um bom motivo; a humildade é uma qualidade de Deus. Deus está pronto para desistir de seus privilégios para nossa salvação. O que Jesus fez quando se tornou carne não foi uma anomalia da natureza de Deus, mas uma revelação do permanente e real ser de Deus. Deus quer que nos tornemos como Cristo, também dispostos a abrir mão de privilégios para servir aos outros.

Algumas crianças são humildes, outras não. Jesus usou uma certa criança para enfatizar um ponto: devemos nos comportar de uma maneira como as crianças - especialmente em nosso relacionamento com Deus.

Jesus também disse que, quando criança, você deveria ser caloroso com outras crianças (V. 5), com a qual ele certamente pensava em crianças literais e crianças no sentido figurado. Como adultos, devemos tratar os jovens com cortesia e respeito. Devemos também educadamente e respeitosamente receber novos crentes que ainda são imaturos em seu relacionamento com Deus e em seu entendimento do ensino cristão. Nossa humildade se estende não apenas ao nosso relacionamento com Deus, mas também ao de outras pessoas.

Abba, pai

Jesus sabia que tinha um relacionamento único com Deus. Só ele conhecia o pai o suficiente para poder revelá-lo aos outros. (Mateus 11,27). Jesus se dirigiu a Deus com o aramaico Abba, uma expressão terna que crianças e adultos usavam para seus pais. Corresponde aproximadamente à nossa palavra moderna "papai". Em oração, Jesus conversou com seu pai, pediu ajuda e agradeceu por seus dons. Jesus nos ensina que não precisamos lisonjear para obter uma audiência com o rei. Ele é nosso pai. Podemos falar com ele porque ele é nosso pai. Ele nos deu esse privilégio. Para que possamos ter certeza de que ele nos ouvirá.

Embora não sejamos filhos de Deus da mesma maneira que Jesus é filho, Jesus ensinou seus discípulos a orar a Deus como papai. Muitos anos depois, Paulo considerou que a igreja em Roma, a mais de mil milhas das áreas de língua aramaica, pode invocar Deus com a palavra aramaica Abba (Romanos 8,15).

Não é necessário usar a palavra Abba nas orações de hoje. Mas o uso generalizado da palavra na igreja primitiva mostra que ela impressionou muito os discípulos. Eles tinham recebido um relacionamento particularmente próximo com Deus, um relacionamento que lhes garantia acesso a Deus por meio de Jesus Cristo.

A palavra Abba era algo especial. Outros judeus não oraram assim. Mas os discípulos de Jesus fizeram isso. Eles conheciam a Deus como pai deles. Eles eram filhos do rei, não apenas membros de uma nação escolhida.

Renascimento e adoção

O uso de várias metáforas serviu aos apóstolos para expressar a nova comunidade que os crentes tinham com Deus. O termo salvação transmitia a ideia de que nos tornaríamos propriedade de Deus. Fomos redimidos do mercado de escravos do pecado a um preço tremendo - a morte de Jesus Cristo. O “prêmio” não foi dado a nenhuma pessoa em particular, mas transmite o pensamento de que nossa salvação foi cara.

O termo reconciliação enfatizava o fato de que uma vez fomos inimigos de Deus e que agora a amizade através de Jesus Cristo foi restaurada. Sua morte permitiu o pagamento dos pecados de Deus que nos separaram de nossos pecados. Deus fez isso por nós porque não poderíamos fazê-lo por nós mesmos.

Então a Bíblia nos dá muitas analogias. Mas o fato de usar analogias diferentes nos leva à conclusão de que nenhuma delas sozinha pode nos dar o quadro completo. Isto é especialmente verdadeiro para duas analogias que de outra forma contradizem uns aos outros: o primeiro mostra que temos sido nascidos de cima [novamente] como filhos de Deus, e os outros que foram adotadas.

Essas duas analogias nos mostram algo importante em relação à nossa salvação. Nascer de novo significa que há uma mudança radical em nosso ser humano, uma mudança que começa pequena e cresce ao longo de nossas vidas. Somos uma nova criação, novas pessoas vivendo em uma nova era.

A adoção é que uma vez foram estrangeiros do império, mas foram agora explicada pela decisão de Deus e com a ajuda do Espírito Santo aos filhos de Deus e ter plenos direitos de herança e identidade. Nós, os distantes, fomos trazidos para perto pela obra salvadora de Jesus Cristo. Nele nós morremos, mas por causa dele não temos que morrer. Nós vivemos nele, mas não somos nós que somos os vivos, mas somos pessoas novas criadas pelo Espírito de Deus.

Toda metáfora tem seu significado, mas também seus pontos fracos. Nada no mundo físico pode transmitir totalmente o que Deus está fazendo em nossas vidas. Com as analogias que ele nos deu, a imagem bíblica da filiação divina é especialmente aceita.

Como as crianças se tornam

Deus é criador, provedor e rei. Mas o que é ainda mais importante para nós é o pai dele. É um volume íntimo que se expressa na relação mais significativa da cultura do primeiro século.

As pessoas da sociedade de então eram conhecidas por seu pai. Por exemplo, seu nome poderia ter sido Joseph, filho de Eli. Seu lugar na sociedade teria sido determinado por seu pai. Seu pai teria determinado seu status econômico, sua profissão, seu futuro cônjuge. Tudo o que você herdou teria vindo de seu pai.

Na sociedade de hoje, as mães são mais propensas a desempenhar o papel mais importante. Muitas pessoas hoje têm um relacionamento melhor com a mãe do que com o pai. Se a Bíblia fosse escrita hoje, certamente se consideraria também as parábolas maternas. Mas nos tempos bíblicos, as parábolas paternas eram mais importantes.

Deus, que às vezes revela suas próprias qualidades maternas, sempre se considera pai. Se nosso relacionamento com nosso pai terreno é bom, então a analogia funciona bem. Mas ter um relacionamento ruim com o pai torna mais difícil para nós saber o que Deus está tentando nos dizer sobre o nosso relacionamento com ele.

O julgamento de que Deus não é melhor que o nosso pai terreno não é nosso. Mas talvez nós somos criativos o suficiente para imaginá-lo em um relacionamento idealizado pelos pais que um ser humano nunca pode alcançar. Deus é melhor que o melhor pai.

Como nós, como filhos de Deus, olhamos para Deus como nosso Pai?

  • O amor de Deus por nós é profundo. Ele faz sacrifícios para nos tornar bem sucedidos. Ele nos criou à sua imagem e quer nos ver perfeitos. Muitas vezes, como pais, primeiro percebemos o quanto devemos valorizar nossos próprios pais por tudo que fizeram por nós. Em nosso relacionamento com Deus, só podemos nos sentir subjugados pelo que ele está passando em nosso benefício.
  • Sendo totalmente dependente Dele, olhamos com confiança em Deus. Nossos próprios ativos não são suficientes. Confiamos nele para cuidar de nossas necessidades e nos guiar por nossas vidas.
  • Nós gostamos de sua segurança todos os dias porque sabemos que um Deus Todo-Poderoso está nos observando. Ele conhece as nossas necessidades, seja pão diário ou ajuda de emergência. Nós não temos que
    preocupado ansiosamente, porque o pai nos fornecerá.
  • Quando crianças, temos a garantia de um futuro no reino de Deus. Para uma outra analogia de usar: como herdeiros teremos fabulosa riqueza e viver em uma cidade, será tão abundante em ouro como o pó. Lá teremos abundância espiritual de muito mais valor do que qualquer coisa que conhecemos hoje.
  • Nós temos confiança e coragem. Nós podemos pregar com sinceridade sem medo de perseguição. Mesmo se formos mortos, não temos medo; porque temos um pai que ninguém pode tirar de nós.
  • Podemos encarar nossos exames com otimismo. Sabemos que nosso pai permite que as dificuldades nos educem para que possamos fazer melhor a longo prazo (Hebreus 12,5: 11). Estamos confiantes de que isso funcionará em nossas vidas, que não será rejeitado.

Essas são enormes bênçãos. Talvez você pense em mais. Mas tenho certeza de que não há nada melhor no universo do que ser filho de Deus. Essa é a maior bênção do Reino de Deus. Quando nos tornamos como criancinhas, nos tornamos herdeiros de toda a alegria e bênçãos de todos
reino eterno de Deus que não pode ser abalado.

Joseph Tkach


pdfO cristão