A salvação do mundo inteiro

Nos dias em que Jesus nasceu em Belém, mais de 2000 anos atrás, havia um homem piedoso chamado Simeão que morava em Jerusalém. O Espírito Santo havia revelado a Simeão que ele não morreria até que visse o Cristo do Senhor. Um dia o Espírito Santo levou Simeão ao templo no mesmo dia em que os pais trouxeram o menino Jesus para atender aos requisitos da Torá. Quando Simeão viu o bebê, ele tomou Jesus em seus braços, louvou a Deus e disse: Senhor, agora você deixa seu servo ir em paz, como você disse; porque meus olhos viram seu Salvador, a quem você preparou diante de todos os povos, uma luz para iluminar os gentios e ao preço de seu povo Israel (Lucas 2,29-32).

Simeão louvou a Deus pelo que os escribas, fariseus, sumos sacerdotes e mestres da lei não puderam entender: o Messias de Israel veio não apenas para a salvação de Israel, mas também para a salvação de todos os povos do mundo. Isaías previra isso muito antes: Não é suficiente que você seja meu servo para levantar as tribos de Jacó e restaurar os dispersos de Israel, mas também te fiz a luz dos gentios que você é minha salvação até o fim a terra (Isaías 49,6). Deus chamou os israelitas dos povos e os separou como seu povo de propriedade através de um pacto. Mas ele não fez isso apenas por ela; ele finalmente fez isso pela salvação de todos os povos. Quando Jesus nasceu, um anjo apareceu a um grupo de pastores que cuidavam de seus rebanhos à noite.

A glória do Senhor brilhou sobre ela e o anjo disse:
Não tenha medo! Eis que eu proclamo a você uma grande alegria que virá a todo o povo; porque o Salvador nasceu para você hoje, que é Cristo, o Senhor, na cidade de Davi. E isso tem como um sinal: você encontrará a criança embrulhada em fraldas e deitada em um berço. E imediatamente houve a multidão de hostes celestes com o anjo, que louvou a Deus e disse: Glória a Deus nas alturas e paz na terra com o povo de sua boa vontade. (Lucas 2,10-14).

Quando ele descreveu a extensão do que Deus fez por meio de Jesus Cristo, Paulo escreveu: Pois agradou a Deus que toda abundância habitasse nele e que ele reconciliasse tudo com ele, fosse na terra ou no céu, por: Paz feita por seu sangue na cruz (Colossenses 1,19: 20). Assim como Simeão proclamou sobre o menino Jesus no templo: através do próprio filho de Deus, a salvação havia chegado ao mundo inteiro, a todos os pecadores, até a todos os inimigos de Deus.

Paulo escreveu para a igreja em Roma:
Porque Cristo morreu por nós no momento em que ainda éramos fracos. Agora, quase ninguém morre por causa de apenas um; talvez pelo bem ele ouse sua vida. Mas Deus mostra seu amor por nós no fato de que Cristo morreu por nós quando ainda éramos pecadores. Quanto mais ele nos salvará da raiva agora que fomos justificados pelo seu sangue! Porque se nós fomos reconciliados com Deus pela morte de seu filho quando ainda éramos inimigos, quanto mais seremos salvos por sua vida depois de nos reconciliarmos agora (Romanos 5,6-10). Apesar do fracasso de Israel em cumprir a aliança que Deus havia feito com eles e apesar de todos os pecados dos gentios, através de Jesus Jesus realizou tudo o que era necessário para salvar o mundo.

Jesus foi o Messias profetizado, o representante perfeito do povo do convênio e, como tal, a luz para os gentios, aquele pelo qual tanto Israel como todos os povos foram salvos do pecado e trazidos para a família de Deus. É por isso que o Natal é um tempo para celebrar o maior presente de Deus para o mundo, o dom de Seu único Filho, nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

por Joseph Tkach


pdfA salvação do mundo inteiro