Visibilidade invisível

178 invisível visível Acho divertido quando as pessoas explicam: "Se eu não conseguir ver, não vou acreditar". Costumo ouvir isso dito quando as pessoas duvidam que Deus exista ou que Ele inclui todas as pessoas em Sua graça e misericórdia. Para não causar ofensa, indico que não vemos magnetismo nem eletricidade, mas sabemos pelos efeitos deles que eles existem. O mesmo se aplica ao vento, gravidade, som e até pensamento. Dessa maneira, experimentamos o que é chamado "conhecimento sem imagem". Eu gosto de apontar conhecimentos como "visibilidade invisível".

Contando apenas com a nossa visão, durante anos só podíamos especular sobre o que havia no céu. Com a ajuda de telescópios (como o telescópio Hubble), sabemos muito mais hoje. O que antes era "invisível" para nós agora é visível. Mas nem tudo o que existe é visível. Matéria escura z. B. não emite luz ou calor. É invisível para nossos telescópios. No entanto, os cientistas sabem que a matéria escura existe porque descobriram seus efeitos gravitacionais. Um quark é uma minúscula partícula especulativa a partir da qual prótons e nêutrons são formados no núcleo dos átomos. Com os glúons, os quarks formam hádrons ainda mais exóticos, como os mésons. Embora nenhum desses constituintes de um átomo tenha sido observado, os cientistas demonstraram seus efeitos.

Não há microscópio ou telescópio através do qual Deus possa ser visto, como as Escrituras nos dão em João 1,18 diz: Deus é invisível: «Ninguém jamais viu a Deus. Mas seu único filho, que conhece muito bem o Pai, nos mostrou quem é Deus ”. Não há como "provar" a existência de Deus com meios físicos. Mas acreditamos que Deus existe porque experimentamos os efeitos de seu amor supremo e incondicional. Este amor é certamente muito pessoal, intensa e concretamente revelado em Jesus Cristo. Em Jesus vemos o que seus apóstolos concluíram: Deus é amor. O amor, que em si mesmo não pode ser visto, é a natureza, motivação e propósito de Deus. Conforme afirmado por TF Torrance:

"O fluxo constante e incessante do amor de Deus, que não tem outra razão para sua ação senão o amor que é Deus, é, portanto, derramado sem restrição, independentemente da pessoa e independentemente de suas reações" (Teologia Cristã e Cultura Científica, p. 84).

Deus ama por quem ele é, não por quem somos e pelo que fazemos. E esse amor nos é revelado na graça de Deus.

Embora não possamos explicar totalmente o invisível, como o amor ou a graça, sabemos que ele existe porque o que vemos está parcialmente lá. Observe, eu uso a palavra "parcialmente". Não queremos cair na armadilha da presunção de que o visível explica o invisível. TF Torrance, que estudou teologia e ciência, observa que o oposto é verdadeiro; o invisível explica o visível. Para explicar isso, ele usa a parábola dos trabalhadores da vinha (Mateus 20,1: 16), onde o dono da vinha contrata trabalhadores o dia todo para trabalhar nos campos. No final das contas, todos os trabalhadores recebem o mesmo salário, mesmo que alguns tenham trabalhado duro o dia todo e outros tenham trabalhado apenas algumas horas. Para a maioria dos trabalhadores, isso parece injusto. Como alguém que trabalha apenas uma hora pode receber o mesmo salário que alguém que trabalha o dia todo?

Torrance salienta que os exegetas fundamentalistas e liberais perdem o ponto da parábola de Jesus, que não é sobre salários e justiça, mas sobre a graça incondicional, generosa e poderosa de Deus. Essa graça não se baseia em quanto tempo trabalhamos, quanto tempo acreditamos, quanto estudamos ou quão obedientes éramos. A graça de Deus é baseada inteiramente em quem Deus é. Com essa parábola, Jesus torna visível a natureza "invisível" da graça de Deus, que, ao contrário de nós, vê e faz coisas. O reino de Deus não é sobre o quanto ganhamos, mas sobre a generosidade generosa de Deus.

A parábola de Jesus nos diz que Deus oferece Sua maravilhosa graça a todas as pessoas. E enquanto todos são oferecidos o presente na mesma medida, alguns imediatamente escolhem viver em graça nesta realidade e, portanto, têm a oportunidade de desfrutar mais do que aqueles que ainda não fizeram essa escolha. O dom da graça é para todos. O que o indivíduo faz com isso é muito diferente. Quando vivemos na graça de Deus, o que era invisível para nós tornou-se visível.

A invisibilidade da graça de Deus não os torna menos reais. Deus se deu a nós para que pudéssemos conhecê-lo e amá-lo, receber seu perdão e nos relacionar com ele como Pai, Filho e Espírito Santo. Vivemos pela fé e não pela vista. Experimentamos sua vontade em nossa vida, em nossos pensamentos e ações. Sabemos que Deus é amor porque sabemos quem ele é em Jesus Cristo, que o "revelou" a nós. Assim como no John 1,18 (Nova tradução em Genebra) está escrito:
«Ninguém nunca viu Deus. O Filho unigênito nos revelou, aquele que é o próprio Deus e está sentado ao lado do Pai ”. Sentimos o poder da graça de Deus quando experimentamos Seu propósito de nos perdoar e amar - de nos dar o maravilhoso presente de Sua graça. Assim como Paulo fez em Filipenses 2,13 (Nova tradução em Genebra) expressa: "O próprio Deus está trabalhando em você e não apenas o prepara, mas também permite que você faça o que ele gosta".

Vivendo em Sua graça

Joseph Tkach
Presidente GRACE COMMUNION INTERNATIONAL


pdfVisibilidade invisível